Advertisement

Sustainability and Educational Actions

Chapter
  • 431 Downloads
Part of the Schooling for Sustainable Development book series (SSDE, volume 2)

Abstract

The thoughts expressed in this quotation, derived from Karl Marx in his Economical and Philosophical Manuscripts, introduce the theoretical elements on which we shall focus in this chapter. For Marx, nature was considered an extension of the human body, its inorganic expression. Without nature, there was no humankind. Amplifying this, Foster (2005: 107–108) asserted, men “produce their own history producing their means of subsistence mostly. Nature becomes practical to human kind”.

Keywords

Environmental Education Educational Process Environmental Matter Social Sustainability Theoretical Field 
These keywords were added by machine and not by the authors. This process is experimental and the keywords may be updated as the learning algorithm improves.

References

  1. Acselrad, H (ed.). 2001. Sentidos da Sustentabilidade Urbana. Rio de Janeiro: DP&A.Google Scholar
  2. Bauman, Z. 2003. Comunidade: A Busca da Segurança no Mundo Atual. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.Google Scholar
  3. Camargo, A L de B. 2003. Desenvolvimento Sustentável: Dimensões e Desafios. Campinas: Papirus.Google Scholar
  4. Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (CMMAD). 1998. Nosso Futuro Comum. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.Google Scholar
  5. Cortella, M S. 2000. A Escola e o Conhecimento: Fundamentos Epistemológicos e Políticos. São Paulo: Cortez.Google Scholar
  6. Foster, J. B. 2005. A Ecologia de Marx: Materialismo e Natureza. Trans. Maria Teresa Machado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.Google Scholar
  7. Freire, P. 1996. Pedagogia da Autonomia. São Paulo: Paz e Terra.Google Scholar
  8. Gadotti, M. 2000. Pedagogia da Terra. São Paulo: Petrópolis.Google Scholar
  9. Gaudiano, E G, and L Lorenzetti. 2009. Investigação em educação ambiental na América Latina: mapeando tendências. Educação em Revista/Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte: FAE/UFMG 25(3): 191–233.Google Scholar
  10. Gonçalves, M A R. 2003. A Vila Olímpica é Verde-e-rosa. Rio de Janeiro: Editora FGV.Google Scholar
  11. Jacobi, P. 2003. Educação Ambiental: Cidadania e Sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa 18: 189–205.Google Scholar
  12. Japiassu, H. 1991. As paixões das ciências. São Paulo: Letras e Letras.Google Scholar
  13. Jimenez, S, and E Terceiro. 2009. A crise ambiental e o papel da educação: um estudo fundado na ontologia marxiana. Educação em Revista/Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte: FAE/UFMG 25(3): 299–332.Google Scholar
  14. Pato, C, L M Sá, and V L Catalão. 2009. Mapeamento de tendências na produção acadêmica sobre educação ambiental. Educação em Revista/Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte: FAE/UFMG 25(3): 213–233.Google Scholar
  15. Pinsky, J, and C B Pinsky (eds.). 2003. História da Cidadania. São Paulo: Contexto.Google Scholar
  16. Pitano, S de C, and R E Noal. 2009. Horizontes de Diálogo em Educação Ambiental. Educação em Revista/ Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte: FAE/UFMG 25(3): 283–298.Google Scholar
  17. Reigota, M. 1999a. A Floresta e a Escola: Por uma Educação Ambiental Pós-moderna. São Paulo: Cortez.Google Scholar
  18. Reigota, M. 1999b. Ecologia, Elites e Intelligentsia na América Latina: Um Estudo de suas Representações Sociais. São Paulo: Annablume.Google Scholar
  19. Sachs, I. 1986. Ecodesenvolvimento: Crescer sem Destruir. São Paulo: Vértice.Google Scholar
  20. Santos, M. 2002. A natureza do Espaço. São Paulo: Edusp.Google Scholar
  21. Scotto, G, I C de M Carvalho, and L B Guimarães. 2009. Desenvolvimento Sustentável. Petrópolis: Vozes.Google Scholar

Copyright information

© Springer Netherlands 2011

Authors and Affiliations

  1. 1.University of Sorocaba (UNISO/SP)SorocabaBrazil

Personalised recommendations