Advertisement

The “Grapes Country”: Portuguese Viticulture from the Early Nineteenth Century Until the New Millennium

  • Conceição Andrade Martins
  • Ana Cardoso de Matos
Chapter
Part of the Palgrave Studies in Economic History book series (PEHS)

Abstract

In the wine branch, the process of merging began later than in the beverage industry and its aim was to deal with both the concentration in the distribution and retail sector and the growing globalization of the wine industry. In Port wine sector, mergers and acquisitions grew importance in the early 1960s, when Harvey’s (Allied Domecq) bought Cockburn and Martinez Gassiot (1961) and Sandeman acquired Offley Forrester (1962). Until the 1960s the commercialization structures of those firms changed slowly comparatively to what happened in other segments of alcoholic beverages. This explains their subsequent vulnerability to the competition of the great beverage firms and of international distribution. In this context many Port wine companies were integrated in multinational groups, or established partnerships or alliances with other companies, and only a few kept up its independence. To face the challenges of globalization, in 1992 seven of the ten largest Portuguese wine companies joined as a task force to promote internationally their wines.

Keywords

Porto Portuguese viticulture Wine multinational companies 

References

Books

  1. Alves, Á. da M. (1943). Subsídios para a História do vinho na cidade do Porto, Porto.Google Scholar
  2. Breve Notícia. (1874). Breve notizia da Viticultura Portugueza ou Resumo dos esclarecimentos indispensáveis para se avaliar a colecção dos vinhos de Portugal apresentados na Exposição Internacional de 1874 em Londres. Lisboa: Imprensa Nacional.Google Scholar
  3. Capela, J.V. (1984). Produção e Comércio do Vinho dos Arcos 1750–1850. Alguns Dados e Problemas, Arcos de Valdevez, Braga: Gráfica da Editora Correio do Minho.Google Scholar
  4. Castro, D. Luís de. (1908). Alguns aspectos económicos do projecto vinícola. Lisboa: Separata da Revista Agronómica.Google Scholar
  5. Coelho, M.H. (1977). O Mosteiro de Arouca do século X ao XII, Coimbra.Google Scholar
  6. Coelho, M.H. (1983). O Baixo Mondego nos finais da Idade Média, Coimbra.Google Scholar
  7. Costa, C.A. da. (1842). Estatística da Produção dos Vinhos em Portugal no Anno de 1840, Extrahida do Arrolamento do Subsidio Litterario do Mesmo Anno, e a Sua Relação Com a Instrucção Primaria do Reino, Lisboa.Google Scholar
  8. Forrester, J.J. (1844). Uma ou duas palavras sobre vinho do Porto: dirigidas ao publico britannico em geral, e com especialidade aos particulares: mostrando como, e porque he adulterado, e apontando alguns meios de se conhecerem as adulterações. Porto: Typographia Commercial Portuense.Google Scholar
  9. Forrester, J.J. (1850). A Short Treatise on the unequal and disproportionate imposts levied on Port-Wine, shipped from Oporto to Great-Britain; compared with the imposts levied on wines, of the same character, shipped to America and other countries, London.Google Scholar
  10. Forrester, J.J. (1859). Provas de verdade contra provas de vigho. Porto: Typographia Commercial Portuense.Google Scholar
  11. Francis, A.D. (1972). The Wine Trade, London.Google Scholar
  12. Lains, P. (1990). A Evolução da Agricultura e da Indústria em Portugal (1850–1913). Uma Interpretação Quantitativa. Lisboa: Banco de Portugal.Google Scholar
  13. Lains, P. (2003). Os Progressos do Atraso. Uma Nova História Económica de Portugal, 1842–1992. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.Google Scholar
  14. Lencastre, J. de. (1953). A vitivinicultura através de alguns documentos medievais de arquivos portugueses (secs IX a XX). Subsídios para um estudo, Porto.Google Scholar
  15. Leónidas, V.R. de P. (1971). As Cooperativas e o Fomento da Vitivinicultura, Lisboa.Google Scholar
  16. Lobo, A. de S.S.C. (1903). História da Sociedade em Portugal no Século XV, secção I. Lisboa: Imprensa Nacional.Google Scholar
  17. Martins, C.A. (1990). Memória do Vinho do Porto. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.Google Scholar
  18. Martins, C.A. (1998), Vinha, Vinho e Política Vinícola em Portugal do Pombalismo à Regeneração, vol. I, Chapter 3, pp. 100–150, Évora.Google Scholar
  19. Martins, C.A., & Monteiro, N.G. (Eds.). (2002). A Agricultura, vol III de História do Trabalho e das Ocupações. Oeiras: Celta.Google Scholar
  20. Menezes, A.C. de. (1891). 5ª Região Agronómica. Viseu: Typographia da Folha.Google Scholar
  21. Pereira, G.M. (1990). O Douro. O Vinho, a Vinha e a Região. De Pombal a João Franco. Porto: CENPA.Google Scholar
  22. Pereira, G.M. (2003). Sogrape uma história vivida. Campo das Letras.Google Scholar
  23. Pereira, G.M., & Ollazabel, M.L.N. de A. de. (1996). Dona Antónia. s.l.: Edições Asa.Google Scholar
  24. Pery, G. (1875). Geographia e Estatística Geral de Portugal e Colónias, Lisboa.Google Scholar
  25. Rasteiro Júnior, J. (1892). Esboço de uma Memória Sobre a Economia Agrícola da 4ª região Agronómica. Lisboa: Typographia e Stereotypia Moderna.Google Scholar
  26. Shillington, V.M., & Chapman, A.B.W. (1988). The Commercial relations of England and Portugal. London: s/d.Google Scholar
  27. Silva, M.J.B. (1994). Esgueira. A vida de uma aldeia do século XV, Cascais.Google Scholar
  28. Soares, R. de M. (1873). Relatório da Direcção-Geral de Comércio e Indústria àcerca dos Serviços dependentes da Repartição de Agricultura desde a sua fundação até 1870, Lisboa.Google Scholar
  29. Soares, R. de M. (1874). Breve Notícia da Viticultura Portugueza ou Resumo dos esclarecimentos indispensaveis para se avaliar a collecção dos vinhos de Portugal apresentados na Exposição Internacional de 1874 em Londres. Lisboa: Imprensa Nacional.Google Scholar
  30. Soares, R. de M. (1878). Mémoire sur les vins du Portugal. Lisbonne: Imprimerie Nationale.Google Scholar
  31. Sousa, F. de. (2006). A Real Companhia Velha. Companhia Gerald a Agricultura das Vinhas do Alto Douro (1756–2006). Porto: CEPESE.Google Scholar
  32. Teresa, T.S. (2000). Brands, Mergers and Acquisitions in the Alcoholic Beverages Industry, Working Paper, The University of Reading.Google Scholar
  33. Villa Maior. (1868). Relatorio sobre a Classe LXXIII da Exposição Internacional de 1867, Lisboa.Google Scholar

Paper in Journals

  1. Barreto, A. (1988). O vinho do Porto e a intervenção do Estado. Análise Social, nº 100, 1º.Google Scholar
  2. Barros, A.J.M. (2003). Tombo do mosteiro de Ancede (séc XIV). Douro—Estudos & Documentos, vol. 16, pp. 217–308.Google Scholar
  3. Brito, E. De. (1889). A propósito da crise vinícola. Memória apresentada ás commissões de fazenda e de agricultura, pelo deputado Elvino de Brito. Boletim da DGA, nº6, pp. 450–469.Google Scholar
  4. Carvalho, A. M. Lopes de. (1890–1891). Portugal Agrícola, p. 229.Google Scholar
  5. Durand, R. (1972). La vigne et le vin dans le bassin du Mondego au Moyen Age (XII-XIIIe siécles). Arquivos do Centro Cultural Português, vol. V, pp. 13–37.Google Scholar
  6. Gonçalves, I. (1987). Entre o campo e a cidade na segunda metade do século XIV. Estudos Medievais, pp. 73–97.Google Scholar
  7. Lopes, T. (2001). A evolução das estruturas internacionais de comercialização do vinho do Porto no século XX. Revista de História Económica e Social, nº 1, pp. 91–132.Google Scholar
  8. Lopes, T.S. (1998). Internacionalização e concentração no vinho do Porto: 1945–1995: uma abordagem pelos custos de transacção. Cadernos da revista Douro. Estudos & documentos, nº 3.Google Scholar
  9. Martins, C.A. (1991). A filoxera na viticultura nacional. Análise Social, nº 112–113, pp. 653–688.Google Scholar
  10. Martins, C.A. (1992). Opções económicas e influência política de uma família burguesa oitocentista: o caso de São Romão e José Maria dos Santos. Análise Social, 116–117, pp. 367–404.Google Scholar
  11. Rodriguez, J.I. de la T. (1997). A viticultura nos mosteiros cistercienses do vale do Douro português (séculos XII–XIII). Douro—Estudos & Documentos, vol. 3, pp. 17–28.Google Scholar
  12. Santana, M.O.R. (2003). Da vinha e do vinho na documentação foraleira manuelina do vale do Douro. Douro—Estudos & Documentos, vol. 15, pp. 11–24.Google Scholar
  13. Trindade, M.J.L. (1974). A utilização agrária do solo em torno de Lisboa na Idade Média. Boletim Cultural da Junta Distrital de Lisboa, nº 39–40, pp. 3–10.Google Scholar

Paper in Books

  1. Castro, A. De. (1971). Balança Comercial. In Serrão, Joel (Ed.), Dicionário de História de Portugal, vol. I, Lisboa, pp. 274–276.Google Scholar
  2. Madureira, N.L.M., & Matos, A.C. de. (2005). A tecnologia. In Lains, P. & Silva, Á.F. da (Eds.), História Económica de Portugal, 1700–2000, vol. II, O Século XIX, Lisboa, Imprensa de Ciências Sociais, pp. 189–218.Google Scholar
  3. Martins, C.A. (2000). Survival and renewal of Portuguese family wine firms in front of internationalisation, 1820–1999, Fourth Convention of the European Business History Association, EBHA, Bordeaux, pp. 35–54.Google Scholar
  4. Martins, C.A. (2003). O Tratado de Methuen e o crescimento do comércio vinícola português na primeira metade de Setecentos. In José, L.C., & al. (Eds.), O Tratado de Methuen (1703) diplomacia, guerra, política e economia, Lisbon, Livros Horizonte, pp. 111–130.Google Scholar
  5. Matos, A.C. de. (2013). Matemático por formação, químico por paixão: Júlio Máximo de Oliveira Pimentel, um “politécnico” no Portugal Oitocentista. In Pina, A.M., Maurício, C., & Vaz, M.J. (Eds.), Metamorfoses da Cultura, estudos em homenagem a Maria Carlos Radich, Lisboa, CEHC-IUL, pp. 165–189.Google Scholar
  6. Matos, A.C. de, & Martins, C.A. (2003). As primeiras universais e a internacionalização da economia portuguesa na segunda metade do século XIX, papper to the XXIII Encontro da APHES, Coimbra.Google Scholar

Copyright information

© The Author(s) 2019

Authors and Affiliations

  • Conceição Andrade Martins
    • 1
  • Ana Cardoso de Matos
    • 2
  1. 1.Institute of Social Sciences, University of LisbonLisbonPortugal
  2. 2.University of Évora-CIDEHUSÉvoraPortugal

Personalised recommendations