Advertisement

Mathematics Teacher Education: Synthesis and Perspectives of Research Developed in Brazil

  • Adair Mendes Nacarato
  • Ana Cristina Ferreira
  • Cármen Lúcia Brancaglion Passos
  • Márcia Cristina de Costa Trindade Cyrino
Chapter

Abstract

This chapter considers projects developed by the working group on teacher education of the Brazilian Society of Mathematics Education and discussed at the sixth International Seminar of Mathematics Education. Twenty-six projects were presented in four areas of focus: teacher education in the initial stages of elementary education; knowledge necessary for teaching; narratives and texts enunciated by (future) teachers; education practices and practices of teacher educators. Initially we present briefly the projects, and, at the end of each focus area, we produce a synthesis looking for interconnections between the projects and international literature. We identified a multiplicity of focus points and methodological approaches, but also some fragilities and gaps. Our analysis indicates that some themes have been recurrent since the working group was founded in 2000 although with some theoretical references updated and expanded; others are emerging, such as concept study, and others remain absent, such as teacher professionalisation processes. Finally, we point out some particularities of the Brazilian studies that reveal involvement between the Brazilian scientific community and trends that mark the important practices of teacher education and the education of teacher educator.

Keywords

Mathematics teacher education Research in teacher education Research group Research synthesis Research perspectives 

References

  1. Ball, D., Thames, M. H., & Phelps, G. (2008). Content knowledge for teaching: What makes it special? Journal of Teacher Education, 59(5), 389–407.CrossRefGoogle Scholar
  2. Blömeke, S., & Delaney, S. (2012). Assessment of teacher knowledge across countries: A review of the state of research. ZDM-International Journal on Mathematics Education, 44, 223–247.CrossRefGoogle Scholar
  3. Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. (2015). Resolução n. 2, de 1° de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior e para a formação continuada.Google Scholar
  4. Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. (2013). Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI.Google Scholar
  5. Carneiro, R. F. (2015). A formação de professores dos anos iniciais em um curso de pedagogia: contribuições das disciplinas de matemática. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–11). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  6. Carrillo, J., Climent Rodríguez, N., Contreras González, L. C., & Montes Navarro, M. (2015). Un marco teórico para el Conocimiento Especializado del Profesor de Matemáticas. Huelva: Universidad de Huelva Publicaciones.Google Scholar
  7. Clark, K. M. (2012). History of mathematics: Illuminating understanding of school mathematics concepts for prospective mathematics teachers. Educational Studies in Mathematics, 81, 67–84.CrossRefGoogle Scholar
  8. Cochran-Smith, M., & Lytle, S. (2009). Inquiry as stance: Practitioner research for the next generation. New York, London: Teachers College Press.Google Scholar
  9. Côco, D., & Silva, S. A. F. (2015). Estágio supervisionado e aprendizagem da docência: ações e reflexões de licenciandos de matemática. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–12). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  10. Costa, L. F. M., & Lucena, I. C. R. (2015). Práticas formativas como elos entre professores e formadores em autoformações. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–12). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  11. Cyrino, M. C. C. T. (2015). Desenvolvimento da Identidade Profissional de Professores em Comunidades de Prática: Elementos da Prática. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–11). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  12. Cyrino, M. C. C. T. (2016). Mathematics Teachers’ Professional Identity Development in Communities of practice: Reifications of proportional reasoning teaching. BOLEMA, 54(30), 165–187.CrossRefGoogle Scholar
  13. Davis, B., & Renert, M. (2012). Profound understanding of emergent mathematics: Broadening the construct of teachers’ disciplinary knowledge. Educational Studies in Mathematics, 29(3), 37–43.Google Scholar
  14. Fanizzi, S., & Santos, V. M. (2015). Políticas públicas de formação continuada de professores dos anos iniciais em matemática: uma experiência da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–11). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  15. Ferreira, A. C., Lopes, C. A. E., Fiorentini, D., Jaramillo, D., Melo, G. F. A., Carvalho, V. E, & Santos-Wagner, V. M. (2000). Estado da arte e da pesquisa brasileira sobre a formação de professores que ensinam matemática: Uma primeira aproximação. In SBEM. Livro de resumos do I SIPEM (pp. 264–271). Serra Negra: SBEM.Google Scholar
  16. Ferreira, A. C., Coura, F. C. F., & Barbosa, C. P. (2015). Uma Análise da Produção Mineira sobre a Licenciatura em Matemática: Considerando as Teses e Dissertações Defendidas entre 2001 e 2012. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–12). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  17. Fiorentini, D. (2005). A Formação matemática e didático-pedagógica nas disciplinas da Licenciatura em Matemática. Revista de Educação, Campinas, SP, 18(1), 107–115.Google Scholar
  18. Fiorentini, D. (2013). Pesquisar Práticas Colaborativas ou Pesquisar Colaborativamente? In M. C. Borba & J. L. Araújo (orgs.). Pesquisa Qualitativa em Educação Matemática. (5° ed, pp. 53–85). Belo Horizonte: Autêntica.Google Scholar
  19. Galleguillos, J., Montes, M., & Ribeiro, C. M. (2015). Situaciones de investigación matemática y el conocimiento especializado del professor. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–13). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  20. Gatti, B. A., & Barreto, E. S. S. (2009). Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO.Google Scholar
  21. Geraldi, C. M. G., Fiorentini, D., & Pereira, E. M. A. (Orgs.). (1998). Cartografias do trabalho docente: Professor(a)-pesquisador(a). Campinas, São Paulo: Mercado de Letras.Google Scholar
  22. Giongo, I. M., Rehfeldt, M. J. H., & Quartieri, T. (2015). Formação continuada e professores da escola básica: movimentos de parceria universidade-escola. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–10). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  23. Giusti, N. M. R., & Justo, J. C. R. (2015). Processos colaborativos e cooperativos interseccionados na formação em serviço de professores dos anos iniciais. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–11). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  24. Giraldo, V., Rangel, L., Quintaneiro, W., & Matos, D. (2015). Matemática elementar e investigação de conceito: estabelecendo relações. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–13). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  25. Hossin, S., Mendrick, H., & Adler, J. (2013). Troubling “understanding mathematics in-depth”: Its role in the identity work of student-teachers in England. Educational Studies in Mathematics, 84, 32–48.Google Scholar
  26. Jaworski, B. (2008). Building and sustaining inquiry communities in mathematics teaching development. In K. Krainer & T. Wood (Eds.), Participants in mathematics teacher education: Individuals, teams, communities and networks. The international handbook on mathematics teacher education (Vol. 3, pp. 309–330). Rotterdam, The Netherlands: Sense Publisher.Google Scholar
  27. Kemczinski, A., Marek, J., Hounsell, M. S., & Gasparini, I. (2007). Colaboração e cooperação—Pertinência, concorrência ou complementaridade. Revista Produção, 7(3), 1–15.Google Scholar
  28. Kopnin, P. V. (1978). A dialética como lógica e teoria do conhecimento. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira.Google Scholar
  29. Lamon, S. J. (2012). Teaching fractions and ratios for understanding: Essential content knowledge and instructional strategies for teachers (3rd ed.). New York: Routledge.Google Scholar
  30. Leontiev, A. N. (1978). O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte.Google Scholar
  31. Leontiev, A. N. (1983). Actividad, Conciencia, Personalidad. Ciudad de La Habana: Editorial Pueblo Y Educación.Google Scholar
  32. Leontiev, A. N. (2001). Os princípios psicológicos da brincadeira pré-escolar. In L. S. Vygotsky et al. (Eds.), Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem (pp. 119–142). São Paulo: Ícone.Google Scholar
  33. Lerman, S. (2000). The social turn in mathematics education research. In J. Boaler (Ed.), Multiple perspectives on mathematics teaching and learning (pp. 20–44). Westport, CT: Ablex.Google Scholar
  34. Lesh, R., Post, T., & Behr, M. (1988). Proportional reasoning. In J. Hiebert & M. Behr (Eds.), Number concepts and operations in the middle grades (pp. 93–118). Reston, VA: Lawrence Erlbaum & National Council of Teachers of Mathematics.Google Scholar
  35. Marco, F. F., Lopes, A. R. L. V., & Sousa, M. C. (2015). Projeto Formativo na Atividade Pedagógica do Professor que Ensina Matemática. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–11). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  36. Marquesin, D. F. B., & Nacarato, A. M. (2015). Minha Época de Escola: Narrativas de Futuras Professoras. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–12). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  37. Mishra, P., & Koelhler, M. J. (2006). Technological pedagogical content knowledge: A framework for teacher knowledge. Teachers College Record, 108(6), 1017–1054.CrossRefGoogle Scholar
  38. Moretti, V. D., & Radford, L. (2015). História do conceito culturalmente significada e a organização da atividade de ensino de matemática. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–12). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  39. Munhoz, A. V., & Giongo, I. M. (2014). Observatório da Educação I: tendências no ensino da matemática. Porto Alegre: Evangraf.Google Scholar
  40. Nacarato, A. M., Mengali, B. L., & Passos, C. L. B. (2009). A matemática nos anos iniciais do ensino fundamental: Tecendo fios do ensinar e do aprender. Belo Horizonte: Autêntica.Google Scholar
  41. Nacarato, A. M., & Grando, R. C. (2015). A Pesquisa com e pelas professoras que ensinam Matemática. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–12). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  42. Nacarato, A. (2016). A parceria universidade-escola: Utopia ou possibilidade de formação continuada no âmbito das políticas públicas? Revista Brasileira de Educação, 21(66), 699–716.CrossRefGoogle Scholar
  43. Oliveira, H., & Cyrino, M. C. C. T. (2011). A formação inicial de professores de Matemática em Portugal e no Brasil: Narrativas de vulnerabilidade e agência. Interacções, 7, 104–113.Google Scholar
  44. Oliveira, L. M. C. P., & Cyrino, M. C. C. T. (2015). Aprendizagens a respeito do raciocínio proporcional em uma comunidade de prática de professores matemática. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–12). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  45. Oliveira, A. T. C. C., & Fiorentini, D. (2015). Saberes e práticas de formadores de professores de matemática: O papel e o lugar da didática especial de matemática no curso de licenciatura. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–12). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  46. Pardim, J. F. S., & Pereira, P. S. (2015). Interações entre os integrantes da universidade-escola em um projeto colaborativo. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–10). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  47. Passos, C. L. B., & Souza, A. P. G. (2015). Formação inicial/continuada de professores dos anos iniciais: tecnologias informáticas e matemática. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–11). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  48. Ponte, J. P., & Chapman, O. (2008). Preservice mathematics teachers’ knowledge and development. In L. D. English (Ed.), Handbook of international research in mathematics education: Directions for the 21st century (2nd ed., pp. 225–263). New York: Routledge.Google Scholar
  49. Ponte, J. P., & Chapman, O. (2015). Prospective mathematics teachers’ learning and knowledge for teaching. In L. English & D. Kirshner (Eds.), Handbook of international research in mathematics education (3rd ed., pp. 275–296). New York: Routledge.Google Scholar
  50. Potari, D., & da Ponte, J. P. (2016). Current research on prospective secondary mathematics teachers’ knowledge. In M. E. Strutchens, L. Losano, D. Potari, R. Huang, J. P. da Ponte, M. C. C. T. Cyrino, K. R. Leatham, B. E. Peterson, & R. M. Zbiek (Eds.), The mathematics education of prospective secondary teachers around the world (1st ed., pp. 5–15). Cham, Switzerland: Springer International Publishing.Google Scholar
  51. Powell, A. B., & Pazuch, V. (2015). Tarefas, Colaboração e Justificações Geométricas de Professores no Ambiente VMTcG1. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–13). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  52. Radford, L. (2006). Elementos de una teoría cultural de la objetivación. Revista Latinoamericana de Investigación en Matemática Educativa, Special Issue on Semiotics, Culture and Mathematical Thinking, pp. 103–129.Google Scholar
  53. Radford, L. (2013). Three key concepts of the theory of objectification: Knowledge, knowing, and learning. Journal of Research in Mathematics Education, 2(1), 7–44.Google Scholar
  54. Ribeiro, A. J., & Oliveira, F. A. P. V. S. (2015). Conhecimentos Matemáticos dos Professores e o Ensino de Equações: Uma Investigação Acerca do Planejamento de Aulas para a Educação Básica. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–13). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  55. Robutti, O., Cusi, A., Clark-Wilson, A., Jaworski, B., Chapman, O., Esteley, C., et al. (2016). ICME international survey on teachers working and learning through collaboration: June 2016. ZDM Mathematics Education, 48, 651–690.CrossRefGoogle Scholar
  56. Santana, F. C. M., & Barbosa, J. C. (2015). Trabalho colaborativo com professores de matemática: uma análise dos conflitos entre/nos textos enunciados pelos participantes. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–13). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  57. Santos, M. B. Q. C. P. (2015). Professores que ensinam matemática: Diálogos pertinentes entre a licenciada em matemática e a pedagoga. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–12). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  58. Schmidt, W. H., Blömeke, S., & Tatto, M. T. (2011). Teacher education matters: A study of middle school mathematics teacher preparation in six countries. New York: Teacher College Press.Google Scholar
  59. Shulman, L. S. (1986). Those who understand: Knowledge growth in teaching. Educational Researcher, 15, 4–14.CrossRefGoogle Scholar
  60. Silva, M. M., & Cedro, W. L. (2015). Formação de professores que ensinam matemática: O estágio supervisionado como um dos espaços de constituição da práxis docente. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–12). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  61. Silva, S. F. A., & Wrobel, J. S. (2015). Saberes necessários aos docentes sob o olhar de professores de matemática em formação. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–10). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  62. Sousa, M. C. (2010). O PIBID, área Matemática da Ufscar: contribuições para a formação docente. In XV ENDIPE—Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino, Belo Horizonte. Anais...Belo Horizonte: MG, 2010. Cd-Room.Google Scholar
  63. Souza, D. M. X. B., & Silva, A. A. (2015). Efeitos que Induzem e Produzem uma Ferramenta Pedagógica na Formação de uma Professora e de seus Alunos. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–11). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  64. Stahl, G. (Ed.). (2009). Studying virtual math teams. New York: Springer.Google Scholar
  65. Tardif, M. (2002). Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes.Google Scholar
  66. Tatto, M. T., Lerman, S., & Novotna, J. (2010). The organization of the mathematics preparation and development of teachers: A report from the ICMI study 15. Journal of Mathematics Teacher Education, 13(4), 313–324.CrossRefGoogle Scholar
  67. Tatto, M. T., Peck, R., Schwille, J., Bankov, K., Senk, S. L., Rodriguez, M., et al. (2012). Policy, practice, and readiness to teach primary and secondary mathematics in 17 countries: Findings from the IEA Teacher Education and Development Study in Mathematics (TEDS-M). Amsterdam: International Association for the Evaluation of Educational Achievement (IEA).Google Scholar
  68. Taxa-Amaro, F. O. S., Perovano, A. P. R., Bortoldi, R. A. M., & Santana, E. R. S. (2015). Narrativas Dos Professores-Formadores: Entrecruzando o processo de alfabetização matemática. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1–16). Pirenópolis: SBEM.Google Scholar
  69. Tinti, D. S. (2012). PIBID: um estudo sobre suas contribuições para o processo formativo de alunos de Licenciatura em Matemática da PUC-SP. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática). Pontifícia Universidade Católica, São Paulo.Google Scholar
  70. Viñao, A. (2008). A história das disciplinas escolares. Revista Brasileira de História da Educação, 18, 173–215.Google Scholar
  71. Vygotsky, L. S. (2002). A formação social da mente (6th ed.). São Paulo: Martins Fontes.Google Scholar
  72. Wenger, E. (1998). Communities of practice: Learning, meaning, and identity. New York: Cambridge University Press.CrossRefGoogle Scholar

Copyright information

© Springer International Publishing AG, part of Springer Nature 2018

Authors and Affiliations

  • Adair Mendes Nacarato
    • 1
  • Ana Cristina Ferreira
    • 2
  • Cármen Lúcia Brancaglion Passos
    • 3
  • Márcia Cristina de Costa Trindade Cyrino
    • 4
  1. 1.Universidade São FranciscoItatibaBrazil
  2. 2.Universidade Federal de Ouro PretoOuro PretoBrazil
  3. 3.Universidade Federal de São CarlosSão CarlosBrazil
  4. 4.Universidade Estadual de LondrinaLondrinaBrazil

Personalised recommendations