Gender Equality

Living Edition
| Editors: Walter Leal Filho, Anabela Marisa Azul, Luciana Brandli, Pinar Gökcin Özuyar, Tony Wall

Domestic Violence Against Women: Relevance, Reflections, and Public Policies

  • Mércia Gomes Oliveira de CarvalhoEmail author
  • Alba Jean Batista Viana
Living reference work entry
DOI: https://doi.org/10.1007/978-3-319-70060-1_40-1

Definition

Domestic violence refers to frequent violent behavior or a pattern of coercive control undertaken, directly or indirectly, by individuals with or without consanguinity and who have a power relationship (intimate partners, family members, households, and sporadically), especially in the domestic environment, but not exclusively, given that it can be perpetrated at home, at work, in the street, in the leisure, and in other spaces than the private one. For, what qualifies this type of violence is the predominance of affective bonds between the aggressor and the victim, this condition, therefore, distinguishes domestic violence from non-domestic violence.

This entry proposes to take an approach on domestic violence (also called intrafamily/family violence) against women, with the aim of producing a reflection on the phenomenon and contributing to the understanding and debate of the issue.

Understanding Domestic Violence

Domestic violence against women translates as a form of...
This is a preview of subscription content, log in to check access.

References

  1. As vozes do mundo (2017) Uma mulher é assassinada a cada 3 horas e meia no México. Disponível em: http://br.rfi.fr/americas/20171027-linha-direta-no-mexico-casos-de-feminicidios-dobram-nos-ultimos-10-anos. Accessed 18 Ago 2018
  2. Bandeira LM, de Almeida TMC (2015) Vinte anos da Convenção de Belém do Pará e a Lei Maria da Penha. Rev Estud Fem Florianópolis 23(2):501–517CrossRefGoogle Scholar
  3. Barros R (2018) Violência contra a Mulher. Parlamento Jovem. Minas Gerais. [Online]. Available: https://www.almg.gov.br/export/sites/default/educacao/parlamento_jovem/2018/documentos/texto-base/texto-base-2018.pdf. Accessed 5 June 2018
  4. Blay EA (2014) In: Blay EA (ed) Feminismos e masculinidades: novos caminhos para enfrentar a violência contra a mulher, 1st edn. Cultura Acadêmica, São Paulo, 277pGoogle Scholar
  5. Bonamigo IS (2008) Violências e contemporaneidade. Katál Florianópolis 11(2):204–213CrossRefGoogle Scholar
  6. Brasil Ministério da Saúde (2017) Violência contra mulher: o desafio de articulação da vigilância com a rede de atenção e proteção In: Saúde Brasil 2015/2016 – uma análise da situação de saúde e da epidemia pelo vírus zika e por outras doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Brasília, p 133–154. [Online]. Available: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/maio/12/2017-0135-vers-eletronica-final.pdf. Accessed 16 June 2018
  7. Brasil Presidência da República (2011) Secretaria de Políticas para as Mulheres. Pacto Nacional pelo Enfrentamento à violência contra a mulher. Brasília. [Online]. Available: http://www.spm.gov.br/sobre/publicacoes/publicacoes/2011/pacto-nacional. Accessed 5 June 2018
  8. Brasil Presidência da República (2013) Secretaria de Políticas para as Mulheres. Plano Nacional de Políticas para as mulheres. Brasília. [Online]. Available: http://www.spm.gov.br/assuntos/pnpm/publicacoes/pnpm-2013-2015-em-22ago13.pdf. Accessed 1 June 2018
  9. Brasil Presidência da República (2015) Lei n° 13.104, de 9 de março de 2015. Altera o art. 121 do Decreto-Lei n° 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal, para prever o feminicídio como circunstância qualificadora do crime de homicídio, e o art. 1° da Lei no 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o feminicídio no rol dos crimes hediondosGoogle Scholar
  10. Brasil Presidência da República (2006) Lei N° 11.340, de 7 de agosto de 2006 – Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8o do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. [Online] http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm. Acessed 5 June 2018
  11. Brasil Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres e Ministério da Justiça e Cidadania (2016) Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180. Balanço Anual 2016. p 22. [Online]. Available: https://www.compromissoeatitude.org.br/wp-content/uploads/2017/06/Balanco-Anual-180_2016.pdf. Accessed 23 maio 2018
  12. Conselho Nacional de Justiça CNJ (2017) Brasil Divulga dados do judiciário sobre violência contra a mulher. [Online]. Available: http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/85640-cnj-publica-dados-sobre-violencia-contra-a-mulher-no-judiciario. Acesso em 15 June 2018
  13. Dahlberg LL, Krug EG (2007) Violência: um problema global de saúde pública. Ciênc Saúde Coletiva 11(Sup):1163–1178Google Scholar
  14. Fleury-Teixeira E, Meneghel SN (2015) In: Fleury-Teixeira E, Meneghel S (eds) Dicionário feminino da infâmia: Acolhimento e diagnóstico de mulheres em situação de violência. Fiocruz, Rio de Janeiro, 422pGoogle Scholar
  15. Garcia LP (2016) A magnitude invisível da violência contra a mulher. Epidemiol Serv Saúde 25(3):451–454. BrasíliaCrossRefGoogle Scholar
  16. Gherardi N (2016) Violência Contra Mulheres nAmérica Latina. SUR 24 13(24):129–136Google Scholar
  17. Gomes OMC (2015) Violência doméstica e migrações, 2nd edn. Juruá, Curitiba, 228pGoogle Scholar
  18. Instituto Nacional de Estatística de Moçambique (2017) Estatísticas de violência doméstica-2014-2016, Moçambique, 2018. [Online]. Available: http://www.ine.gov.mz/estatisticas/estatisticas-sectoriais/accao-social/estatisticas-de-violencia-domestica-2014-2016/view. Accessed 22 maio 2018
  19. Organization of American States (2014) Guía para la Aplicación de la Convención Interamericana para Prevenir, Sancionar y Erradicar la violencia contra la mujer. Convención de Belém do Pará – Mesecvi [Online]. http://www.oas.org/es/mesecvi/docs/bdp-guiaaplicacion-web-es.pdf. Accessed 8 Oct 2018
  20. Ministério da Justiça Fórum Brasileiro de Segurança Pública Brasil (2017) Anuário Brasileiro de Segurança Pública ano 11 – 2017. 108p. [Online]. Available: http://www.forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2017/12/ANUARIO_11_2017.pdf. Accessed 12 maio 2018
  21. Ministério da Saúde Brasil (2001) Política Nacional de Redução de Morbimortalidade por Acidentes e Violências. Portaria GM/MS n° 737, de 16 de maio de 2001. Ministério da Saúde, BrasíliaGoogle Scholar
  22. Miranda MPM et al (2010) Violência conjugal física contra a mulher na vida: prevalência 2e impacto imediato na saúde, trabalho e família. Rev Panam Saude Publica 27(4):300–308CrossRefGoogle Scholar
  23. Oliveira ACL (2017) A influência da convenção de Belém do Pará na prevenção da violência Contra as Mulheres no Brasil, Chile E Guatemala. Brasília. 2017Google Scholar
  24. Oliveira AC et al (2016) In: Sousa ESS, Viana AJB (eds) O feminicídio, os paradigmas sociais e o direito. Ideia, João Pessoa, pp 77–116Google Scholar
  25. Organização da Nações Unidas (2017) Região da América Latina e do Caribe é a mais violenta do mundo para as mulheres, diz ONU. [Online]. Available: https://nacoesunidas.org/regiao-da-america-latina-e-do-caribe-e-a-mais-violenta-do-mundo-para-as-mulheres-diz-onu/. Accessed 16 June 2018
  26. Organização das Nações Unidas – ONU (2016) Transformando Nosso Mundo: Agenda 2030. 42p. [Online]. Available: http://www.br.undp.org/content/dam/brazil/docs/agenda2030/undp-br-Agenda2030-completo-pt-br-2016.pdf. Accessed 15 June 2018
  27. Organização dos Estados Americanos – OEA (1994) Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher convenção de Pará (1994). [Online]. Available: http://www.cidh.org/Basicos/Portugues/m.Belem.do.Para.htm. Accessed 20 June 2018
  28. Pasinato W (2015) Oito anos de Lei Maria da Penha.: Entre avanços, obstáculos e desafios. Rev Estud Fem 23(2):533–545CrossRefGoogle Scholar
  29. Paula AG (2017) Brasil, México e Peru: o combate à violência contra a mulher por meio da legislação. RIDH Bauru 5(1):191–206. (8)Google Scholar
  30. Portal Vermelho (2018) Na África do Sul, 50 mil mulheres são estupradas por ano. [Online]. Available: http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=180265. Accessed 02 out 2018
  31. República de Angola (2017) Ministério de Género de Angola. Relatório de Analítico de Género de Angola. República de Angola. [Online]. Available: http://www.ao.undp.org/content/dam/angola/docs/Publications/undp_ao_PrimeiroRelatorioAnaliticodeGenero_Angola_2017.pdf. Accessed 2 out 2018
  32. Rifiotis T (1998) Dilemas éticos no campo da violência. Comunicação & Educação, São Paulo, n.13, pp 26–32Google Scholar
  33. Romero TI (2014) Sociología y política del feminicidio: algunas claves interpretativas a partir de caso mexicano. Rev Soc Estado Brasília 29(2):373–400CrossRefGoogle Scholar
  34. Sardenberg CMB, Grossi MP (2015) Balanço sobre a Lei Maria da Penha. Estud Fem Florianópolis 23(2):497–500. [Online] Available: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/38871/29350. Accessed 22 maio 2018CrossRefGoogle Scholar
  35. Segato RL (2010) Qué es un feminicídio (2006). Notas para un debate emergente. Série Antropologia, n. 401. Universidade de Brasília. Brasília, p 11. [Online]. Available: https://www.nodo50.org/codoacodo/enero2010/segato.pdf. Accessed 23 June 2018
  36. Silva MMA et al (2018) Violência como problema de Saúde Pública. In: Rouquarol MZ, da Silva MGC (eds) Epidemiologia & Saúde, 8th edn. Medbook, Rio de Janeiro, pp 281–301Google Scholar
  37. Waiselfisz JJ (2015) Mapa da violência. Homicídio de Mulheres no Brasil, 1st edn. Brasília. 83p. [Online]. Available: https://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2015/MapaViolencia_2015_mulheres.pdf. Accessed 16 June 2018
  38. World Health Organization (2013) Global and regional estimates of violence against women: prevalence and health effects of intimate partner violence and non-partner sexual violence. Geneva. 57p. [Online]. Available: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/85239/9789241564625_eng.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Accessed 16 June 2018
  39. World Health Organization (2014) Global status report on violence prevention 2014. Who, Geneva. [Online] Available: http://www.who.int/violence_injury_prevention/violence/status_report/2014/report/report/en/. Accessed 22 maio 2018Google Scholar

Copyright information

© Springer Nature Switzerland AG 2019

Authors and Affiliations

  • Mércia Gomes Oliveira de Carvalho
    • 1
    • 2
    • 3
    • 4
    Email author
  • Alba Jean Batista Viana
    • 3
    • 5
  1. 1.University of Brasília (UnB)BrasíliaBrazil
  2. 2.Federal University of PiauíTeresinaBrazil
  3. 3.Federal University of ParaíbaJoão PessoaBrazil
  4. 4.Council of Municipal Health Secretariats of ParaíbaJoão PessoaBrazil
  5. 5.Nucleus of Research and Extension of UNIFACISA – University centerJoão PessoaBrazil

Section editors and affiliations

  • Andréia Faraoni Freitas Setti
    • 1
  1. 1.Department of Biology & Centre for Environmental and Marine Studies – CESAMUniversity of AveiroAveiroPortugal