Advertisement

Becoming “Useful Citizens:” The Control Over Natives and Their Sexualities

Chapter
  • 235 Downloads

Abstract

This chapter provides an overview of the relationship between independent Brazil and its natives, with a closer look at how the attempts to “build a nation” affected gay natives. To do so, the authors use government documents and historical textual sources produced by scientific societies to show how the concepts of science, civilization, race, and sexuality are part of what they call "the colonization of Indigenous sexualities" and how these concepts still inspire current nationalist discourses and integrationist practices regarding the Indigenous peoples. The chapter builds on theoretical discussions and analyses developed by authors such as Young, Stoler, and Rifkin.

Keywords

Civilization Colonization Indigenism Race Racism Sexuality 

References

  1. Almeida, R. H. d. (1997). O Diretório dos índios: Um projeto de “civilização” no Brasil do Século XVIII. Brasília: Editora da Universidade de Brasília.Google Scholar
  2. Amoroso, M. R. (1998). Mudança de hábito: Catequese e educação para índios nos aldeamentos capuchinhos. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 13(37), 101–114.CrossRefGoogle Scholar
  3. Bonifácio, J. (1992/1823). Apontamentos para a Civilisação dos indios bravos do Imperio do Brazil. In M. C. da Cunha (Ed.), Legislação indigenista no Século XIX: Uma compilação: 1808–1889. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo; Comissão Pró-Índio.Google Scholar
  4. Castro, F. J. V. d. (1934). Attentados ao pudor. Rio de Janeiro: Livraria Editora Freitas Bastos.Google Scholar
  5. Craveiro, S. d. S. (2004). Educação escolar e saúde indígena: uma análise comparativa das políticas nos níveis federal e local. São Paulo: EAESP-FGV.Google Scholar
  6. Cunha, M. C. d. (2009a). Pensar os Índios: apontamentos sobre José Bonifácio. In Cultura com aspas e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify.Google Scholar
  7. Cunha, M. C. d. (2009b). Por uma história indígena e do indigenismo. In Cultura com aspas e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify.Google Scholar
  8. Cunha, M. C. d. (2012). Política indigenista no século XIX. In Índios do Brasil: história, direitos e cidadania. São Paulo: Claro Enigma.Google Scholar
  9. de Oliveira, J. P., & da Freire, C. A. R. (2006). A presença indígena na formação do Brasil. MEC/SECAD/Museu Nacional/LACED: Rio de Janeiro, Brasília.Google Scholar
  10. Faulhaber, P. (2011). O indigenismo militar no Amazonas como veículo de incorporação dos índios Miranha à nacionalidade. In C. A. d. R. Freire, (Ed.), Memoria do SPI: textos, imagens e documentos sobre o Serviço de Proteção aos Índios (1910) (pp. 419–426). Rio de Janeiro: Museu do Índio/Funai.Google Scholar
  11. Filho, J. P. d. O., & Freire, C. A. d. R. (2006). A presença indígena na formação do Brasil. Brasília; Rio de Janeiro: MEC/SECAD; Museu Nacional/LACED.Google Scholar
  12. Flexor, M. H. O. (2001). Aprender a ler, escrever e cantar no Brasil do século XVIII. Filologia e linguística portuguesa (USP), 4, 97–157.CrossRefGoogle Scholar
  13. Foucault, M. (1988). História da Sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal.Google Scholar
  14. Lima, A. C. d. S. (1992). O governo dos índios sob a gestão do SPI. In M. C. d. Cunha (Ed.), História dos índios no Brasil(pp. 155–173). São Paulo: Companhia das Letras.Google Scholar
  15. Lima, A. C. d. S. (1995). Um grande cerco de paz: poder tutelar, indianidade e formação do Estado no Brasil. Rio de Janeiro: Petrópolis.Google Scholar
  16. Lima, A. C. d. S. (2006). El indigenismo en Brasil: migración y reapropiaciones de un saber administrativo. In J. P. d. O. Filho (Ed.),Hacia una antropologia del indigenismo: estudios críticos sobre los procesos de dominación y las perspectivas políticas actuales de los indigenas en Brasil (pp. 97–125). Rio de Janeiro; Lima: Contra Capa; Centro Amazònico.Google Scholar
  17. Lima, N. T., & Hochman, G. (2000). “Pouca saúde, muita saúva, os males do Brasil são…” Discurso médico-sanitário e interpretação do país. Ciência Saúde Coletiva, 5(2), 313–332.CrossRefGoogle Scholar
  18. Moura, C. E. M. d. M. (2012). Estou aqui. Sempre estive. Sempre estarei. Indígenas do Brasil. Suas imagens (1505–1955). São Paulo: Edusp.Google Scholar
  19. Oliveira, P. E. d. (2011). “Cada qual tem um pouco de médico e louco”: Políticas de saúde e mediações culturais entre o SPI (Serviço de Proteção aos Índios) e os indígenas. Ph.D thesis in History, Department of History, Unicamp, Campinas.Google Scholar
  20. Oshiro, J. H. (1988). Educação para a Saúde nas instituições de saúde Pública. Master thesis, Programa de Filosofia da Educação, PUC-SP, São Paulo.Google Scholar
  21. Rifkin, M. (2011). When Did Indians Become Straight? Kinship, the History, and Native Sovereignty. New York: Oxford University Press.CrossRefGoogle Scholar
  22. Sampaio, P. M. M. (2011). Espelhos partidos: etnia, legislação e desigualdade na Colônia. Manaus: Edufam.Google Scholar
  23. Schwarcz, L. M. (2005). O Espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil 1870–1930. São Paulo: Companhia das Letras.Google Scholar
  24. Stepan, N. (2004). A Eugenia no Brasil—1917 a 1940. In G. Hochman & D. Armus (Eds), Cuidar, Controlar, Curar: ensaios históricos sobre saúde e doença na América Latina e Caribe (pp. 331–391). Rio de Janeiro: Fiocruz.Google Scholar
  25. Stoler, A. L. (1995). Race and the Education of Desire: Foucault's History of Sexuality and the Colonial Order of Things. Durham: Duke Press.Google Scholar

Copyright information

© Springer International Publishing AG 2017

Authors and Affiliations

  1. 1.Departamento de Ciências SociaisUniversidade Federal de RondôniaPorto VelhoBrazil
  2. 2.Pós-Graduação Interdisciplinar em Estudos Latino-AmericanosUniversidade Federal da Integração Latino-AmericanaFoz do IguaçuBrazil
  3. 3.Department of Social and Cultural AnthropologyVrije Universiteit AmsterdamAmsterdamThe Netherlands

Personalised recommendations