Advertisement

Disaster Risk Management in the State of Rio de Janeiro

  • Beate Frank
  • Rosa Maria Formiga-Johnsson
  • Viviane Japiassú Viana
  • Silvia Marie Ikemoto
Chapter
Part of the Springer Series on Environmental Management book series (SSEM)

Abstract

This chapter describes and analyzes the recent evolution of disaster risk management in the state of Rio de Janeiro as evidenced through empirical observation, a bibliographic review, and a desk review. Firstly, it describes the two most serious types of hazards – floods and landslides – and shows which territories are more susceptible to risks. Then it introduces the political and institutional context at the state and municipal levels (primarily the civil defense agencies) and details their evolution in reaction to several disasters that have occurred over time. In 2011, the mega disaster in the Serrana region marked an evolution in policies in the state of Rio de Janeiro and Brazil. It triggered a paradigm shift from solely disaster management practices, focused on response and recovery, to broader risk management initiatives focused on risk assessment, prevention, mitigation, preparedness, response, and recovery. Several institutions started to concentrate on risk management, especially in risk assessment and preparedness, for the two types of major hazards. The State Civil Defense, the Environmental State Institute, and the State Department of Mineral Resources were particularly relevant institutions in this context.

Keywords

Disaster risk management Flooding Landslides Institutional capacity State of Rio de Janeiro 

Resumo (Português) Gestão do Risco de Desastres no Estado do Rio de Janeiro

O artigo visa descrever e analisar a evolução recente da gestão do risco de desastres no Estado do Rio de Janeiro, baseando-se em observação empírica, pesquisa bibliográfica e análise documental. Inicialmente descreve os dois tipos de ameaças mais graves - inundações e movimentos de massa -, mostrando quais são os territórios mais suscetíveis aos riscos. Em seguida apresenta o contexto e a evolução político-institucional correspondente em âmbito estadual e municipal, prioritariamente a cargo dos órgãos de defesa civil, em função dos desastres que foram ocorrendo ao longo do tempo. Em 2011, o megadesastre que ocorreu na Região Serrana marcou a evolução das políticas para o setor, no Rio de Janeiro e no Brasil, provocando o início da mudança de um paradigma: da gestão do desastre, focado na resposta e na recuperação, para a gestão do risco de desastre, focado em conhecimento do risco, prevenção, mitigação, preparação, resposta e recuperação. Diversas instituições passaram a atuar na ótica da gestão do risco, sobretudo no conhecimento do risco e na preparação, orientada para os dois tipos de ameaças prevalentes. Nestas ações destacam-se a Secretaria de Defesa Civil, o Instituto Estadual do Ambiente e o Departamento de Recursos Minerais.

Palavras-chave

Gestão do risco de desastres inundações escorregamentos capacidade institucional Estado do Rio de Janeiro. 

Resumen (Español) Gestión del Riesgo de Desastres en el Estado de Rio de Janeiro

Este capitulo describe y analiza la reciente evolución de la gestión del riesgo de desastres en el estado de Rio de Janeiro, con base en la observación empírica, revisión bilbiográfica y un análisis documental. Inicialmente se describen los dos tipos de amenazas mas graves – inundaciones y deslizamientos, indicando cuales territorios son mas suceptibles al riesgo. Por otra parte se introduce el contexto político e institucional a nivel estatal y municipal, principalmente a cargo de los órganos de defensa civil, en función a los desastres ocurridos a lo largo del tiempo. En el 2011, el mega desastre que ocurrió en la Región Serrana marcó la evolución de las políticas para el sector en Rio de Janeiro y Brasil, provocando el inicio del cambio de un paradigma: de la gestión del desastre enfocado en la respuesta y la recuperación a la gestión del riesgo de desastre centrado en la evaluación de riesgos, prevención, mitigación, preparación, respuesta, y recuperación. Diversas instituciones empezaron a enfocarse en la gestión del riesgo, sobre todo en la preparación y evaluación del riesgo, orientada a los dos tipos de amenazas principales. En estas acciones se destacan la Secretaría de Defensa Civil, el Instituto Estatal de Ambiente y el Departamento de Recursos Minerales.

Palabras clave

Gestión del riesgo de desastres Inundaciones Deslizamientos Capacidad institucional Estado de Río de Janeiro 

References

  1. Bahiense JM, Júnior JEFF, Costa LF, Chargel LT (2015) Monitoramento hidrológico quantitativo no estado do Rio de janeiro: importância, histórico e modernização. Paper presented at the XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos. Distrito Federal, BrasíliaGoogle Scholar
  2. Botelho J, Cruz V (2013) Metodologia Científica. Pearson Education do Brasil, São PauloGoogle Scholar
  3. Canedo P, Ehrlich M, Lacerda WA (2011) Chuvas na Região Serrana do Rio de Janeiro: Sugestões para Ações de Engenharia e Planejamento. Programa de Engenharia Civil, Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia – COPPE/UFRJ. Rio de Janeiro, Rio de JaneiroGoogle Scholar
  4. CEPED – Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres (2013) Atlas Brasileiro de Desastres Naturais: 1991 a 2012. 2. ed. rev. ampl. Florianópolis: CEPED UFSC, 2013. https://s2id.mi.gov.br/paginas/atlas/. Accessed 22 Ago 2017
  5. CIF-OIT – Centro Internacional de Formação da Organização Internacional do Trabalho (2012) O risco de desastres: origem, avaliação, redução e prevenção no quadro do desenvolvimento local sustentável. Curso de Redução do Risco de Desastres e Desenvolvimento Local Sustentável, Unidade Didática 2. Programa Delnet de Apoio ao Desenvolvimento LocalGoogle Scholar
  6. CPRM – Serviço Geológico do Brasil (2000) Mapa Geoambiental do Estado do Rio de Janeiro. In: Projeto Rio de Janeiro. CPRM, Rio de JaneiroGoogle Scholar
  7. CPRM – Serviço Geológico do Brasil (2017) Cartas de Suscetibilidade a Movimentos Gravitacionais de Massa e Inundações. http://www.cprm.gov.br/publique/Gestao-Territorial/Geologia-de-Engenharia-e-Riscos-Geologicos/Cartas-de-Suscetibilidade-a-Movimentos-Gravitacionais-de-Massa-e-Inundacoes-3507.html#riojaneiro. Accessed 10 Apr 2017
  8. CRED – Centre for Research on the Epidemiology of Disasters (2011) Ranking of disasters. http://www.cred.be/publications. Accessed 20 May 2011
  9. DRM – Departamento de Recursos Minerais (2016) Diagnóstico de Risco a Escorregamento no Estado do Rio de Janeiro e Plano de Contingência. Núcleo de Análise e Diagnóstico de Escorregamentos – NADE. Relatório Geotécnico. Rio de Janeiro, Niterói, pp 2016–2017Google Scholar
  10. DRM – Departamento de Recursos Minerais (2017) Núcleo de análise e diagnóstico de escorregamentos. http://www.drm.rj.gov.br/index.php/risco-geologico. Accessed 10 Apr 2017
  11. EIRD – Estratégia Internacional para Redução de Desastres (2004). Vivir con el Riesgo. Informe mundial sobre iniciativas para la reducción de desastres. Volumen I. Nova York y Ginebra: Publicación Naciones UnidasGoogle Scholar
  12. Fantti B (2017) Sirenes de alerta de chuvas estão sem funcionar em 180 comunidades do estado. Jornal o Dia (versão eletrônica). http://odia.ig.com.br/rio-de-janeiro/2016-12-16/sirenes-de-alerta-de-chuvas-estao-sem-funcionar-em-180-comunidades-do-estado.html. Accessed 10 Apr 2017
  13. GITEC/IP/CODEX – Consórcio GITEC Brasil/ IP/ CODEX Remote (2014a) Concepção do arranjo institucional e operacional para a gestão de risco de desastres no Estado do Rio de Janeiro. Produto 2: Caracterização das instituições técnico-científicas envolvidas na gestão de risco de desastres no Estado do Rio de Janeiro. Contrato SEPLAG-RJ 9/2013 para Serviços de ConsultoriaGoogle Scholar
  14. GITEC/IP/CODEX – Consórcio GITEC Brasil/ IP/ CODEX Remote (2014b) Concepção do arranjo institucional e operacional para a gestão de risco de desastres no Estado do Rio de Janeiro. Produto 3: Avaliação da capacidade de atuação dos municípios na gestão de risco de desastre. Contrato SEPLAG-RJ 9/2013 para Serviços de ConsultoriaGoogle Scholar
  15. IBRD – International Bank for Reconstruction and Development (2012) Avaliação de Perdas e Danos: Inundações e Deslizamentos na Região Serrana do Rio de Janeiro – Janeiro de 2011. Relatório elaborado com o apoio do Governo do Estado do Rio de Janeiro. Distrito Federal, Brasília: IBRDGoogle Scholar
  16. INEA – Instituto Estadual do Ambiente (2014) Plano estadual de recursos hídricos do estado do Rio de Janeiro: Vulnerabilidade a eventos críticos fundação COPPETEC. Rio de JaneiroGoogle Scholar
  17. INEA – Instituto Estadual do Ambiente (2015) Redução de risco de desastres associados a inundações. Boletim Águas & Território. Rio de JaneiroGoogle Scholar
  18. INEA – Instituto Estadual do Ambiente (2017). Prevenção e controle de inundações: mapa de risco a inundações da Região Serrana. http://200.20.53.3:8081/Portal/MegaDropDown/ProgramaseProjetos/Projetos/PROJ_MAPAREASRISCOINUNDRGSERRA&lang=. Accessed 10 Aug 2017
  19. Júnior Jeff, Ikemoto SM, Santos Morm, Johnsson RMF (2013) Gestão de riscos de inundações e a tragédia da Região Serrana: ações, resultados, desafios e perspectivas futuras. Paper presented at the XX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos. Bento Gonçalves, Rio Grande do SulGoogle Scholar
  20. Maskrey A (1993) Los desastres no son naturales. LA RED. Red de Estudios Sociales en Prevención de Desastres en América Latina, Ciudad de PanamáGoogle Scholar
  21. MI – Ministério da Integração Nacional, Brasil (2012) Instrução Normativa n° 01, de 24 de agosto de 2012. Estabelece procedimentos e critérios para a decretação de situação de emergência ou estado de calamidade pública pelos Municípios, Estados e pelo Distrito Federal, e para o reconhecimento federal das situações de anormalidade decretadas pelos entes federativos e dá outras providênciasGoogle Scholar
  22. MI – Ministério da Integração Nacional, Brasil (2016a) Projeto de Cooperação Técnica BRA/IICA/13/001 – Interáguas – MI: Atualização do conteúdo dos Manuais Técnicos para atender ao Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil. Produto 1:2. (non published)Google Scholar
  23. MI – Ministério da Integração Nacional, Brasil (2016b) Série Histórica de Reconhecimentos Realizados 2003-2016. Secretaria Nacional de Defesa Civil – SEDEC. http://www.mi.gov.br/web/guest/reconhecimentos-realizados. Accessed 16 Apr 2017
  24. MMA – Ministério do Meio Ambiente, Brasil (2011) Áreas de Preservação Permanente e Unidades de Conservação & Áreas de Risco. O que uma coisa tem a ver com a outra? In: Relatório de Inspeção da Área atingida pela tragédia das chuvas na Região Serrana do Rio de Janeiro. MMA, BrasíliaGoogle Scholar
  25. Napoleão PRM, Ikemoto SM, Ferreira CEG, Sapienza JA (2016) Indicações metodológicas para o mapeamento da suscetibilidade às inundações aplicadas à bacia dos rios Guapi-Macacu/RJ. Paper presented at the I Congresso Brasileiro de Redução de Riscos de Desastres. Curitiba, ParanáGoogle Scholar
  26. Narváez L, Lavell A, Ortega GP (2009) La gestión del riesgo de desastres: un enfoque basado en procesos. Proyecto Apoyo a La Prevención de Desastres em La Comunidad. Andina – PREDECAN, Lima, PeruGoogle Scholar
  27. Nehren U, Kirchner A, Lange W et al (2018) Natural hazards and climate change impacts in the state of Rio de Janeiro: a landscape historical analysis. In: Nehren U, Schlüter S, Raedig C, Sattler D, Hissa H (eds) Strategies and tools for a sustainable rural Rio de Janeiro. Springer International Publishing, SpringerGoogle Scholar
  28. O Globo (2017) Centro de prevenção de desastres naturais fecha devido à crise do RJ. http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2016/06/centro-de-prevencao-de-desastres-naturais-fecha-devido-crise-do-rj.html. Accessed 10 Apr 2017
  29. PNUD– Programa de las Naciones Unidas para el Desarollo (2004) Un informe mundial para La Reducción de Riesgos de Desastres – Un desafío para o desarrollo. USA: John S. Swift Co.Google Scholar
  30. SEDEC – Secretaria Estadual de Defesa Civil (2012) Notificação Preliminar de Desastre (NOPRED) e da Avaliação de danos (AVADAN). Departamento Geral de Defesa Civil. Rio de JaneiroGoogle Scholar
  31. SEDEC –Secretaria Estadual de Defesa Civil (2015) Mapa de ameaças naturais do estado do Rio de Janeiro 2014/2015. Escola de Defesa Civil – ESDEC Rio de Janeiro https://wwwmindmeistercom/pt/376772296/mapa-de-amea-as-naturais-do-estado-do-rio-de-janeiro-2014. Acessed 10 Aug 2017
  32. SEDEC – Secretaria Estadual de Defesa Civil (2017) Conheça o CEMADEN. Centro Estadual de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais – CEMADEN-RJ. http://cemadenrj.defesacivil.rj.gov.br. Accessed 10 Apr 2017
  33. UN – United Nations (2011) Global assessment report on disaster risk reduction. Revealing risk, redefining development. Summary and main findings. Information Press, Oxford, p 2011Google Scholar
  34. UNISDR – United Nations International Strategy for Disaster Reduction (2011) Hyogo Framework for Action 2005–2015: building the resilience of nations and communities to disasters. https://www.unisdr.org/2005/wcdr/intergover/official-doc/L-docs/Hyogo-framework-for-action-english.pdf. Accessed 10 Jun 2017
  35. UNISDR – United Nations International Strategy for Disaster Reduction (2015) Sendai framework for disaster risk reduction 2015–2030. http://www.wcdrr.org/uploads/Sendai_Framework_for_Disaster_Risk_Reduction_2015-2030.pdf. Accessed 10 Jun 2017
  36. Viana VJ (2016) Gestão de risco de desastres no Brasil: leitura das estratégias locais de redução de riscos de inundação em Nova Friburgo, RJ. Staty University of Rio de Janeiro State - UERJ, TeseGoogle Scholar

Copyright information

© Springer International Publishing AG, part of Springer Nature 2019

Authors and Affiliations

  • Beate Frank
    • 1
  • Rosa Maria Formiga-Johnsson
    • 2
  • Viviane Japiassú Viana
    • 3
  • Silvia Marie Ikemoto
    • 4
  1. 1.Regional University of Blumenau (FURB)BlumenauBrazil
  2. 2.State University of Rio de Janeiro (UERJ)Rio de JaneiroBrazil
  3. 3.Veiga de Almeida University (UVA) and Faculty of Technology Senac RioRio de JaneiroBrazil
  4. 4.Environmental State Institute of Rio de Janeiro (INEA)Rio de JaneiroBrazil

Personalised recommendations