Advertisement

Human and Social Consequences

  • Guillaume LeturcqEmail author
Chapter
Part of the SpringerBriefs in Latin American Studies book series (BRIEFSLAS)

Abstract

In this chapter, the focus which guides our analysis is geographical. The first aspect concerns the migration which is caused by the dams. There are many complex migrations associated with the construction of a dam, which take place at different phases and for several population profiles. These migrations influence the livelihood of the affected families who must move and adapt to a new environment, under specific circumstances and conditions. Economic, social, and structural factors affect the degree of the families’ adaptation. Adaptation also depends on the pre-migration period, a key phase for families when they have access to compensation, when they must negotiate, and when they face various types of violence. Finally, after looking at these challenges and the peculiarity of the phenomenon, we will analyze the identity of the affected population which develops through the challenges and struggles. This chapter presents a wide range of social repercussions associated with dams in Brazil.

References

  1. Abramovay R (1998) Agriculture familiale et développement territorial au Brésil. Ruralia, p 3Google Scholar
  2. Acselrad H (2010) Ambientalização das lutas sociais—o caso do movimento por justiça ambiental. Estudos Avançados 24(68):103–119CrossRefGoogle Scholar
  3. Almeida NJR (2016) Saberes da pesca em unidade de conservação: os pescadores da RDS Alcobaça no Lago da Usina Hidrelétrica de Tucuruí/PA. PhD Thesis, Universidade Federal do Pará, BelémGoogle Scholar
  4. Alves J, Júnior T (2012) A migração do trabalho para o complexo hidrelétrico Madeira. Anais XIII Jornada do Trabalho. Centelha, Presidente Prudente, pp 150–166Google Scholar
  5. Angeon V (2008) L’explicitation du rôle des relations sociales dans les mécanismes de développement territorial. Revue d’Économie Régionale & Urbaine 2:237–250CrossRefGoogle Scholar
  6. Arnauld de Sartre X (2006) Fronts pionniers d’Amazonie. CNRS, Paris, p 223Google Scholar
  7. Becker BK (1982) Geopolitica da Amazonia: A Nova Fronteira de Recursos. Zahar, Rio de JaneiroGoogle Scholar
  8. Benchimol S (1977) Amazônia: um pouco—antes e além—depois. Umberto Calderaro, ManausGoogle Scholar
  9. Bourdieu P (2001) Langage et pouvoir symbolique. Seuil, Paris, p 426Google Scholar
  10. Brasil (2010) Decreto nº 7.342, de outubro de 2010. Diário Oficial da República Federativa do BrasilGoogle Scholar
  11. Carvalho A (2006) Água sobre terra: lugar e territorialidade na implantação de grandes hidrelétricas. Master Dissertation, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, p 157Google Scholar
  12. Cavalcante FC (2005) O processo migratório na amazônia vinculado à mobilidade pelo trabalho—o caso da uhe de Tucuruí. Anais do X Encontro de Geógrafos da América Latina, Universidade de São Paulo, pp 3345–3360Google Scholar
  13. CRAB—Comissão Regional dos Atingidos pelas Barragens (1988) Documento de accord entre Atingidos e Eletrosul. A Enchente do Uruguai 20:8Google Scholar
  14. Cribari I (2014) De Profundis. Video, 21 min. https://vimeo.com/158411290
  15. Dean W (1989) A luta pela borracha no Brasil. São Paulo, Nobel, p 286Google Scholar
  16. Droulers M (2001) Brésil, une géohistoire. PUF, Paris, p 310CrossRefGoogle Scholar
  17. Duqué G (1984) A experiência de Sobradinho. Cadernos do Ceas, vol 91. Salvador, pp 30–38Google Scholar
  18. Eletrobrás, Eletronorte, MME (2009) Relatório de Impacto Ambiental—RIMA. Aproveitamento Hidrelétrico de Belo Monte. http://eletrobras.com/pt/AreasdeAtuacao/geracao/belo_monte/Rima-AHE-Belo-Monte.pdf
  19. EPE—Empresa de Pesquisa Energética (2010) Relatório de impacto ambiental UHE Teles PiresGoogle Scholar
  20. Estrela ES (2007) Descompassos e dissonâncias em torno das Agrovilas de Serra do Ramalho-Ba. Anals II Encontro Ciências Sociais e Barragens, SalvadorGoogle Scholar
  21. Ferreira LPF (2009) Reassentamento dos atingidos por barragens: limites da competência regulatória da Aneel. Senatus: cadernos da Secretaria de Informação e Documentação, 7(2):50–63Google Scholar
  22. Filho AOS (org) (2005) Tenotã-Mõ: alertas sobre as consequências dos projetos hidrelétricos no Rio Xingu. International Rivers Network, São Paulo, p 344Google Scholar
  23. Fleury LC (2013) Conflito ambiental e cosmopolíticas na amazônia brasileira: a construção da Usina hidrelétrica de Belo Monte em perspectiva. PhD Thesis, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto AlegreGoogle Scholar
  24. Flexa CE, Silva KCA, Cintra IHA (2016) Pescadores artesanais a jusante da Usina Hidrelétrica de Tucuruí, Amazônia, Brasil. Boletim do Instituto de Pesca, São Paulo 42(1):221–235CrossRefGoogle Scholar
  25. Fraga GW (2013) Memórias de terras e de águas: o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) no norte do Rio Grande do Sul através da História Oral. Annals XXVII Simpósio Nacional de História, NatalGoogle Scholar
  26. França GB (2007) Barragens e barrageiros: um estudo sobre os processos de construção de identidades coletivas em uma área de empreendimentos hidrelétricos. Master Dissertation, Universidade Federal do Parana, CuritibaGoogle Scholar
  27. Freire W (2017) Força Nacional ocupa canteiro de obras da UHE São Manoel. Canal Energia. https://www.canalenergia.com.br/noticias/53038164/forca-nacional-ocupa-canteiro-de-obras-da-uhe-sao-manuel
  28. Furtado C (1970) Formação Econômica do Brasil. Companhia Editora Nacional, São PauloGoogle Scholar
  29. Galtung J (1969) Violence, peace and peace research. J Peace Res 6(3):167–191CrossRefGoogle Scholar
  30. Germani GI (2003) Expropriados terra e água: o conflito de Itaipu, 2e edn. EDUFBA-ULBRA, Salvador, p 266Google Scholar
  31. Gohn MDG (2003) Movimentos sociais no início do século XXI, 2e edn. Vozes, Petrópolis, p 143Google Scholar
  32. IBGE—Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2000) Censo Demográfico 2000. IBGE, Rio de JaneiroGoogle Scholar
  33. IBGE—Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2007) Brasil: 500 anos de povoamento. Rio de Janeiro, p 226Google Scholar
  34. IBGE—Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010) Censo Demográfico 2010. IBGE, Rio de JaneiroGoogle Scholar
  35. IBGE—Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2016) Relação anual de informações sociais—RAISGoogle Scholar
  36. IPEA—Instituto de Pesquisa Economica Aplicada (2017) Atlas da Violência 2017. Rio de Janeiro. http://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/2/2017
  37. Landry JM (2006) La violence symbolique chez Bourdieu. Aspects sociologiques 13(1):85–92Google Scholar
  38. Leturcq G (2010) Migrations forcées dans le Sud du Brésil: les atingidos. PhD Thesis, Université du Maine, Le MansGoogle Scholar
  39. Leturcq G (2011) Les barrages hydroélectriques au Brésil: contraintes et violences. Cahiers ALHIM, p 21. https://alhim.revues.org/3772?lang=fr
  40. Leturcq G (2012) Accès et diffusion des données des barrages au Brésil. Annals of Sharing environmental information: issues of open environmental data in Latin America, Porto AlegreGoogle Scholar
  41. Leturcq G (2016) Recomposition des territoires en Amazonie brésilienne, vol 26. Confins, onlineGoogle Scholar
  42. Leturcq G, Santos DS, Fusieger A (2014) A usina hidrelétrica de Itapiranga: entre passado, realidade e expectativas. In: Rocha H, Pase HL, Locatelli C (org) Políticas públicas e hidrelétricas no Sul do Brasil. UFPel, Pelotas, pp 164–188Google Scholar
  43. Lima LHM (2013) A construção da Usina Hidrelétrica e os primeiros sinais de segregação socioespacial em Ilha Solteira/SP. Revista Eletrônica da Associação dos Geógrafos Brasileiros, Seção Três Lagoas 18:142–161Google Scholar
  44. Locatelli C (2014) Communicação e barragens: O poder da communicação das organizações e da mídia na implantação de hidrelétricas. Florianópolis, Insular, p 360Google Scholar
  45. MAB—Movimento dos Atingidos por Barragens (2016) No PR, reintegração de posse na UHE Baixo Iguaçu termina com atingidos presos e feridos. MAB, São Paulo. http://www.mabnacional.org.br/noticia/tr-s-atingidos-por-barragens-s-presos-pela-pm-no-paran-0
  46. Maia AG, Buainain AM (2015) O novo mapa da população rural brasileira. Confins, p 25. http://journals.openedition.org/confins/10548
  47. Mendras H (1995) Les sociétés paysannes. Gallimard, Paris, p 368Google Scholar
  48. Mérona B, Juras AA, Santos GM, Cintra IHA (2010) Os peixes e a pesca no baixo Rio Tocantins: vinte anos depois da UHE Tucuruí. Eletronorte, p 208Google Scholar
  49. MNDH—Movimento Nacional de Direitos Humanos (2006) Criminalização dos Movimentos Sociais no Brasil, A Relatório de Casos Exemplares. MNDH, Brasilia, p 34Google Scholar
  50. Moderna (2017) Anuário Brasileiro da Educação Básica. Editora Moderna and Todos Pela Educação, p 178Google Scholar
  51. Moraes MSM (1996) O Movimento dos Atingidos pelas Barragens da Bacia do Rio Uruguai e a ação político-educativa dos mediadores, p 13Google Scholar
  52. Moran EF (1981) Developing the Amazon. Indiana University Press, BloomingtonGoogle Scholar
  53. Nodari TMS, Maccari ECCP (2007) O trabalho da mulher na construção da Usina Hidrelétrica de Campos Novos. Annals I Encontro de Economia Catarinense, Rio do Sul, p 13Google Scholar
  54. NE—Norte Energia (2017) 12 Relatório Semestrais UHE Belo MonteGoogle Scholar
  55. Pereira TL, Perruso MA (2011) Construção da Trajetória de Militância do Movimento de Atingidos por Barragens. SBS SociologiaGoogle Scholar
  56. Poli OL (1999) O movimento de Atingidos pelas barragens do Rio Uruguai—MAB. Leituras em movimentos sociais, Chapecó, pp 145–163Google Scholar
  57. Quintella W (2008) A História das Maiores Obras do País e dos Homens que as Fizeram. São Paulo, Saraiva, p 422Google Scholar
  58. Radaelli IM (2010) A trajetória do reassentamento Itá I, Mangueirinha—PR. Master Dissertation, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul—UNIJUÍ, IjuíGoogle Scholar
  59. Ribeiro GMC (2013) A construção da hidrelétrica Candonga e a desconstrução de modos de vida: memórias e histórias de trabalhadores em Nova Soberbo/MG. PhD Thesis, Universidade Federal de Uberlândia, UberlândiaGoogle Scholar
  60. Rocha HJ (2013) Relações de poder na instalação de hidrelétricas. Ed. Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, p 348Google Scholar
  61. Rocha GM, Pereira ICN (2003) População e recursos: crescimento populacional e o uso dos recursos hídricos na cidade de Tucuruí/PA. Encontro Transdiciplinar sobre população, Campinas, 3º Anais do Encontro Nacional sobre MigraçõesGoogle Scholar
  62. Roche J (1954) Les migrations rurales dans le Rio Grande do Sul. Économies, Sociétés, Civilisations 9(4):481–504CrossRefGoogle Scholar
  63. Roche J (1959) La colonisation allemande et le Rio Grande do Sul. PhD Thesis, Université de Paris, IHEAL, p 703Google Scholar
  64. Santos SC (2003) A Geração Hídrica de Eletricidade no Sul do Brasil e seus Impactos Sociais. Etnográfica 7:87–103Google Scholar
  65. Santos SC (2007) Hidrelétricas e suas consequências socioambientais. In: Verdum R (org) Integração, Usinas Hidrelétricas e Impactos socioambientais. INESC, Brasília, pp 41–56Google Scholar
  66. Santos LAO, Andrade LMM (org) (1988) As Hidrelétricas do Xingu e os Povos Indígenas. Comissão Pro-Índio de São Paulo, p 196Google Scholar
  67. Sigaud L (1988) Efeitos sociais de grandes projetos hidrelétricos: as barragens de Sobradinho e Machadinho. In: Rosa LP (ed) Impactos de grandes projetos hidrelétricos e nucleares: aspectos econômicos, tecnologicos, ambientais e sociais. Marco Zero, São Paulo, pp 83–165Google Scholar
  68. Sigaud L (1989) A política « social » do setor elétrico. Sociedade e Estado 4:55–71Google Scholar
  69. Sigaud L (1995) Estado, energia elétrica e meio ambiente: o caso das grandes barragens. COPPE/Editora da UFRJ, Rio de Janeiro, p 184Google Scholar
  70. Silva JP (2005) O processo de transformação sócioespacial do munípio de Itá/SC, após a instalação da usina hidrelétrica. Anais do X Encontro de Geógrafos da América Latina, Universidade de São Paulo, pp 14600–14615Google Scholar
  71. Simmons AB (2013) Expliquer les migrations: une théorie à la croisé des chemins. In: Piché V (ed) Les theories de la migration. Ined, Paris, p 535Google Scholar
  72. Stolerman P, Santos SC, Silva AA, Floriani N (2014) A implantação da Usina Hidrelétrica de Jirau no rio Madeira e os processos de desterritorialização em Rondônia. Terr@Plural, Ponta Grossa, 8(2):371–387CrossRefGoogle Scholar
  73. Théry H (2005) Le Brésil, 5e edn. Armand Colin, Paris, p 287Google Scholar
  74. Turton D (2003) Conceptualising Forced Migration. Refugee Studies Centre Working Paper No. 12, p 17Google Scholar
  75. UHE Mauá (2009) Termo de acordo para indenização aos atingidos da usina hidrelétrica de Mauá. p 21Google Scholar
  76. UNDP—United Nations Development Programme (2009) Rapport mondial sur le développement humain 2009—Lever les barrières: Mobilité et développement humains. PNUD, New York, p 251Google Scholar
  77. Vainer CB (1996) A violência como fator migratório: silêncios teóricos e evidências históricas. Travessia—Revista do Migrante 9(25):5–9Google Scholar
  78. Vainer CB (1998) Deslocamentos Compulsórios, Restrições à Livre Circulação: elementos para um reconhecimento teórico da violência como fator migratório. Annals XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais da ABEP, Caxambú, p 17Google Scholar
  79. Van Hear N (1998) New Diasporas. UCL Press, London, p 314Google Scholar
  80. Vieira FB (2001) Do confronto nos vales aos fóruns globais: um estudo de caso sobre a participação do Movimento de Atingidos por Barragens na Comissão Mundial de Barragens. Master Dissertation, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de JaneiroGoogle Scholar
  81. Warren IS, Reis MJ (1989) O movimento dos atingidos pelas barragens do Uruguai. Cadernos do CEAS, Salvador 120:21–34Google Scholar
  82. Weber M (1919) Le savant et le politique. Union Générale d’Éditions, Paris, p 186Google Scholar
  83. WCD (2000) Dams and development: a new framework for decision-making. World Commission on DamsGoogle Scholar

Copyright information

© The Author(s) 2019

Authors and Affiliations

  1. 1.CampinasBrazil

Personalised recommendations