Advertisement

Assessment and Mathematics Education: Possibilities and Challenges of Brazilian Research

  • Maria Isabel Ramalho Ortigão
  • João Ricardo Viola dos Santos
  • Jader Otávio Dalto
Chapter

Abstract

This chapter portrays Brazilian research that connects the fields of assessment and mathematics education. It reflects on what has been investigated in the scope of the working group on Assessment and Mathematics Education of the Brazilian Society of Mathematics Education since its conception in 2000. The research projects that have formed the basis of the group’s work over the six editions of the International Mathematics Education Research Seminar (SIPEM) have been classified into the following categories: learning assessment, assessment as investigation practice, assessment and inequality processes and assessment and teacher training. Before detailing the approaches that characterise each category, an overview of the Brazilian assessment system is presented to situate the reader. More than providing solutions, this chapter attempts to consider research practices regarding mathematics education based on theoretical and methodological discussion and shared research experiences. It calls attention to some changes in school mathematics education, indicating some challenges associated with the integration and articulation between assessment, teaching and learning, the assessment criteria that teachers adopt, and how are they related to the development of learning and the articulations that can be established between internal and external assessment.

Keywords

Assessment in mathematics Learning assessment Large-scale assessment Inequality processes and assessment Mathematics teacher training 

References

  1. Andrade, M., Franco, C., & Carvalho, J. B. P. (2003, jan.–jun.). Gênero e Desempenho em Matemática ao Final do Ensino Médio: quais as relações? Estudos em Avaliação Educacional, 27.Google Scholar
  2. Anyon, J. (1978). Social class and the hidden curriculum at work. Journal of Education, Boston, 162(1), 67–92.Google Scholar
  3. Ball, S. (2005). Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, 35(126), 539–564. https://doi.org/10.1590/S0100-15742005000300002 CrossRefGoogle Scholar
  4. Boaler, J. (1993). Encouraging the transfer of “school” mathematics to the “real world” through the integration of process and content, context and culture. Educational Studies in Mathematics, 25, 314–373.CrossRefGoogle Scholar
  5. Boaler, J. (1994). When do girls prefer football to fashion? An analysis of female underachievement in relation to “realistic” mathematic contexts. British Educational Research Journal, 20, 551–564.CrossRefGoogle Scholar
  6. Borasi, R. (1996). Reconceiving mathematics instruction: A focus on errors. Norwood: Ablex Publishing Corporation.Google Scholar
  7. Borralho, A., & Lucena, I. (2015). Avaliação e ensino na educação básica em Portugal e no Brasil: relações com as aprendizagens (AERA). Trabalho apresentado no VI SIPEM. Pirenópolis. Retrieved from http://www.sbembrasil.org.br/visipem/anais/story_content/external_files/AVALIA%C3%87%C3%83O%20E%20ENSINO%20NA%20EDUCA%C3%87%C3%83O%20B%C3%81SICA%20EM%20PORTUGAL%20E%20NO%20BRASIL.pdf
  8. Bourdieu, P., & Passeron, J.-C. (1975). A reprodução. Elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Francisco Alves.Google Scholar
  9. Brasil. (2015). MEC/INEP. SAEB/PROVA BRASIL 2011—primeiros resultados. Retrieved from http://download.inep.gov.br/educacao_basica/prova_brasil_saeb/resultados/2012/Saeb_2011_primeiros_resultados_site_Inep.pdf
  10. Brooke, N. (Org.). (2012). Marcos Históricos na Reforma da Educação. Belo Horizonte: Fino Traço.Google Scholar
  11. Buriasco, R. L. C. d. (1995). Sobre a resolução de problemas. Nosso Fazer, 1(5), 1.Google Scholar
  12. Buriasco, R. L. C. d. (2000, jul–dez). Algumas considerações sobre avaliação educacional. Estudos em Avaliação Educacional, 22, 155–178.Google Scholar
  13. Buriasco, R. L. C. d. (2004). Análise da produção escrita: a busca do conhecimento escondido. In J. P. Romanowski, P. L. O. Martines, & S. A. Junqueira (Orgs.), Conhecimento local e conhecimento universal: a aula e os campos do conhecimento (pp. 243–251). Curitiba: Champagnat.Google Scholar
  14. Buriasco, R. L. C., Ferreira, P. E. A., & Ciani, A. B. (2012). Avaliação como Prática de Investigação (alguns apontamentos). Bolema, 22(33), 69–96 Retrieved from http://www.redalyc.org/pdf/2912/291221900005.pdf
  15. Chagas, E. A., Cantão, R. F., & Leinke, M. U. (2015). Gênero e desempenho em matemática nas provas do ENEM e do PISA 2012. Trabalho apresentado no VI SIPEM. Retrieved from http://www.sbembrasil.org.br/visipem/anais/story_content/external_files/G%C3%8ANERO%20E%20DESEMPENHO%20EM%20MATEM%C3%81TICA%20NAS%20PROVAS%20DO%20ENEM%20E%20DO%20PISA.pdf
  16. Chevallard, Y. (1999). L’analyse des pratiques enseignantes en Théorie Anthropologie Didactique. Recherches en Didactiques des Mathématiques, 221–266.Google Scholar
  17. Coleman, J. S. (1966). Report on equality of education opportunity. US Government Printing Office for Department of Health, Education and Welfare.Google Scholar
  18. Cooper, B., & Harries, T. (2003). Children’s use of realistic considerations in problem solving: Some English evidence. Journal of Mathematical Behavior, 22(4), 449–463 Retrieved from http://www.elsevier.com/wps/find/journaldescription.cws_home/620200/description#description CrossRefGoogle Scholar
  19. Cury, H. N. (2007). O que podemos aprender com as respostas dos alunos (Vol. 1, 1st ed.). Belo Horizonte: Autêntica.Google Scholar
  20. D’Ambrosio, B., Kastberg, S., & Lambdin, D. (2007). Designed to differentiate: What is NAEP measuring? In P. Kloosterman & F. Lester Jr. (Eds.), Results and interpretations of the 2003 mathematics assessments of the National Assessment of Education Progress. Reston, VA: NCTM.Google Scholar
  21. D’Ambrosio, B., & Lopes, C. E. (Eds.). (2015). Creative insubordination in Brazilian mathematics education research. Ohio: Lulu Press, Inc.Google Scholar
  22. Dalto, O., Araman, E. M. O., & Barbosa, L. N. S. C. (2015). Avaliação como saber docente. Trabalho apresentado no VI SIPEM. Retrieved from http://www.sbembrasil.org.br/visipem/anais/story_content/external_files/AVALIACAO%20COMO%20SABER%20DOCENTE.pdf
  23. Dalto, J. O., & Buriasco, R. L. C. (2009). Problema proposto ou problema resolvido: qual a diferença? Educação e Pesquisa (USP), 35, 449–461.CrossRefGoogle Scholar
  24. Esteban, M. T. (2001). A avaliação no processo ensino/aprendizagem: os desafios postos pelas múltiplas faces do cotidiano. Apresentado na 24° Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, Caxambu. Intelectuais, conhecimento e espaço público. Retrieved from http://www.anped.org.br/24/T0682499156560.doc
  25. Esteban, M. T. (2002). O que sabe quem erra? Reflexões sobre avaliação e fracasso escolar (3rd ed.). Rio de Janeiro: DP&A.Google Scholar
  26. Esteban, M. T. (org.). (2003). Escola, currículo e avaliação. São Paulo: Cortez.Google Scholar
  27. Esteban, M. T. (2012, set.–dez.). Considerações sobre a política de avaliação da alfabetização: pensando a partir do cotidiano escolar. Revista Brasileira de Educação, 17(51).Google Scholar
  28. Esteban, M. T.; Afonso, A. (Orgs.). (2010). Olhares e interfaces: reflexões críticas sobre a avaliação. São Paulo: Cortez.Google Scholar
  29. Fernandes, D. (2009). Avaliar para Aprender/Fundamentos, práticas e políticas. São Paulo: Editora UNESP.Google Scholar
  30. Fernandes, C. O. (Org.). (2014). Avaliação das aprendizagens: sua relação com o papel social da escola. São Paulo: Cortez.Google Scholar
  31. Forquin, J.-C. (1995). As Abordagens Sociológicas do Currículo: orientações teóricas e perspectivas de pesquisa. Educação e Realidade, 21(1), 187–198.Google Scholar
  32. Franco, C., & Ortigão, M. I. R. (2007). Eficácia escolar em Brasil: Investigando prácticas y políticas escolares moderadoras de desigualdades educacionales. In S. Cueto (Org.), Educación y brechas de equidad em América Latina, Tomo I. (pp. 223–249). Santiago, Chile: Fondo de Investigaciones Educativas/PREAL.Google Scholar
  33. Freitas, L. C. (2012). Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educação & Sociedade, 119, 379–404 Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/es/v33n119/a04v33n119.pdf CrossRefGoogle Scholar
  34. Kazemi, E., & Megan, L. F. (2004). Teacher learning in mathematics: Using student work to promote collective inquiry. Journal of Mathematics Teacher Education, 7, 203–235.CrossRefGoogle Scholar
  35. Lee, V., & Bryk, A. (1989). A multilevel model of the social distribution of high school achievement. Sociology of Education, 62, 172–192.CrossRefGoogle Scholar
  36. Leon, & Menezes-Filho. (2002). Reprovação, Avanço e Evasão Escolar no Brasil. Pesquisa e Planejamento Econômico (PPE), 32(3), 417–451.Google Scholar
  37. Lins, R. C. O. (2012). Modelo dos Campos Semânticos: estabelecimentos e notas de teorizações. In C. L. Angelo, et al. (Eds.), Modelo dos Campos Semânticos e Educação Matemática: 20 anos de história. Vol. 1 (pp. 10–20, 1st ed.). São Paulo: Midiograf.Google Scholar
  38. Lopes, A. C. (2015). Por um currículo sem fundamentos. Linhas Críticas, 21(45), 445–466 Retrieved from http://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/16735 Google Scholar
  39. Mainardes, J. (2015). Avaliação da aprendizagem na Alfabetização. In M. C. S. Cruz & R. E. S. R. Borba (Orgs.). Ciclo de Palestras, Vol. 1 (pp. 109–125). Recife: Ed. Universitária da UFPE. Retrieved from https://drive.google.com/file/d/0BxwtaLINTVLEYXJ0YjBvMV9ibGc/view
  40. Menezes, M. B., & Santos, M. C. (2015). Contrato de Avaliação: Uma Análise dos Efeitos da Transposição e do Contrato. Trabalho apresentado no VI SIPEM. Retrieved from http://www.sbembrasil.org.br/visipem/anais/story_content/external_files/CONTRATO%20DE%20AVALIA%C3%87%C3%83O_UMA%20AN%C3%81LISE%20DOS%20EFEITOS%20DA%20TRANSPOSI%C3%87%C3%83O%20E%20DO%20CONTRATO%20DID%C3%81TICOS.pdf
  41. Neves, R. S. P., Silva, J. C. S., & Baccarin, S. A. O. (2015). A produção escrita de estudantes de licenciatura em matemática em questão do ENEM. Trabalho apresentado no VI SIPEM. Pirenópolis. Disponível em: http://www.sbembrasil.org.br/visipem/anais/story_content/external_files/A%20PRODU%C3%87%C3%83O%20ESCRITA%20DE%20ESTUDANTES%20DA%20LICENCIATURA%20EM%20MATEM%C3%81TICA%20EM%20QUEST%C3%83O%20DO%20EXAME%20NACIONAL%20DO%20ENSINO%20M%C3%89DIO.pdf. Acesso em: 20/06/2016.
  42. Ortigão, M. I. R., & Aguiar, G. (2013). Repetência escolar nos anos iniciais do ensino fundamental: evidências a partir dos dados da Prova Brasil 2009. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 94, 364–389.CrossRefGoogle Scholar
  43. Ortigão, M. I. R., Aguilar-Junior, C. A., & Zucula, A. F. (2015). Analisando a repetência escolar a partir dos dados do PISA 2012. Trabalho apresentado no VI SIPEM. Retrieved from http://www.sbembrasil.org.br/visipem/anais/story_content/external_files/ANALISANDO%20A%20REPET%C3%8ANCIA%20ESCOLAR%20A%20PARTIR%20DOS%20DADOS%20DO%20PISA%202012.pdf
  44. Ortigão, M. I. R., Franco, C., & Carvalho, J. B. P. (2007). A distribuição social do currículo de matemática: quem tem acesso a tratamento da informação? Educação Matemática Pesquisa, 9(2), 249–273 Retrieved from http://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/viewFile/904/597.Google Scholar
  45. Ortigão, M. I. R., & Pereira T. V. (2016). Homogeneização curricular e o sistema de avaliação nacional brasileiro: o caso do estado do Rio de Janeiro. In Educação Sociedade & Cultura. (Edição especial: Avaliação das escolas: políticas, perspectivas e práticas), Retrieved from http://www.fpce.up.pt/ciie/sites/default/files/ESC47Maria.pdf
  46. Ravitch, D. (2011). Vida e morte no grande sistema escolar americano – como os testes padronizados e o modelo de mercado ameaçam a Educação. Porto Alegre: Sulina.Google Scholar
  47. Santos, V. S., & Gontijo, C. H. (2015). Percepções de Docentes de Matemática de Ensino Médio em Relação ao Processo de Avaliação da Aprendizagem. Trabalho apresentado no VI SIPEM. Retrieved from http://www.sbembrasil.org.br/visipem/anais/story_content/external_files/PERCEP%C3%87%C3%95ES%20DE%20DOCENTES%20DE%20MATEM%C3%81TICA%20DE%20ENSINO%20M%C3%89DIO%20EM%20RELA%C3%87%C3%83O%20AO%20PROCESSO%20DE%20AVALIA%C3%87%C3%83O%20DA%20APRENDIZAGEM.pdf
  48. Shulmam, L. S. (2005). Conocimiento y Ensenanza: Fundamentos de la nueva reforma. Profesorado. Revista de currículum y formación del profesorado, 9, 2.Google Scholar
  49. Sipem. Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática. Retrieved from http://www.sbembrasil.org.br/sbembrasil/index.php/anais/sipem
  50. Sipem. (2000). I Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática. Retrieved from http://www.sbembrasil.org.br/files/sipemI.pdf
  51. Sipem. (2003). II Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática. Retrieved from http://www.sbembrasil.org.br/files/sipemII.pdf
  52. Sipem. (2006). III Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática. Retrieved from http://www.sbembrasil.org.br/files/sipemIII.pdf
  53. Sipem. (2009). IV Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática. Retrieved from http://www.sbembrasil.org.br/files/sipemIV.pdf
  54. Sipem. (2012). V Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática. Retrieved from http://www.sbembrasil.org.br/files/v_sipem/
  55. Sipem. (2015). VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática. Retrieved from http://www.sbembrasil.org.br/visipem/anais/story_html5.html
  56. Teles, R. A. M. (2015). Repetir, Refletir ou Omitir? O que dizem professores sobre erros de alunos no algoritmo da subtração. Trabalho apresentado no VI SIPEM. Retrieved from http://www.sbembrasil.org.br/visipem/anais/story_content/external_files/REPETIR,%20REFLETIR%20OU%20OMITIR.pdf
  57. TREVISAN, A.L. (2013). Prova em fases e um repensar da prática avaliativa em Matemática. 2013. 168 f. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina.Google Scholar
  58. Tura, M. L. R., & Pereira, T. V. (2013). Políticas curriculares, sistemas de avaliação e conhecimentos escolares. In M. L. R. Tura & M. M. A. Garcia (Orgs.), Currículo, políticas e ação docente (pp. 111–125). Rio de Janeiro: EdUERJ.Google Scholar
  59. Unesco. (2011). Llegar a los marginados. In Informe de Seguimiento de la Educación Para Todos en el mundo. Retrieved from www.unesco.org/publishing
  60. Vergnaud, G. (1986). Psicologia do desenvolvimento cognitivo e didáticas da matemática. Um exemplo: as estruturas aditivas. Análise Psicológica., 1(V), 75–90.Google Scholar
  61. Vianna, H. M. (1987). Testes em Educação. São Paulo: IBRASA.Google Scholar
  62. Viola Dos Santos, J. R. (2015). Discussões De Professores De Matemática A Respeito Da Avaliação Em Um Grupo De Trabalho. Trabalho apresentado no VI SIPEM. Retrieved from: http://www.sbembrasil.org.br/visipem/anais/story_content/external_files/DISCUSS%C3%95ES%20DE%20PROFESSORES%20DE%20MATEM%C3%81TICA%20A%20RESPEITO%20DA%20AVALIA%C3%87%C3%83O%20EM%20UM%20GRUPO%20DE%20TRABALHO.pdf

Copyright information

© Springer International Publishing AG, part of Springer Nature 2018

Authors and Affiliations

  • Maria Isabel Ramalho Ortigão
    • 1
  • João Ricardo Viola dos Santos
    • 2
  • Jader Otávio Dalto
    • 3
  1. 1.Universidade do Estado do Rio de JaneiroRio de JaneiroBrazil
  2. 2.Universidade Federal de Mato Grosso do SulCampo GrandeBrazil
  3. 3.Universidade Tecnológica Federal do ParanáCornélio ProcópioBrazil

Personalised recommendations