Advertisement

Local Development Policies, the Labour Market and the Dynamics of Virtual Value Chains: the Case of the IT Sector in the Municipality of Londrina, Brazil

Chapter
Part of the Dynamics of Virtual Work book series (DVW)

Abstract

The main aim of this chapter is to consider two aspects of public policy, local economic development and entrepreneurship, which have become issues in the labour market as a result of the implementation of neoliberal policies. The argument put forward here is that these policies have exacerbated, rather than reduced, the provision of flexible low wage employment within the value chains of transnational oligopolies in Brazil.

Keywords

Labour Market Foreign Direct Investment Minimum Wage Local Development Local Economic Development 
These keywords were added by machine and not by the authors. This process is experimental and the keywords may be updated as the learning algorithm improves.

References

  1. Associação Comercial e Industrial de Londrina (2013). Kireeff quer mudar lei para atrair empresas (online). http://www.acil.com.br/noticias-detalhe/30/12/2013/Kireeff-alterar-marco-regulatorio
  2. ADETEC – Associação do DesenvolvimentoTecnológico de Londrina e Região. ‘Livro Londrina Tecnópolis’, Online available at: http://adetec.org.br/site/?s=tecn%C3%B3polis&search=Buscar Accessed in Nov 2012.
  3. Antero, S. A. (2006). Articulação de políticas públicas a partir dos fóruns de competitividade setoriais: a experiência recente da cadeia produtiva têxtil e de confecções. Revista de Administração Pública, 1(40), 57–80.CrossRefGoogle Scholar
  4. Antunes, R., & Braga, R. (2009). Infoproletários: degradação real do trabalho virtual. São Paulo: Boitempo.Google Scholar
  5. Araki, K. (2000) Technological innovation, national urban policy and local development: Policy implications of the concept of technopole and Japan’s Technopolis Programme for Developing Countries (online). http://www.bartlett.ucl.ac.uk/dpu/publications/latest/publications/dpu-working-papers/wp110.pdf
  6. Baltar, R., & Wolff, S. (2009). ’Trabalho decente e cadeias produtivas: uma análise da implementação de programas estaduais para promoção da agenda trabalho decente no Brasil’ in Anais do 14° Congresso Brasileiro de Sociologia. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Sociologia.Google Scholar
  7. Bernardo, J. (2004). Democracia totalitária: teoria e prática da empresa soberana. São Paulo: Cortez.Google Scholar
  8. Caiado, S. C., Ribeiro, T. F. F. and Amorim, R. L. C. (2004) ‘Políticas neoliberais e reestruturação produtiva’. In: Pochmann, M. (Org.): Reestruturação produtiva: perspectivas de desenvolvimento local com inclusão social. (Rio de Janeiro: Vozes), 63–146.Google Scholar
  9. Castillo, J. J. (2008). Las fábricas de software en España. Organización y división del trabajo: el trabajo fluido em la sociedad de la información. Política & Sociedade, 7(3), 35–108.Google Scholar
  10. Costa, Odorico de MoraesEloy da (2011) ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS: APL´s comoEstratégia de Desenvolvimento: umaAbordagemTeórica. Fortaleza, Instituto de Pesquisa e EstratégiaEconômicadoCeará. ISBN: 978-85-98664-21-7.Google Scholar
  11. Castro, B. G. (2013) ’Afogados em contratos: o impacto da flexibilização do trabalho nas trajetórias dos profissionais de TI’. Tese de doutorado, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Brasil.Google Scholar
  12. Cavalcante, S. (2014). Valor, renda e 'imaterialidade' no capitalismo contemporâneo. Caderno Caderno CRH: Revista do Centro de Recursos Humanos da UFBA, 27, 115–130 Online http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-49792014000100009.CrossRefGoogle Scholar
  13. Cireno, F. (2003) ‘Mudanças estruturais no emprego brasileiro na década de 90’. Anais do 27° Encontro Anual da ANPOCS. Caxambú: ANPOCS (online). http://www.anpocs.org/portal/index.php?option=com_docman&task=doc_view&gid=4174&Itemid=316
  14. Dall’Acqua, C. T. B. (2003). Competitividade e participação: cadeias produtivas e a definição dos espaços econômicos, global e local. São Paulo: Annablume.Google Scholar
  15. Druck, G. (2011). Trabalho, precarização e resistências: novos e velhos desafios? Caderno CRH: Revista do Centro de Recursos Humanos da UFBA, 24(n.esp.1), 35–55.Google Scholar
  16. Ferreira, L. A. S. (2014) ’Políticas públicas de desenvolvimento, emprego/renda e incentivos aos pequenos negócios no setor de tecnologia da informação: quais as consequências para o mercado de trabalho do município de Londrina?’ Trabalho de Conclusão de Curso, Centro de Letras e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Brasil.Google Scholar
  17. Fleury, A. (1993) ‘Novas tecnologias, capacitação tecnológica e processo de trabalho’ in Hirata, H. (org.) Sobre o modelo japonês, 33–48. São Paulo: EDUSP.Google Scholar
  18. Harvey, D. (2006). A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume.Google Scholar
  19. Harvey, D. (2005a). O ‘novo’ imperialismo: sobre rearranjos espaciotemporais e acumulação mediante despossessão. Margem Esquerda: ensaios marxistas, 5, 31–40.Google Scholar
  20. Harvey, D. (2005b). O novo imperialismo. São Paulo: Loyola.Google Scholar
  21. Hirata, H., & Zarifian, P. (1991). Força e fragilidade do modelo japonês. Estudos Avançados, 5(12), 173–185.CrossRefGoogle Scholar
  22. Jinkings, I. and Amorim, E. R. A. (2006). ‘Produção e desregulamentação na indústria têxtil e de confecção’ in Antunes, R. (org.): Riqueza e miséria do trabalho no Brasil (São Paulo: Boitempo), 337–385.Google Scholar
  23. Krein, J. D. (2012) ‘Condições e relações de trabalho no segmento das micro e pequenas empresas’ in Santos, A. L., Krein, J. L. and Calixtre, A. B. (orgs.). Micro e pequenas empresas: mercado de trabalho e implicação para o desenvolvimento (Rio de Janeiro: IPEA).Google Scholar
  24. Krein, J. D. (2007) ‘Tendências recentes nas relações de emprego no Brasil: 1990–2005. 2007’. Tese de Doutorado em Economia Social e do Trabalho, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Brasil.Google Scholar
  25. Prefeitura Municipal, de Londrina (Br) (2012) Arranjo produtivo local de TI de Londrina e Região Online available at: http://www.apltilondrina.com.br/
  26. Marcelino, P. R. P. (2008) ‘Terceirização e ação sindical: a singularidade da reestruturação do capital no Brasil’. Tese de Doutorado em Ciências Sociais, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Brasil.Google Scholar
  27. Mattoso, J. (2000). O Brasil desempregado: como foram destruídos mais de 3 milhões de empregos nos anos 90. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.Google Scholar
  28. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (BR) (2012). Notícias (online). http://www.mdic.gov.br/sitio/
  29. Neri, M., Camargo, J., & Reis, M. C. (2000). Mercado de trabalho nos anos 90: fatos estilizados e interpretações. Rio de Janeiro: IPEA.Google Scholar
  30. Pochmann, M. (2012). Nova Classe Média? o trabalho na base da pirâmide social brasileira. São Paulo: Boitempo.Google Scholar
  31. Pochmann, M. (2005). O emprego na globalização: a nova divisão internacional do trabalho e os caminhos que o Brasil escolheu. São Paulo: Boitempo.Google Scholar
  32. Pochmann, M. (2004) Desenvolvimento capitalista e divisão do trabalho in Pochmann, M. (org.): Reestruturação produtiva: perspectivas de desenvolvimento local com inclusão social (Petrópolis: Vozes), 15-61.Google Scholar
  33. Portal Do Empreendedor Individual Pelo Ministério Do Desenvolvimento, Indústria E Comércio Exterior—MDIC. Disponível em. http://www.portaldoempreendedor.gov.br/modulos/inicio/index.htm. Acesso em jun. 2012.
  34. Santos, C. M. S., et al. (2010). Evoluindo da cadeia de valor para cadeia de suprimentos. Revista Produção Online, 10(4), 753–778 Online http://www.producaoonline.org.br/rpo/article/view/402/736.CrossRefGoogle Scholar
  35. Sarfati, G. (2013). Estágios de desenvolvimento econômico e políticas públicas de empreendedorismo e de micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) em perspectiva comparada: os casos do Brasil, do Canadá, do Chile, da Irlanda e da Itália. Revista de Administração Pública, 47(1), 25–48 Online http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-76122013000100002&script=sci_arttext.CrossRefGoogle Scholar
  36. Sposito, E. S., & Santos, L. B. (2012). O Capitalismo industrial e as multinacionais brasileiras. São Paulo: Outras Expressões.Google Scholar
  37. Silva, C. X. (2009) ‘Nosfios invisíveisda terceirização: a precarização do trabalho na indústria de confecções’. Trabalho de conclusão de curso, Centro de Letras e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Brasil.Google Scholar
  38. Tapia, J. R. B. (2005). Desenvolvimento local, concertação social e governança: a experiência dos pactos territoriais na Itália. São Paulo em Perspectiva, 19(1), 132–139 Online http://www.scielo.br/pdf/spp/v19n1/v19n1a12.pdf.CrossRefGoogle Scholar

Copyright information

© The Editor(s) (if applicable) and The Author(s) 2016

Authors and Affiliations

  1. 1.Department of Social SciencesState University of Londrina (UEL)LondrinaBrazil

Personalised recommendations