Higher Education and Democratic Policing: Challenges from Latin America

  • José-Vicente Tavares dos Santos
Chapter

Abstract

In the age of social conflict, the project to prevent violence and reduce violent crime has been multiplied in the perspective of new alternatives for public security policies that could guarantee the right to security of citizens.

References

  1. Balestreri, R. B. (Ed.). (2003). Na inquietude da Paz. Passo Fundo: CAPEC.Google Scholar
  2. Balieiro, A. (2003). Avaliação do Processo Ensino-aprendizagem: a concepção dos professores civis e militares da Academia de Polícia Militar Costa Verde – MT. PPG em Educação. Master Dissertation, Instituto de Educação, Universidade Federal do Mato Grosso – Cuiabá.Google Scholar
  3. Barreira, C., et al. (2004). Questão de Segurança. Rio de Janeiro: Relume Dumará.Google Scholar
  4. Brasil, M. G. M. (2000). A segurança pública no “Governo das Mudanças”: moralização, modernização e participação. Tese (PhD)- Programa de Estudos Pós-Graduados em Serviço Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 323p.Google Scholar
  5. Brasil, G. M., de Almeida, R. O., & de Freitas, G. J. (Eds.). (2015). Dilemas da “nova” formação policial: experiências e práticas de policiamento. Campinas: Pontes.Google Scholar
  6. Caruso, H. G. C. (2006). Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro: da escola de formação à prática policial. Brasilia: SENASP.Google Scholar
  7. Castro, C. (1990). O espírito militar: um estudo de antropologia social na Academia Militar das Agulhas Negras. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.Google Scholar
  8. Cordeiro, B. M. P., & da Silva, S. S. (2003). Direitos Humanos: uma perspectiva interdisciplinar e transversal. Brasília: CICV.Google Scholar
  9. Costa, A. T. M. (2004). Entre a Lei e a Ordem. Rio de Janeiro: FGV.Google Scholar
  10. Da Aquino Silva, R. (2010). Quando os impensáveis entram em cena. Porto Alegre: CORAG.Google Scholar
  11. da Silva, S. S. (2003). Teoria e prática da educação em direitos humanos nas instituições policiais brasileiras. Porto Alegre: Editora CAPEC.Google Scholar
  12. de Albuquerque, C. L., & Machado, E. P. (2001). Sob o signo de Marte: modernização, ensino e ritos da instituição policial militar. Sociologias (Porto Alegre), 5, 214–236, Jan/Jun.Google Scholar
  13. de Araujo Filho, W. (2003). Ordem Pública ou ordem unida? In: Universidade Federal Fluminense e Instituto de Segurança Pública (Eds.), Políticas Públicas de Justiça Criminal e Segurança Pública 1. Niterói: EDUFF.Google Scholar
  14. De Kant Lima, R. (1995). A polícia da cidade do Rio de Janeiro: seus dilemas e paradoxos. Rio de Janeiro: Forense.Google Scholar
  15. de Lima, R. S., & de Paula, L. (Eds.). (2006). Segurança Pública e Violência: o Estado está cumprindo seu papel? (pp. 125–137). São Paulo: Contexto.Google Scholar
  16. de SÁ, L. D. (2002). Os filhos do Estado: auto-imagem e disciplina na formação dos oficiais da Policia Militar do Ceará. Rio de Janeiro: Relume Dumará: Núcleo de Antropologia Política, UFRJ.Google Scholar
  17. de Sousa Santos, B. (2000). A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez.Google Scholar
  18. Dias Neto, T. (2000). Policiamento comunitário e controle sobre a Polícia: a experiência norte-americana. São Paulo: IBCCRIM.Google Scholar
  19. Fabian Sain, M. (2008). El Leviatán Azul: Policía y política en Argentina (Vol. XXI). Buenos Aires: Siglo.Google Scholar
  20. Fernandes, H. (1974). Política e Segurança. São Paulo: Alfa – Omega.Google Scholar
  21. Frigotto, G. (2003). Inovação/construção do conhecimento. Interface. Botucatu, 7(13), 154–156.CrossRefGoogle Scholar
  22. Frigotto, G. (2009). A polissemia da categoria trabalho e a batalha das ideias nas sociedades de classe. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, 14(40), 168–194.CrossRefGoogle Scholar
  23. Granjeiro, L. H. F., Lima, M. S. L., & de Magalhães, R. C. B. P. (2001). A academia vai à academia: uma experiência de formação para policiais. Fortaleza: Demócrito Rocha/UECE.Google Scholar
  24. Haberfeld, M. R. (2002). Critical Issues in Police Training. Upper Saddle River: Pearson Education/Prentice Hall.Google Scholar
  25. Jacondino, E. N. (2015). Saber/Poder e Corpo. Curitiba: Editora CRV.Google Scholar
  26. Kádár, A. (2001). Police in Transition (Essays on the Police Forces in Transition Countries). Budapest: Central European University Press. (cf. Budapest Helsinki Commission. Polices in Democratic Transition. Budapest, CDROM, 1998).Google Scholar
  27. Kessler, G. (2009). El sentimiento de inseguridad: sociología del temor al delito. Siglo XXI: Buenos Aires.Google Scholar
  28. Linhares, C. F. (1999). Escola de Bravos: cotidiano e currículo numa Academia de Polícia Militar. Master Dissertation, PPG em Ciências Sociais da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal da Bahia.Google Scholar
  29. Mingardi, G. (1992). Tiras, gansos e trutas. Scritta: Sâo Paulo.Google Scholar
  30. Neves, P. C., Rique, C., & Freitas, F. (2002). Polícia e Democracia: desafios à Educação e Direitos Humanos. Recife: Bagaço.Google Scholar
  31. Nummer, F. V. (2004). Ser Policia, ser militar: o curso de formação na socialização do policial militar. Niterói: Editora da UFF.Google Scholar
  32. O’Keefe, J. (2004). Protecting the Republic (The Education and Training of American Police Officers – NYPD). Upper Saddle River: Pearson Education.Google Scholar
  33. Pagon, M. (Ed.). (1996). Policing in Central and Eastern Europe. Ljubljana: College of Police and Security Studies. www.ncjrs.org/policing.Google Scholar
  34. Pegoraro, J. (2015). Los Lazos Sociales del Delito Económico y el Orden Social. Eudeba: Buenos Aires.Google Scholar
  35. Pinheiro, P. S., et al. (2000). Democracia, Violência e Injustiça. Rio de Janeiro: Paz e Terra.Google Scholar
  36. Ponciani, P. (2014). O profissionalismo na formação profissional do policial brasileiro: rupturas, permanências e desdobramentos contemporâneos. Segurança, Justiça e Cidadania. Ministério da Justiça/Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP). Brasilia, ano 4(7), 47–76.Google Scholar
  37. Rondon Filho, E. B. (2011). Fenomenologia da Educação Jurídica na formação Policial-Militar. Porto Alegre: Evangraff.Google Scholar
  38. Rudnicki, D. (2007). A formação social de Oficiais da Polícia Militar: análise do caso da Academia da Brigada Militar do Rio Grande do Sul. Tese de Doutorado (PhD), PPG – Sociologia, Porto Alegre.Google Scholar
  39. Rudnicki, D. (2014). A Brigada Militar (e a formação do oficial) na contemporaneidade. In: Segurança, Justiça e Cidadania. Ministério da Justiça/ Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP). Brasilia, ano 4(7), 77–130.Google Scholar
  40. Sadek, M. T. (Ed.). (2005). Delegados de Polícia. São Paulo: IDESP.Google Scholar
  41. SENASP – Secretaria Nacional de Segurança Pública, Ministério da Justiça, Brasil. 2014. Pesquisa Perfil das Instituições de Segurança Pública 2013. Brasilia: SENASP/Ministério da Justiça, http://www.mj.gov.br/senasp.
  42. Soares, L. E. (2000). O Casaco do General. São Paulo: Companhia das Letras.Google Scholar
  43. Tavares dos Santos, J. V. (2002). The Worldization of Violence and Injustice. In: Current Sociology (Vol. 50(1), pp. 123–134). London: ISA – International Sociological Association/Sage. January.Google Scholar
  44. Tavares dos Santos, J. V. (2004). The World Police Crisis and the Construction of Democratic Policing. In: International Review of Sociology (Vol. 14, (1, March), pp. 89–106). Oxfordshire: Taylor & Francis.Google Scholar
  45. Tavares dos Santos, J. V. (2009). Violências e Conflitualidades. Porto Alegre: Tomo Editorial.Google Scholar
  46. Tavares dos Santos, J.-V. (2010). The Dialogue between Criminology and the South’s Sociology of Violence: The Policing Crisis and Alternatives. In M. Burawoy, C. Mau-Kuei, & M. Fei-Yu Hsieh (Eds.), Facing an Unequal World: Challenges for a Global Sociology (Vol. I, pp. 105–125). Taipei: International Sociological Association, Council of National Associations and the Institute of Sociology, Academia Sinica.Google Scholar
  47. Tavares dos Santos, J. V. (2014). Dilemas do Ensino Policial: das heranças às pistas inovadoras. Segurança, Justiça e Cidadania. Ministério da Justiça/Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP). Brasilia, ano 4(7), 11–30.Google Scholar
  48. Tavares dos Santos, J.-V., Zaverucha, J., Lima, R. K., Balestreri, R., & Quejada, J. A. J. (2009). Educação policial: limites e possibilidades para a democracia ampliada. In P. H. Martins & R. d. S. Medeiros (Eds.), América Latina e Brasil em perspectiva (pp. 379–404). Recife: Editora Universitária.Google Scholar
  49. UFF – Universidade Federal Fluminense E Instituto De Segurança Pública. (2003). Políticas Públicas de Justiça Criminal e Segurança Pública 1. Niterói: EDUFF.Google Scholar
  50. Wood, J., & Cardia, N. (2006). Brazil. In T. Jones & T. Newburn (Eds.), Plural Policing: A Comparative Perspective (pp. 139–168). London: Routledge.Google Scholar
  51. Zaluar, A. (1999). Violência e Crime. In S. Miceli (Ed.), O que ler na ciência social brasileira (pp. 13–107). São Paulo: ANPOCS/Sumaré.Google Scholar
  52. Zaluar, A. (2004). Integração Perversa: pobreza e tráfico de drogas. Rio de Janeiro: FGV.Google Scholar
  53. Zaverucha, J. (2003). Polícia Civil de Pernambuco: o desafio da reforma. Recife: Editora da UFPE.Google Scholar

Copyright information

© The Author(s) 2018

Authors and Affiliations

  • José-Vicente Tavares dos Santos
    • 1
  1. 1.Federal University of Rio Grande do SulPorto AlegreBrazil

Personalised recommendations