Advertisement

Land Use and Occupation of Coastal Tropical Wetlands: Whale Coast, Bahia, Brazil

  • Sirius O. SouzaEmail author
  • Cláudia C. Vale
  • Regina C. Oliveira
Chapter
Part of the Coastal Research Library book series (COASTALRL, volume 21)

Abstract

This chapter aims to discuss the process of land use and occupation in coastal tropical wetlands, particularly the ones that occur at the Whale Coast, in the extreme south of the state of Bahia – Brazil, between 1984 and 2014. For this purpose, orbital images of the Landsat-TM satellite were used, which were subsequently integrated and processed in the Geographic Information System using the Envi™ software, through object-targeted classification. Throughout the text, the current standard of occupation in the Brazilian territory is addressed, which is co-validated by the gradual expansion of population and economic cycles, such as the expansion of the eucalyptus forestry, the urban area and pasture in the Whale Coast. At the same time, there is a reduction of forest occupied areas. This study has the objective of contributing with landscape evolution studies and subsiding better planning proposals for land use and occupation in coastal tropical wetlands.

Keywords

Coastline Coastal zone Occupation Wetlands 

Notes

Acknowledgment

The authors would like to thank the São Paulo Research Foundation (FAPESP) for supporting and financing this research (Proc. FAPESP no. 2013/25003-2) and the Espaço da Escrita (University General Coordination – UNICAMP) for the translation services.

References

  1. Ab’saber A (2003) Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. Ateliê editorial, São PauloGoogle Scholar
  2. Amorim R (2011) Análise Geoambiental como subsídio ao planejamento no uso e ocupação das terras da zona costeira da região costa do descobrimento (Bahia) Thesis (PhD in Geography), University of CampinasGoogle Scholar
  3. Andrade A, Dominguez J (2002) Informações Geológico-Geomorfológicas como Subsídios a Análise Ambiental: o Exemplo da Região Planície Costeira de Caravelas – Bahia. Bol Paranaen Geogr 51:9–17Google Scholar
  4. Anjos K (2005) Turismo em Cidades Litorâneas e Seus Impactos Ambientais Urbanos: O Caso De Porto De Galinhas. Dissertation (Graduate Program in Urban Development). Federal University of PernambucoGoogle Scholar
  5. Baeninger R (2003) O Brasil na Rota das Migrações Internacionais Recentes. J UnicampGoogle Scholar
  6. Brasil (1996) Decreto N° 1.905, de 16 de Maio de 1996. Promulga a Convenção sobre Zonas Úmidas de Importância Internacional, especialmente como Habitat de Aves Aquáticas, conhecida como Convenção de Ramsar, de 02 de fevereiro de 1971. BrasíliaGoogle Scholar
  7. Charlier R, Bologa A (2003) Coastal zone under siege – is there realistic relief available? J Coast Res 19(04):884–889Google Scholar
  8. Chhabra A, Geist H (2006) Multiple impacts of land-use/cover change. In: Lambin E, Geist H (eds) Land use and land-cover change: local processes and global impacts. Springer, Berlin, pp 71–116CrossRefGoogle Scholar
  9. Diegues A (1990) Inventário de zonas úmidas do Brasil: versão preliminar, Prog. Pesq. Cons. de Áreas Úmidas. PRP, USP, BrazilGoogle Scholar
  10. Dominguez J (ed) (2008) Costa das Baleias: Caracterização da Zona Costeira dos Municípios de Alcobaça, Caravelas, Nova Viçosa e Mucuri. CBPM/UFBA – CPGG/LEC, SalvadorGoogle Scholar
  11. Espínola L, Júnior H (2007) Espécies invasoras: conceitos, modelos e atributos. Interciencia 32(9):580–585Google Scholar
  12. Floriano E (2004) Metodologia para avaliação de impactos ambientais na eucaliptocultura para fabricação de celulose. ANORGS, Santa RosaGoogle Scholar
  13. Fontes E, Silva S (2005) Desigualdades regionais no Extremo Sul da Bahia: Desafios e oportunidades. Paper presented at the X Geographers Meeting of Latin America, University of São Paulo, São Paulo, 20–26 March 2005Google Scholar
  14. Garofalo D, Messias C, Liesenberg V, Bolfe E, Ferreira M (2015) Análise comparativa de classificadores digitais em imagens do Landsat-8 aplicados ao mapeamento temático. Pesq Agrop Bras, Brasília 50(7):593–604Google Scholar
  15. Google Earth. [Images] (2016) Available in: https://www.google.com.br/intl/pt-BR/earth/
  16. Huang C, Davis L, Townshend J (2002) An assessment of support vector machines for land cover classification. Int J Remote Sens 23:725–749CrossRefGoogle Scholar
  17. Ibama – Instituto brasileiro do meio ambiente e dos recursos naturais renováveis (2012) Parque Nacional Marinho dos Abrolhos. Brasília, IBAMAGoogle Scholar
  18. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – Ibge (2010) Censo 2010. Accessed 21 Sept 2015Google Scholar
  19. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – Ibge (2013) Manual técnico de Uso da Terra. Editora IBGE, Rio de JaneiroGoogle Scholar
  20. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – Ibama (2002) GEO BRASIL 2002. Perspectivas do Meio Ambiente no Brasil. Edições IBAMA, BrasíliaGoogle Scholar
  21. Instituto do Meio Ambiente – Ima (2008) Silvicultura de Eucalipto no Sul e Extremo Sul da Bahia: Situação atual e perspectivas ambientais, Série Diagnósticos. Secretária Estadual de Meio Ambiente, BahiaGoogle Scholar
  22. Instituto Florestal (2014) Serra do Mar. Accessed in oct 2016Google Scholar
  23. Liesenberg V, Gloaguen R (2013) Evaluating SAR polarization modes at L-band for forest classification purposes in Eastern Amazon, Brazil. Int J Appl Earth Obs Geoinf 21:122–135CrossRefGoogle Scholar
  24. Limonad E (2008) “Você já foi à Bahia, nêga? Não! Então vá! Antes que acabe...”. Planejamento, urbanização e turismo no litoral do Nordeste brasileiro, tendências e perspectivas. Scripta Nova. Rev Electrón Geogr Cienc Soc. Barcelona: Universidad de Barcelona, XII (270):55–67Google Scholar
  25. Ministério do Meio Ambiente – Mma (2002a) Avaliação e ações prioritárias para a conservação da biodiversidade das zonas costeira e marinha. Fundação Bio-Rio, BrasíliaGoogle Scholar
  26. Ministério Do Meio Ambiente – Mma (2002b) Biodiversidade Brasileira: Avaliação e Identificação de Áreas Prioritárias para Conservação, Utilização Sustentável e Repartição de Benefícios da Biodiversidade Brasileira. BrasíliaGoogle Scholar
  27. Ministério do Meio Ambiente – MMA (2008) Macrodiagnóstico da Zona Costeira e Marinha do Brasil. MMA, BrasíliaGoogle Scholar
  28. Ministério Do Meio Ambiente – Mma (2010) Cuidar das Zonas Úmidas: uma resposta às mudanças climáticas. Versão e adaptação do texto da revista comemorativa do Dia Mundial das Zonas Úmidas. BrasíliaGoogle Scholar
  29. Mitsch W, Gosselink J (1986) Wetlands. Van Nostrand Reinhold, New YorkGoogle Scholar
  30. Moraes A (1999) Contribuições para a gestão da zona costeira do Brasil: elementos para uma geografia do litoral brasileiro. Hutec/Edusp, São PauloGoogle Scholar
  31. Moraes A (2007) Contribuições para a gestão da zona costeira do Brasil: elementos para uma geografia do litoral brasileiro. Annablume, São PauloGoogle Scholar
  32. Moreira M (2003) Fundamentos de Sensoriamento Remoto e Metodologias de Aplicação. UFV, ViçosaGoogle Scholar
  33. Muehe D (1995) Geomorfologia Costeira. In: Guerra A, Cunha S (eds) Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Bertrand Brasil, Rio de JaneiroGoogle Scholar
  34. Muehe D (1998) Litoral Brasileiro e sua Compartimentação. In: Cunha S, Guerra A (eds) Geomorfologia do Brasil. Bertrand Brasileiro, Rio de JaneiroGoogle Scholar
  35. Nicolodi J, Petermann R (2010) Mudanças Climáticas e a Vulnerabilidade da Zona Costeira do Brasil: aspectos ambientais, sociais e tecnológicos. Rev Gestão Costeira Integrada 10(2):151–177CrossRefGoogle Scholar
  36. Oliveira A, Souza R (2013) Proposta de usos recomendados como subsídio ao ordenamento do espaço costeiro. In: Souza R, Silva M (eds) Conservação ambiental e planejamento territorial: desafios da gestão e da participação social. Redes Editora, Porto AlegreGoogle Scholar
  37. Oliveira A, Souza R (2014) A produção e o padrão atual de organização do espaço costeiro: considerações sobre as transformações es Bahia Tourism Development Program paciais no litoral sul de Sergipe e o papel das políticas de ordenamento In: Proceedings of First Brazilian Congress of Political Geography, Geopolitics and Territorial Management, Rio de Janeiro, 2014Google Scholar
  38. Pedreira M (2008) Complexo florestal e o extremo sul da Bahia: inserção competitiva e transformações socioeconômicas na região. Thesis (Doctorate in Social Sciences in Development, Agriculture and Society). UFRRJ, Rio de JaneiroGoogle Scholar
  39. Plano de Desenvolvimento Integrado do Turismo Sustentável- Prodetur (2003) Secretaria de Cultura e Turismo, BahiaGoogle Scholar
  40. RAPIDEYE (2014) Satellite imagery product specifications. Accessed in oct 2016Google Scholar
  41. Schwarzbold A, Schäfer A (1984) Gênese e morfologia das Lagoas Costeiras do Rio Grande do Sul. Amazoniana IX(1):87–104Google Scholar
  42. Scott D, Carbonell M (1986) Directorio de los Humedales de la Región Neotropical. IWRB, Slimbridge; IUCN, GlandGoogle Scholar
  43. Small C, Nicholls R (2003) A global analysis of human settlement in coastal zones. J Coast Res 19(3):584–599Google Scholar
  44. Souza S (2013) Vulnerabilidade Ambiental da Planície Costeira de Caravelas (Bahia): Uma proposta geossistêmica. Dissertation. Graduate in Geography, VitóriaGoogle Scholar
  45. Souza S (2015) Geotecnologias aplicadas à análise espaçotemporal do uso e da ocupação da terra na Planície Costeira de Caravelas (BA). Bol Goiano Geogr 35(1):71–89. doi: 10.5216/bgg.v35i1.35485 Google Scholar
  46. Souza S, Vale C (2016) Vulnerabilidade ambiental da planície costeira de Caravelas (BA) como subsídio ao ordenamento ambiental. Soc Nat 28(1):147–159. doi: 10.1590/1982-451320160110 CrossRefGoogle Scholar
  47. Strohaeckeri T (2008) Dinâmica Populacional. Macrodiagnóstico da Zona Costeira e Marinha do Brasil, MMA, BrasíliaGoogle Scholar
  48. Vapnik V (1995) The nature of statistical learning theory. Springer-Verlag, New YorkCrossRefGoogle Scholar
  49. Vital M (2007) Impacto ambiental de florestas de eucalipto. Rev BNDES 14(28):235–276Google Scholar
  50. Waske B, Van Der Linden S, Benediktsson J, Rabe A, Hostert P (2010) Sensitivity of support vector machines to random feature selection in classification of hyperspectral data. IEEE Trans Geosci Remote Sens 48:55–67CrossRefGoogle Scholar

Copyright information

© Springer International Publishing AG 2017

Authors and Affiliations

  • Sirius O. Souza
    • 1
    Email author
  • Cláudia C. Vale
    • 2
  • Regina C. Oliveira
    • 1
  1. 1.Institute of GeosciencesUniversidade Estadual de CampinasCampinasBrazil
  2. 2.Department of GeographyUniversidade Federal do Espírito SantoVitóriaBrazil

Personalised recommendations