Advertisement

Play in Public Urban Contexts in Brazil

  • Paula Sanders Pereira Pinto
Chapter

Abstract

With the intention to describe and analyze how Brazilian children play in urban public contexts, we used contributions from Brazilian and foreign theorists and researchers. Studies indicate that even with the great expansion of cities and the dangers associated with this expansion, it is still possible to see Brazilian children playing spontaneously in the streets and city reserves, as well as in parks, squares, and public playgrounds, especially in neighborhoods of low socioeconomic status. We identified a variety of plays, such as plays with rules and social contingency, as well as exploration and functional use of the equipment of playgrounds. The studied children occupied public spaces in different manners, depending on their proximity to the place, offering their own personal sense to each place in which they played. The children also indicated perceptions about the spaces and offered some suggestions to better adequate the cities to the demands of childhood, assuming their rights as citizens.

Keywords

Children Playing Urban public spaces 

References

  1. Arantes, A. C., Cruz, E., Hora, A. V., & Cardoso, N. C. (2005). Mário de Andrade: o precursor dos Parques Infantis em São Paulo. São Paulo, Brazil: Fundação Biblioteca Nacional-MEC, Pesquisa Histórica.Google Scholar
  2. Araújo, A. L. C. de (2016). Infância e cidade: reflexões sobre espaço e lugar da criança. APRENDER - Cad. de Filosofia e Psic. da Educação. Vitória da Conquista. Ano X, n.16, p.107 a 127.Google Scholar
  3. Arruda, F. M., & Muller, V. R. (2010a). Brincadeiras e espaços urbanos: um estudo da prática lúdica de crianças de diferentes classes sociais da cidade de Maringá-PR. Licere, Belo Horizonte, 13(4), 1–29.Google Scholar
  4. Arruda, F. M. & Muller, V. R. (2010b). A criança e a cidade: da imposição adulta à participação infantil. Seminário de Pesquisa do PPE. Universidade Estadual de Maringa.Google Scholar
  5. Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT. (1999). Coletânea de normas de segurança de brinquedos de playground. Rio de Janeiro, Brazil: ABNT.Google Scholar
  6. Bartlett, S. (2002). Building better cities with children and youth. Environment and Urbanization, 14, 3.CrossRefGoogle Scholar
  7. Bichara, I. (2004). Apropriação e ressignificação de espaços e equipamentos públicos. Simpósio Nacional de Psicologia Social e do Desenvolvimento. X Encontro Nacional PROCAD-Psicologia/CAPE. Textos completos.Google Scholar
  8. Bichara, I., Fiaes, Marques, Brito, & Seixas. (2006). Brincadeiras no contexto urbano: um estudo em dois logradouros de Salvador (BA). Boletim da Academia Paulista de Medicina. Ano XXIV, 2(6), 39–52.Google Scholar
  9. Bichara, I. D., Modesto, J. G. N., França, D. A., Medeiros, S. S., & Cotrim, G. S. (2011). Espaços externos para brincar: o olhar das crianças através de fotos. Psicologia: Teoria e Prática, 13(3), 167–179.Google Scholar
  10. Bittencourt, M. I. G. F. (2010). O espaço e os outros: aspectos da experiência da vida urbana retratada por crianças de diferentes classes sociais. Revista Mal-estar e Subjetividade. Fortaleza, 10(4), 1301–1323.Google Scholar
  11. Borges, M. M. F. C. (2008). Diretrizes para Projetos de Parques Infantis Públicos. Dissertação de mestrado em Arquitetura e Urbanismo, UFSC, Santa Catarina.Google Scholar
  12. BRASIL. (1999). Estatuto da Criança e do Adolescente: promulgado em 13 de julho de 1990 (9th ed.). São Paulo, Brazil: Saraiva (Coleção Saraiva de Legislação).Google Scholar
  13. Cardoso, B. B., & Daroda, R. F. (2011). Cidade da infância: lugar e cotidiano na contemporaneidade. XIV Encontro da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional – ANPUR. Google Scholar
  14. Castonguay, G., & Jutras, S. (2009). Children's appreciation of outdoor places in a poor neighborhood. Journal of Environmental Psychology, 29, 101–109.CrossRefGoogle Scholar
  15. Chawla, L. (2002). “Insight, creativity and thoughts on the environment”: Integrating children and youth into human settlement development. Environment and Urbanization, 14(3), 11.CrossRefGoogle Scholar
  16. Cotrim, G. S., & Bichara, I. D. (2013). O Brincar no Ambiente Urbano: Limites e Possibilidades em Ruas e Parquinhos de uma Metrópole. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(2), 388–395.Google Scholar
  17. Cotrim, G. S., Fiaes, C. S., Marques, R. L., & Bichara, I. D. (2009). Espaços urbanos para (e das) brincadeiras: um estudo exploratório na cidade de Salvador (BA). Psicologia: Teoria e Prática, 11(1), 50–61.Google Scholar
  18. Ellis, J. (2004). Researching children’s places and space. Journal of Curriculum Theorizing. Spring, 20, 83.Google Scholar
  19. Elsey, S. (2004). Children's experience of public space. Children & Society., 18, 155–164.CrossRefGoogle Scholar
  20. Hansen, J., Macarini, S. M., Martins, G. D. F., Wanderlind, F. H., & Vieira, M. L. (2007). O brincar e suas implicações para o desenvolvimento infantil a partir da Psicologia Evolucionista. Rev Bras Crescimento Desenvolvimento Humano., 17(2), 133–143.Google Scholar
  21. Harada, M. J. C. S., Pedreira, M. L. G., & Andreotti, J. T. (2003). Segurança com brinquedos de parques infantis: uma introdução ao problema. Rev Latino-am Enfermagem., 11(3), 383–386.CrossRefGoogle Scholar
  22. Herrington, S., & Nicholls, J. (2007). Outdoor play spaces in Canada: The safety dance of standards as policy. Copyright. Critical Social Policy Ltda, 27(1), 128.CrossRefGoogle Scholar
  23. Johnson, J. E., Christie, J. F., & Yawkey, T. D. (1999). Play and early childhood development (2nd ed.). New York: Longman cap. 1, 2 e 9.Google Scholar
  24. Karsten, & Vliet. (2006). Children in the City: Reclaiming the street. Children. Youth and Environments, 16(1), 151.Google Scholar
  25. Lima, C. B. V. (2007). Paralela em movimento: um estudo sobre a apropriação do espaço público do canteiro central da Avenida Luís Eduardo Magalhães. Dissertação de mestrado entregue ao Programa de Pós-graduação em geografia, UFBA, Salvador, Bahia.Google Scholar
  26. Luz, G. M., & Kuhnen. (2013). O Uso dos Espaços Urbanos pelas Crianças: Explorando o Comportamento do Brincar em Praças Públicas. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(3), 552–560.Google Scholar
  27. Moraes, M. S., & Otta, E. (2003). Entre a serra e o mar. In: A. M. A. Carvalho., C. M. C. Magalhães., F. A. R. Pontes., I. D. Bichara (Orgs) Brincadeira e cultura: viajando pelo Brasil que brinca (pp. 127–1576). São Paulo, Brazil: Casa do Psicólogo.Google Scholar
  28. Morais, L. A., Tavares, M. C., Dodt, R. C. M., Martins, M. C., & Ximenes, L. B. (2012). Segurança dos parques infantis no ambiente escolar: estudo quantitativo. Retep. Revista Tendências da Enfermagem profissional, 4(1).Google Scholar
  29. Niemeyer, C. A. C. (2002). Parques infantis de São Paulo: lazer como expressão de cidadania. São Paulo, Brazil: Annablume: Fapesp.Google Scholar
  30. Niemeyer, C. A. C. (2005). Uma contribuição para a pesquisa em história do paisagismo: os parques infantis e as ressonâncias da tipologia Reform Park em São Paulo. Paisagens em Debate: Revista eletrônica da área Paisagem e Ambiente, 3.Google Scholar
  31. Oliveira, C. (2004). O ambiente urbano e a formação da criança. São Paulo, Brazil: Aleph.Google Scholar
  32. Pellegrini, & Smith. (1998). The development of play during childhood: Forms and possible functions. Child Psychology and Psychiatry, 3(2), 51–57.CrossRefGoogle Scholar
  33. Pinto, P. S. P. (2016). Usando maquetes e entrevistas na expressão de crianças em pesquisas sobre o brincar. Revista Brasileira de Psicologia, 03(1). Salvador, Bahia.Google Scholar
  34. Pinto, P. S. P., & Bichara, I. D. (2017). O que dizem crianças sobre os espaços públicos onde brincam. Interação em Psicologia, 21(1).Google Scholar
  35. Pol, E. (1996). La apropiación del espacio. Cognición, Representación y Apropiación del Espacio (Iñiguez, L. & Pol, E., Comp.) Collección Monografies Psico/socio/ambientales. 9, 45–62. Publicacions Universitat de Barcelona.Google Scholar
  36. Quadros, C. S. (2008). A vida em separado: estudo de um condomínio fechado de Porto Alegre. Monografia para a obtenção do título de Bacharel em Ciências Sociais. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRG), Porto alegre (65 p)Google Scholar
  37. Rasmussen, K. (2004). Places for children - children's places. Childhood, 11(2), 155–173.CrossRefGoogle Scholar
  38. Riggio, E. (2002). Child friendly cities: Good governance in the best interests of the child. Urbanization, 14(3), 45.CrossRefGoogle Scholar
  39. Sarmento, M. J. (2002). As culturas da infância nas encruzilhadas da 2ª modernidade. Instituto de Estudos da Criança da Universidade do Minho, Portugal Disponível em http://cedic.iec.uminho.pt/Textos_de_Trabalho/menu_base_text_trab.htm. Acessado em 24/11/2013.
  40. Silva, L. I. C., Pontes, F. A. R., da Silva, S. D. B., Magalhães, C. M. C., & Bichara, I. D. (2006). Diferenças de gênero nos grupos de brincadeiras na rua: A hipótese de aproximação unilateral. Psicologia: Reflexão e Crítica, 19(1), 114–121.Google Scholar
  41. Souza, A. S., Carlos, I. M., & Pinto, P. S. P. (2015). Uso criativo de parquinhos públicos: um estudo sobre o desenvolvimento de brincadeiras criativas no parquinho público do Dique do Tororó, na cidade de Salvador-BA. XIV SEPA - Seminário Estudantil de Produção Acadêmica, UNIFACS.Google Scholar
  42. Tuan, Y.-F. (1983). Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo, Brazil: Difel.Google Scholar
  43. Vigotski, L. S. (2000). O papel do brinquedo no desenvolvimento. In J. Cipolla Neto, L. S. M. Barreto, & S. C. Afeche trads (Eds.), A formação social da mente (6ª ed., pp. 121–138). São Paulo, Brazil: Martins Fontes.Google Scholar

Copyright information

© Springer International Publishing AG, part of Springer Nature 2018

Authors and Affiliations

  • Paula Sanders Pereira Pinto
    • 1
  1. 1.Salvador UniversitySalvadorBrazil

Personalised recommendations