Advertisement

Family Life Education: Brazilian Realities and Dreams

  • Ana Cecília Bastos
  • Wanderlene Reis
  • Rosely Cabral de Carvalho
  • Lúcia Moreira
Chapter

Abstract

Even if family life education (FLE) is not an established reality in Brazil, many initiatives that meet FLE goals and strategies can be described in the areas of social work and health. This chapter analyzes some of these initiatives in the Brazilian historical, social, and economic contexts, stressing what has been implemented through public policies and services. Efforts are made to characterize social action and programs at the level of civil society as well. The initiatives described here, in terms of public policies, such as the program for integral assistance to the family (PAIF) and the family health program (PSF) and initiatives of civil society (school for parents), are still limited in their reach and impact, considering the Brazilian population as a whole; they do not respond to the real needs of families in a broad, meaningful way. Still, they already form a relevant set of knowledges and experiences and contribute to our taking the family seriously into account and promoting effective family life education.

Keywords

Brazil Family life education Public policies Social work Primary health care Education for parents 

References

  1. Bastos, A. C. S. (2001). Modos de Partilhar: A Criança e o Cotidiano da Família. Taubaté: Cabral Editora Universitária.Google Scholar
  2. Bastos, A. C. S. (2009). Studying poor families in Salvador, Brazil: Reflections after two decades. In A. C. S. Bastos & E. P. Rabinovich (Eds.), Living in poverty: Developmental poetics of cultural realities (pp. 69–97). Charlotte, NC: Information Age Publishing.Google Scholar
  3. Bastos, A. C. S., Almeida, M. B., & Rabinovich, E. P. (2010). Living the world of poverty: The researcher as participant/apprentice. Psychology and Developing Societies, 22(2), 221–247.CrossRefGoogle Scholar
  4. Bastos, A. C. S., Moreira, L. V. C., Petrini, G., & Alcântara, M. A. R. (2015). Família no Brasil. Curitiba: Juruá.Google Scholar
  5. Bastos, A. C. S., Pontes, V. V., Brasileiro, P. G., & Serra, H. M. (2012). Fathering in Brazil: Continuities and emergences in a changing society. In D. W. Shwalb, B. J. Shwalb, & M. E. Lamb (Eds.), Fathers in cultural context. New York/London: Routledge.Google Scholar
  6. Bastos, A. C. S., & Rabinovich, E. P. (2009). Realities of living: From poverty to poetry, and beyond. In A. C. S. Bastos & E. P. Rabinovich (Eds.), Living in poverty: Developmental poetics of cultural realities (pp. xiii–xxvi). Charlotte, NC: Information Age Publishing.Google Scholar
  7. Bastos, A. C. S., Trad, L. A. B., Nunes, M. O., Alcantara, M. A. R. (2005). Análise de um Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado, na Perspectiva de Seus Usuários, Através de uma Abordagem Qualitativa. Technical Report presented to World Bank/ AVSI/Conder, Mimeo.Google Scholar
  8. Bomfim, A. C. B., & Dias, A. V. L. (2015). Relatos de experiências sobre acompanhamento de famílias. In A. C. S. Bastos, L. V. C. Moreira, G. Petrini, & M. A. R. Alcântara (Eds.), Família no Brasil (1st ed., pp. 553–564). Curitiba/Paraná: Juruá.Google Scholar
  9. Brazil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 (1998). Brasília. Recuperado em 27 de junho 2017.Google Scholar
  10. Brazil. (1997). Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Coordenação de Saúde da Comunidade. Saúde da Família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília.Google Scholar
  11. Brazil. (2005). Norma Operacional Básica do Sistema Único de Assistência Social (NOB/SUAS) 2005 (2005). Ministério do Desenvolvimento Social; Secretaria Nacional de Assistência Social Brasília, 2005.Google Scholar
  12. Brazil. (2009). Resolução n. 109, de 11 de novembro de 2009. (2009). Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais. Ministério do Desenvolvimento e Combate à Fome, Brasília.Google Scholar
  13. Brazil. (2011a). Lei 12.435 de 06 de julho de 2011 (2011). Altera a Lei no 8.742, de 7 de dezembro de 1993, que dispõe sobre a organização da Assistência Social. Brasília. Recuperado em 27 de junho de 2017 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Lei12435
  14. Brazil. (2011b). Portaria n. 2488 de 21 de outubro de 2011. Basília.Google Scholar
  15. Brazil. (2012). Norma Operacional Básica de Recursos Humanos do SUAS (NOB/RH/SUAS) (2012). Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social; Secretaria Nacional de Assistência Social, Brasília, 2012.Google Scholar
  16. Bronfenbrenner, U. (1996). A ecologia do desenvolvimento humano: Experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artes Médicas.Google Scholar
  17. Carício, M. R. (2010). Terapia Comunitária: Um Encontro que Transforma o Jeito de Ver e Conduzir a Vida (Unpublished master thesis). Federal University of Paraíba.Google Scholar
  18. Carvalho, R. C., & Bastos, A. C. S. B. (2017). Famílias e vulnerabilidades em saúde: questões teóricas, éticas e metodologias para intervenção. Revista Ciência e Saúde Coletiva da UEFS, 2017 (prelo).Google Scholar
  19. Cerveny, C. M. O. (2015). Ciclo Vital e a Família Brasileira. In A. C. S. Bastos, L. V. C. Moreira, G. Petrini, & M. A. R. Alcântara (Eds.), Família no Brasil. Recurso para a Pessoa e Sociedade (pp. 151–170). Curitiba/Paraná: Juruá.Google Scholar
  20. Costa, F. A. O., & Marra, M. M. (2013). Brazilian families headed by poor women and being a single mother: Risks and protective factors. Revista Brasileira de Psicodrama, 21(1), 141–153. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php? Acesso em: 23 nov. 2016Google Scholar
  21. Costa, H. O., Santos, N. P., & Carvalho, R. C. (2016). Interações Dialógicas Comunidade e Escola: Ressignificando a Violência. In R. C. Carvalho, M. F. S. Iriart, M. H. R. Besnosik, & D. H. P. Laranjeira (Eds.), Inclusão Social em Tempos de Violência. O Lugar da Escola e da Família (pp. 145–172). Feira de Santana, BA: UEFS Editora.Google Scholar
  22. Del Priore, M. (Ed.). (2005). História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Editora Contexto.Google Scholar
  23. Duncan, S. F., & Goddard, H. W. (2016). Family life education: Principles and practices for effective outreach. Los Angeles: Sage.Google Scholar
  24. Flexor, M. H. O. (2015). História da família no Brasil. In A. C. S. Bastos, L. V. C. Moreira, G. Petrini, & M. A. R. Alcântara (Eds.), Família no Brasil (pp. 67–110). Curitiba/Paraná: Juruá.Google Scholar
  25. Gomes, C. (2015). O lugar central da família para a integração de ações e políticas de proteção e desenvolvimento social na região metropolitana de Salvador, Estado da Bahia, Brasil. In C. Gomes (Ed.), Colos de famílias, Abracos do Estado. O lugar central da família para as políticas de desenvolvimento humano (pp. 20–45). Curitiba: CRV.Google Scholar
  26. Goodnow, J. (1996). Differentiating among social contexts: By spatial features, forms of participation, and social contracts. In P. Moen, G. H. Elder Jr., & K. Lüscher (Eds.), Examining lives in context. Perspectives on the ecology of human development. Washington, DC: APA.Google Scholar
  27. Hennon, C. B., Radina, M. E., & Wilson, S. M. (2012). Family life education: Issues and challenges in professional practice. In G. W. Peterson & K. R. Busch (Eds.), Handbook of marriage and the family. New York: Springer.Google Scholar
  28. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatístiva-IBGE. (2011). Censo Demográfico 2010- Características da população e dos domicílios: resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2011. Rio de Janeiro: IBGE. Disponível em: http://7a12.ibge.gov.br/vamos-conhecer-o-brasil/nosso-povo/familias-e-domicilios.html. Acesso em 26 jun. 2017.
  29. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatístiva-IBGE. (2015). Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2015.Google Scholar
  30. Iriart, M. F. S., & Laranjeira, D. H. P. (2016). Violência, Família e Escola: Uma Abordagem Bioecológica. In R. C. Carvalho, M. F. S. Iriart, M. H. R. Besnosik, & D. H. P. Laranjeira (Eds.), Inclusão Social em Tempos de Violência. O Lugar da Escola e da Família (pp. 119–144). Feira de Santana, BA: UEFS Editora.Google Scholar
  31. Macedo, R. (2008). Terapia Familiar no Brasil na Última Década. São Paulo: Roca.Google Scholar
  32. Menezes, J. E. X., Moreira, L. V. C., & Rabinovich, E. P. (2015). O debate interdisciplinar sobre o fenômeno familiar no Brasil: contribuições do Programa de Pós-graduação em Família na Sociedade Contemporânea/UCSal. In A. C. S. Bastos, L. V. C. Moreira, G. Petrini, & M. A. R. Alcântara (Eds.), Família no Brasil (1st ed., pp. 487–499). Curitiba/Paraná: Juruá.Google Scholar
  33. National Council of Family Relations- NCFR. (2015). Disponível em: https://www.ncfr.org/ncfr-2015. Acesso em: 20 jun. 2017.
  34. Oliveira, M. L. S., & Bastos, A. C. S.(2000). Práticas de atenção à saúde no contexto familiar: um estudo comparativo de casos. Revista Psicologia Reflexão. Crítica, 13(1), 97–107. Disponível em http://www.scielo.br/scielo php? Acesso em: 26 nov 2016.
  35. Peixoto, M. T., Carvalho, R. C., Martins, A. L. L., Silva, K. L. O., & Silva, M. O. (2015). Projeto Terapêutico Familiar: uma tecnologia para a Gestão do Cuidado. Anais XXVI CONGRESSO DA I’ALASS, Itália, 2015. Disponível em: http://www.alass.org/contcalasss/pdf_calass_2015 calass_resum_2015.pdf.
  36. Petrini, J. C. (2003). Pós-modernidade e família : um itinerário de compreensão. Bauru: EDUSC.Google Scholar
  37. Petrini, J. C. (2005). Mudanças sociais e mudanças familiares. In J. C. Petrini & V. R. S. Cavalcanti (Eds.), Família, sociedade e subjetividades: uma perspectiva multidisciplinar (Vol. 1, pp. 29–53). Petrópolis/Rio de Janeiro: Vozes.Google Scholar
  38. Silva, M. C. L. S. R., Silva, L., & Bousso, R. S. S. (2011). A abordagem à família na Estratégia Saúde da Família: uma revisão integrativa da literatura. Revista Escola de Enfermagem, USP, São Paulo,45(5), 1250–1255, out. 2011. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php? Acesso em 26 jun. 2017.
  39. Souza, C. B. S., & Falcão, D. (2015). Escola de Pais do Brasil: uma instituição a serviço da família. In A. C. S. Bastos, L. V. C. Moreira, G. Petrini, & M. A. R. Alcântara (Eds.), Família no Brasil: Recurso Para a Pessoa e Sociedade (pp. 525–539). Curitiba: Juruá.Google Scholar
  40. Souza, J. (2016). A invisibilidade da desigualdade brasileira. Belo Horizonte: Editora da UFMG.Google Scholar
  41. Trad, L. A. B., Bastos, A. C. S., Santana, E. M., & Nunes, M. O. (2002). Estudo etnográfico da satisfação do usuário do Programa de Saúde da Família (PSF) na Bahia. Ciência & Saúde Coletiva, 7(3), 581–589.CrossRefGoogle Scholar
  42. Valsiner, J. (2012). Fundamentos da Psicologia Cultural: Mundos da mente, mundos da vida. Porto Alegre: Artmed.Google Scholar

Copyright information

© Springer International Publishing AG, part of Springer Nature 2018

Authors and Affiliations

  • Ana Cecília Bastos
    • 1
  • Wanderlene Reis
    • 2
  • Rosely Cabral de Carvalho
    • 3
  • Lúcia Moreira
    • 2
  1. 1.Catholic University of Salvador/Federal University of BahiaSalvadorBrazil
  2. 2.Catholic University of SalvadorSalvadorBrazil
  3. 3.Feira de Santana State UniversityFeira de SantanaBrazil

Personalised recommendations