Advertisement

Ecological Engagement in Studying Adolescents Undergoing the Process of Family Reunification

  • Aline Cardoso Siqueira
  • Débora Dalbosco Dell’Aglio
Chapter

Abstract

This chapter aims to present and discuss the theoretical–methodological procedure of ecological engagement, used in a research with five adolescents in family reunification. Based on the Bioecological Theory of Human Development, the research has given an ecological perspective of the reunification phenomenon, considering it as proximal process. Thus, the authors discussed the particularities of the procedure for the planning of the research, the procedures, the role of the researcher and the participants, the engagement in the task, and for the analysis of data. Finally, it is concluded that the ecological engagement is an interesting and rich tool for the understanding of complex phenomena in the field of human and social sciences.

Keywords

Ecological engagement Family reunification Institutionalization 

References

  1. Abaid, J. W. L., Siqueira, A. C., & Dell’Aglio, D. D. (2011). Implicações legais e desenvolvimentais do acolhimento institucional: Possibilidades e desafios em uma perspectiva psicológica. In D. M. Arpini & A. C. Siqueira (Eds.), Psicologia, famílias e leis: Desafios à realidade brasileira (pp. 71–102). Santa Maria: Editora UFSM.Google Scholar
  2. Afonso, T., Silva, S. S. da C., Pontes, F. A. R., & Koller, S. H. (2015). O uso do diário de campo na inserção ecológica em uma família de uma comunidade ribeirinha amazônica. Psicologia & Sociedade, 27(1), 131–141. https://doi.org/10.1590/1807-03102015v27n1p131
  3. Arpini, D. M. (2003a). Repensando a perspectiva institucional e a intervenção em abrigos para crianças e adolescentes. Psicologia: Ciência e Profissão, 23(1), 70–75.Google Scholar
  4. Arpini, D. M. (2003b). Violência e exclusão: Adolescência em grupos populares. São Paulo: EDUSC.Google Scholar
  5. Assis, S. G. & Farias, L. O. P. (2013). Levantamento nacional das crianças e adolescentes em serviço de acolhimento. São Paulo: Hucitec.Google Scholar
  6. Azor, A. M. G., & Vectore, C. (2008). Abrigar/desabrigar: Conhecendo o papel das famílias nesse processo. Estudos de Psicologia, 25(1), 77–89.CrossRefGoogle Scholar
  7. Baptista, M. V. (2006). Um olhar para a história. In M. V. Baptista (Ed.), Abrigo: Comunidade de acolhida e socioeducação (pp. 25–38). São Paulo: Instituto Camargo Corrêa.Google Scholar
  8. Barros, R. C., & Fiamenghi Jr., G. A. (2007). Interações afetivas de crianças abrigadas: um estudo etnográfico. Ciência & Saúde Coletiva, 12(5), 1.267–1.276.CrossRefGoogle Scholar
  9. Brasil (1990). Lei n° 8069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União.Google Scholar
  10. Brasil (2009). Lei n° 12.010, de 29 de julho de 2009. (2009). Dispõe sobre adoção; altera as Leis nos 8.069, de 13 de julho de 1990—Estatuto da Criança e do Adolescente, 8.560, de 29 de dezembro de 1992; revoga dispositivos da Lei n° 10.406, de 10 de janeiro de 2002—Código Civil, e da Consolidação das Leis do Trabalho—CLT, aprovada pelo Decreto-Lei n° 5.452, de 1° de maio de 1943; e dá outras providências. Retrieved November 20, 2012, from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L12010.htm
  11. Bronfenbrenner, U. (1986). Ecology of the family as a context for human development. Developmental Psychology, 6, 723–742.CrossRefGoogle Scholar
  12. Bronfenbrenner, U. (1989). Ecological systems theory. Annals of Child Development, 6, 187–249.Google Scholar
  13. Bronfenbrenner, U. (1996). A ecologia do desenvolvimento humano. Porto Alegre: Artes Médicas. (Original publicado em 1979).Google Scholar
  14. Bronfenbrenner, U. (2004). Making human beings human: Bioecological perspectives on human development. London: Sage.Google Scholar
  15. Bronfenbrenner, U., & Ceci, S. J. (1994). Nature-nurture reconceptualized in developmental perspective: A bioecological model. Psychological Review, 101, 568–586.PubMedCrossRefPubMedCentralGoogle Scholar
  16. Bronfenbrenner, U., & Evans, G. (2000). Developmental science in the 21st century: Emerging questions, theoretical models, research designs and empirical findings. Social Development, 9, 115–125.CrossRefGoogle Scholar
  17. Bronfenbrenner, U., & Morris, P. (1998). The ecology of developmental processes. In W. Damon (Ed.), Handbook of child psychology (pp. 993–1027). New York: Wiley.Google Scholar
  18. Cassarino-Perez, L., Córdova, V. E., Montserrat, C., & Sarriera, J. C. (2018). Transição entre o acolhimento e a vida adulta: Uma revisão sistemática sobre intervenções. Trends in Psychology, 26(3), 1665–1681. https://doi.org/10.9788/tp2018.3-19pt
  19. Cecconello, A. M., & Koller, S. H. (2003). Inserção ecológica na comunidade: uma proposta metodológica para o estudo de famílias em situação de risco. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16, 515–524.Google Scholar
  20. Courtney, M. E. (1995). Reentry to foster care of children returned to their families. Social Service Review, 69(2), 226–241.CrossRefGoogle Scholar
  21. Courtney, M., & Wong, Y. (1996). Comparing the timing of exits from substitute care. Children and Youth Services Review, 18, 307–334.CrossRefGoogle Scholar
  22. Davis, I., Landsverk, J., Newton, R., & Ganger, W. (1996). Parental visiting and foster care reunification. Children and Youth Services Review, 18(4/5), 363–382.CrossRefGoogle Scholar
  23. Eamon, M., & Kopels, S. (2004). “For reasons of poverty”: Court challenges to child welfare practices and mandated programs. Children and Youth Services Review, 26, 821–836.CrossRefGoogle Scholar
  24. Ferrari, M., & Kaloustian, S. M. (1994). Introdução. In S. M. Kaloustian (Ed.), Família brasileira: A base de tudo (pp. 11–15). Brasília, DF: UNICEF.Google Scholar
  25. Festinger, T. (1996). Going home and returning to foster care. Children and Youth Services Review, 18, 383–402.CrossRefGoogle Scholar
  26. Fonseca, C. (1987). O internato do pobre: Febem e a organização doméstica em um grupo porto-alegrense de baixa renda. Temas IMESC, Sociedade, Direito, Saúde, 4, 21–39.Google Scholar
  27. Frizzo, K. R. (2008). Diario de campo. In E. Saforcada & J. C. Sarriera (Eds.), Enfoques conceptuales y técnicos en psicología comunitária (pp. 165–172). Buenos Aires: Paidós.Google Scholar
  28. Grusec, J. E., & Lytton, H. (1988). Social development: History, theory and research. New York: Springer.CrossRefGoogle Scholar
  29. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2016). Estatística do registro civil. Rio de Janeiro: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.Google Scholar
  30. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (2017). Retrato das desigualdades de gênero e raça. Brasília: Ipea.Google Scholar
  31. Landy, S., & Munro, S. (1998). Shared parenting: Assessing the success of a foster parent program aimed at family reunification. Child Abuse & Neglect, 22, 305–318.CrossRefGoogle Scholar
  32. Leite, M. M. (1997). A infância no século XIX segundo memórias e livros de viagem. In M. Freitas (Ed.), História social da infância no Brasil (pp. 17–50). São Paulo: Cortez.Google Scholar
  33. Lemos, S. C. A., Gechele, H. H. L., & Andrade, J. V. (2017). Os vínculos afetivos no contexto de acolhimento institucional: Um estudo de campo. Psicologia: Teoria & Pesquisa, 33(1), 1–10.Google Scholar
  34. Lopes, W. O., Saupe, R., & Massaroli, A. (2008). Visita domiciliar: Tecnologia para o cuidado, o ensino e a pesquisa. Ciência, Cuidado e Saúde, 7(2), 241–247.CrossRefGoogle Scholar
  35. Maluccio, A. (2000). What works in family reunification. In M. P. Kluger, G. Alexander, & P. A. Curtis (Eds.), What works in child welfare (pp. 11–24). Washington, DC: CWLA Press.Google Scholar
  36. Maluccio, A., Abramczyk, L., & Thomlison, B. (1996). Family reunification of children in out-of-home care: Research perspectives. Children and Youth Services Review, 18, 287–305.CrossRefGoogle Scholar
  37. Maluccio, A. N., & Ainsworth, F. (2003). Drug use by parents: A challenge for family reunification practice. Children and Youth Services Review, 25(7), 511–533.CrossRefGoogle Scholar
  38. Maluccio, A. N., Fein, E., & Davis, I. (1994). Family reunification: Research findings, issues and directions. Child Welfare League of America, 73(5), 489–504.Google Scholar
  39. Maluccio, A. N., Warsh, R., & Pine, B. (1993). Rethinking family reunification after foster care. Community Alternatives: International Journal of Family Care, 5(2), 1–17.Google Scholar
  40. Marcilio, M. L. (1997). A roda dos expostos e a criança abandonada na história do Brasil: 1726-1950. In M. Freitas (Ed.), História social da infância no Brasil (pp. 51–76). São Paulo: Cortez.Google Scholar
  41. Marsh, J. C., Ryan, J. P., Choi, S., & Testa, M. F. (2006). Integrated services for families with multiple problems: Obstacles to family reunification. Children and Youth Services Review, 28, 1074–1087.CrossRefGoogle Scholar
  42. Masten, A., & Garmezy, N. (1985). Risk, vulnerability and protective in developmental psychopathology. In B. Lahey & A. Kazdin (Eds.), Advances in clinical child psychology (pp. 1–52). New York: Plenum Press.Google Scholar
  43. Morais, N. A., & Koller, S. H. (2004). Abordagem ecológica do desenvolvimento humano, psicologia positiva e resiliência: Ênfase na saúde. In S. Koller (Ed.), Ecologia do desenvolvimento humano: Pesquisa e intervenções no Brasil (pp. 91–107). São Paulo: Casa do Psicólogo.Google Scholar
  44. Oliveira, R. C. (2006). A história começa a ser revelada: Panorama atual do abrigamento no Brasil. In M. V. Baptista (Ed.), Abrigo: Comunidade de acolhida e socioeducação (pp. 39–51). São Paulo: Instituto Camargo Corrêa.Google Scholar
  45. Patias, N. D., Siqueira, A. C., & Dell’Aglio, D. D. (2017). Social images of institutionalized children and their families. Psicologia & Sociedade, 29, e131636. https://doi.org/10.1590/1807-0310/2017v29131636
  46. Pine, B., Spath, R., & Gosteli, S. (2005). Defining and achieving family reunification. In G. P. Mallon & P. M. Hess (Eds.), Child welfare for the twenty-first century: A handbook of practices, policies, and programs (pp. 378–391). New York: Columbia University Press.Google Scholar
  47. Pine, B., Warsh, R., & Maluccio, A. N. (1993). Together again: Family reunification in foster care. Washington, DC: Child Welfare League of America.Google Scholar
  48. Prada, C. G., Williams, L. C. A., & Weber, L. N. D. (2007). Abrigos para crianças vítimas de violência doméstica: funcionamento relatado pelas crianças e pelos dirigentes. Psicologia: Teoria e Prática, 9(2), 14–25.Google Scholar
  49. Prati, L. E., et al. (2008). Revisando a inserção ecológica: Uma proposta de sistematização. Psicologia: Reflexão e Crítica, 21(1), 160–169.Google Scholar
  50. Rizzini, I., & Rizzini, I. (2004). A institucionalização de crianças no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio.Google Scholar
  51. Rizzini, I., Rizzini, I., Naiff, L., & Baptista, R. (2006). Acolhendo crianças e adolescentes: Experiências de promoção do direito à convivência familiar e comunitária no Brasil. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNICEF; CIESPI; Rio de Janeiro, RJ: PUC-Rio Ed.Google Scholar
  52. Rocha, K. B., Boeckel, M. G., & Moreira, M. C. (2008). La entrevista y la visita domiciliaria em la práctica del psicólogo comunitario. In E. Saforcada & J. C. Sarriera (Eds.), Enfoques conceptuales y técnicos en psicología comunitária (pp. 189–198). Buenos Aires: Paidós.Google Scholar
  53. Rodrigues, A. L., Gava, L. L., Sarriera, J. C., & Dell’Aglio, D. D. (2014). Percepção de preconceito e autoestima entre adolescentes em contexto familiar e em situação de acolhimento institucional. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 14(2), 389–407.Google Scholar
  54. Rosa, E. M., Nascimento, C. R., Matos, J. R., & Santos, J. (2012). O processo de desligamento de adolescentes em acolhimento institucional. Estudos de Psicologia, 17(3), 361–368.CrossRefGoogle Scholar
  55. Rosa, E. M., Santos, A. P., & Souza, C. R. (2010). Contextos ecológicos em uma instituição de acolhimento para crianças. Estudos de Psicologia, 15(3), 233–241.CrossRefGoogle Scholar
  56. Rossetti-Ferreira, M. C., et al. (2012). Acolhimento de crianças e adolescentes em situações de abandono, violência e rupturas. Psicologia: Reflexão e Crítica, 25(2), 390–399.Google Scholar
  57. Santana, J. P. (2003). Instituições de atendimento a crianças e adolescentes em situação de rua: objetivos atribuídos por seus dirigentes e pelos jovens atendidos. Dissertação de Mestrado não publicada, Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS.Google Scholar
  58. Saraiva, J. E. M. (2002). Contextualizando a problemática. In T. dos Homens (Ed.), Cuidar de quem cuida: reintegração familiar de crianças e adolescentes em situação de rua (pp. 7–12). Rio de Janeiro: Booklink Publicações.Google Scholar
  59. Seifer, R., Sameroff, A., Baldwin, C., & Baldwin, A. (1992). Child and family factors that ameliorate risk between 4 and 13 years of age. Journal of American Academic of Child and Adolescent Psychiatry, 31, 893–903.CrossRefGoogle Scholar
  60. Silva, E. R. (2004). O direito à convivência familiar e comunitária: Os abrigos para crianças e adolescentes no Brasil. Brasília: IPEA/Conanda.Google Scholar
  61. Silva, M. R., & Nunes, K. S. (2004). Avaliação e diagnóstico do processo de reinserção familiar e social de crianças e adolescentes egressos de uma casa de passagem. Cogitare Enfermagem, 9, 42–49.Google Scholar
  62. Siqueira, A. C. (2006). Instituição de abrigo, família e redes de apoio social e afetivo em transições ecológicas na adolescência. Dissertação de Mestrado não publicada, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, UFRGS, Porto Alegre.Google Scholar
  63. Siqueira, A. C. (2009). Crianças, adolescentes e transições ecológicas: Instituições de abrigo e família como contextos de desenvolvimento. Tese de Doutorado não publicada, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, UFRGS, Porto Alegre.Google Scholar
  64. Siqueira, A. C. (2012). A garantia ao direito à convivência familiar e comunitária em foco. Estudos de Psicologia, 29(3), 437–444.CrossRefGoogle Scholar
  65. Siqueira, A. C., & Dell’Aglio, D. D. (2006). O impacto da institucionalização na infância e na adolescência: Uma revisão de literatura. Psicologia & Sociedade, 18(2), 71–80.CrossRefGoogle Scholar
  66. Siqueira, A. C., & Dell’Aglio, D. D. (2007). Retornando à família de origem: Fatores de risco e proteção no processo de reinserção familiar de uma adolescente institucionalizada. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 17(3), 134–146.Google Scholar
  67. Siqueira, A. C., Morais, N. A., Dell’Aglio, D. D., & Koller, S. H. (2010). Experiência das casas lares: Uma alternativa possível para crianças e adolescentes em situação de rua. In N. A. Morais, L. Neiva-Silva, & S. H. Koller (Eds.), Endereço desconhecido: Crianças e adolescentes em situação de rua. Porto Alegre: Casa do Psicólogo.Google Scholar
  68. Siqueira, A. C., Zoltowski, A. P., Giordani, J. P., Otero, T. M., & Dell’Aglio, D. D. (2010). Processo de reinserção familiar: Estudo de casos de adolescentes que viveram em instituição de abrigo. Estudos em Psicologia (Natal), 15, 7–15.CrossRefGoogle Scholar
  69. Warsh, R., & Pine, B. (2000). What works in parent-child visiting programs. In M. P. Kluger, G. Alexander, & P. A. Curtis (Eds.), What works in child welfare (pp. 171–176). Washington, DC: Child Welfare League of America Press.Google Scholar
  70. Wells, K., & Guo, S. (1999). Reunification and reentry of foster children. Children and Youth Services Review, 21, 273–294.CrossRefGoogle Scholar
  71. Yunes, M. A. M., Garcia, N. M., & Albuquerque, M. A. (2008). Monoparentalidade, pobreza e resiliência: Entre as crenças dos profissionais e as possibilidades de convivência familiar. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20(3), 444–453.Google Scholar
  72. Yunes, M. A. M., Miranda, A. T., & Cuello, S. S. (2004). Um olhar ecológico para os riscos e as oportunidades de desenvolvimento de crianças e adolescentes institucionalizados. In S. H. Koller (Ed.), Ecologia do desenvolvimento humano: Pesquisa e intervenções no Brasil (pp. 197–218). São Paulo: Casa do Psicólogo.Google Scholar

Copyright information

© Springer Nature Switzerland AG 2019

Authors and Affiliations

  • Aline Cardoso Siqueira
    • 1
    • 2
  • Débora Dalbosco Dell’Aglio
    • 1
    • 2
  1. 1.Universidade Federal de Santa MariaSanta MariaBrazil
  2. 2.Universidade Federal do Rio Grande do SulPorto AlegreBrazil

Personalised recommendations