Advertisement

Social Support as a Way of Coping with Poverty

  • Lorena Brito da Silva
  • Maria Zelfa de Souza Feitosa
  • Bárbara Barbosa Nepomuceno
  • Alexsandra Maria Sousa Silva
  • Verônica Morais Ximenes
  • Zulmira Áurea Cruz Bomfim
Chapter

Abstract

The authors seek to analyze the concept of social support and problematize how it can contribute to the ways of tackling poverty. This struggle expresses a multiple and, especially, relational perspective of the historical and daily constructions of strategies and arrangements by the individuals and their collectives. Thus, it is questioned how social support contributes to the expansion of cognitive, behavioral, and affective responses created to deal with the daily oppressions experienced by subjects in poverty. Poverty is analyzed from a multidimensional perspective, and its coping refers to a daily policy consisting of subjects from a relational and collective action. The authors discuss the social support as potent to the promotion of health and improvement of well-being. They highlight four main sources of support: family, religious, community, and institutional.

Keywords

Coping Social support Poverty Oppression 

References

  1. Abramovay, M., Castro, M. G., Pinheiro, L. C., Lima, F. S., & Martinelli, C. C. (2002). Juventude, Violência e Vulnerabilidade Social na América Latina: Desafios para Políticas Públicas. Brasília, Brazil: UNESCO.Google Scholar
  2. Accorssi, A. (2011). Materializações do pensamento social sobre a pobreza. Porto Alegre. 184p. Tese (Doutorado), Faculdade de Psicologia, Pós-Graduação em Psicologia Social, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.Google Scholar
  3. Accorssi, A., Scarparo, H. B., & Guareschi, P. A. (2012). O conceito de pobreza: Uma reflexão sobre os interesses do conhecimento. Psicologia Argumento, Curitiba, 30(71), 651–658.CrossRefGoogle Scholar
  4. Andrade, G. R. B., & Vaitsman, J. (2002). Apoio social e redes: conectando solidariedade e saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 7(4), 925–934.CrossRefGoogle Scholar
  5. Baptista, M. N. (2005). Desenvolvimento do Inventário de Percepção de Suporte Familiar (IPSF): estudos. Psico-USF, Porto Alegre, 10(1), 11–19.CrossRefGoogle Scholar
  6. Barros, S. C. M., & Dimenstein, M. (2010). Apoio institucional como dispositivo de reordenamento dos processos de trabalho na atenção básica. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, 10(1), 48–61.Google Scholar
  7. Bomfim, Z. A. C., Alencar, H. F., Santos, W. S., & Silveira, S. S. (2013). Estima de lugar e Indicadores Afetivos: Aportes da Psicologia ambiental e Social para a Compreensão da Vulnerabilidade Social Juvenil em Fortaleza. In V. F. Colaço & A. C. F. Cordeiro (Eds.), Adolescência e Juventude: Conhecer para Proteger. São Paulo, Brazil: Casa do Psicólogo.Google Scholar
  8. Braga, I. F. (2011). Adolescência e maternidade: analisando a rede social e o apoio social. Ribeirão Preto, Brazil. 157p. Dissertação (Mestrado em Enfermagem), Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Programa de Pós-graduação em Enfermagem em Saúde Pública, Universidade de São Paulo.Google Scholar
  9. Cidade, E. C. (2012). Juventude em condições de pobreza: modos de vida e fatalismo. Fortaleza, Brazil. 163p. Dissertação (Mestrado em Psicologia), Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Ceará.Google Scholar
  10. Cidade, E. V., Moura Jr., J. F., & Ximenes, V. M. (2012). Implicações psicológicas da pobreza na vida do povo latino-americanolatinoamericano. Psicologia Argumento, Curitiba, 30(68), 87–98.CrossRefGoogle Scholar
  11. Codes, A. L. M. (2008). A trajetória do pensamento científico sobre a pobreza: em direção a uma visão complexa. In Texto para discussão. Brasília, Brazil: IPEA.Google Scholar
  12. Demo, P. (2005). Dureza: pobreza política de mulheres pobres. Campinas, Brazil: Autores Associados.Google Scholar
  13. Dessen, M. A., & Polonia, A. C. (2007). A Família e a Escola como contextos de desenvolvimento humano. Paidéia, 17(36), 21–32.CrossRefGoogle Scholar
  14. Dimenstein, M., Lima, E. B., Moura, A., Brito, M., Cardoso, R., & Medeiros, V. (2005). Bases de apoio familiares e comunitárias como estratégia de enfrentamento à violência. Psico, 36(1), 55–63.Google Scholar
  15. Faria, J. B., & Seidl, E. M. F. (2005). Religiosidade e enfrentamento em contextos de saúde e doença: Revisão de literatura. Psicologia: Reflexão e Crítica, 18(3), 381–389.Google Scholar
  16. Faria, J. B., & Seidl, E. M. F. (2006). Religiosidade, enfrentamento e bem-estar subjetivo em pessoas vivendo com HIV/AIDS. Psicologia em Estudo, 11(1), 155–164.CrossRefGoogle Scholar
  17. Fleck, M. P. A., Borgesb, Z. N., Bolognesia, G., & Rocha, N. S. (2003). Desenvolvimento do WHOQOL, módulo espiritualidade, religiosidade e crenças pessoais. Rev. Saúde Pública, 37(4), 446–455.CrossRefGoogle Scholar
  18. Freire, P. (1979). Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo, Brazil: Cortez & Moraes.Google Scholar
  19. Góis, C. W. D. L. (2003). Psicologia Comunitária no Ceará: uma caminhada. Fortaleza, Brazil: Publicações Instituto Paulo Freire de Estudos Psicossociais.Google Scholar
  20. Góis, C. W. D. L. (2012). Psicologia clínico-comunitária. Fortaleza, Brazil: Banco do Nordeste.Google Scholar
  21. Gomes, M. A., & Pereira, M. L. D. (2005). Família em situação de vulnerabilidade social: uma questão de políticas públicas. Ciência e Saúde Coletiva, 10(2), 357–363.CrossRefGoogle Scholar
  22. Griep, R. H. (2003). Confiabilidade e Validade de Instrumentos de Medida de Rede Social e de Apoio Social Utilizados no Estudo Pró-Saúde. Rio de Janeiro. 177 p177p. Tese de (Doutorado em Saúde Pública.). Ministério da Saúde, Brazil. Escola Nacional de Saúde Pública., Fundação Oswaldo Cruz.Google Scholar
  23. Guzzo, R. S. L., & Lacerda Jr., F. (2007). Fortalecimento em tempo de sofrimento: reflexões sobre o trabalho do psicólogo e a realidade brasileira. Interamerican Journal of Psychology, 41(2), 231–240.Google Scholar
  24. Hennezel, M., & Leloup, J. (2005). A arte de morrer: tradições religiosas e espiritualidade humanista diante da morte na atualidade (8ª8ath ed.). Petrópolis, Brazil: Vozes.Google Scholar
  25. Lima, A. F. C., & Gualda, D. M. R. (2001). História oral de vida: Buscando o significado da hemodiálise para o paciente renal crônico. Revista Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, 35(3), 235–241.CrossRefGoogle Scholar
  26. Maradola Jr., E., & Hogan, D. J. (2009). Vulnerabilidade do lugar vs. Vulnerabilidade sociodemográfica: implicações metodológicas de uma velha questão. Revista Brasileira de Estudos de População, 26(2), 161–181.Google Scholar
  27. Martín-Baró, I. (1998). Psicología de la liberación. Madrid, Spain: Trotta.Google Scholar
  28. Mathew, L. (2010). Coping with shame of poverty: Analysis of farmers in distress. Psychology and Developing Societies, 22(2), 385–407.CrossRefGoogle Scholar
  29. Montero, M. (2004). Introducción a la Psicología Comunitaria: desarrollo, conceptos y procesos. Buenos Aires, Argentina: Editorial Paidós.Google Scholar
  30. Morais, N. A., Koller, S. H., & Raffaelli, M. (2012). Rede de apoio, eventos estressores e mau ajustamento na vida de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. Universitas Psychoogica, 11(3), 779–791.Google Scholar
  31. Paula, L. R. C. (2010). As significações sobre o Programa Bolsa Família: um estudo com mulheres acompanhadas por Centro de Referência dade Assistência Social de Fortaleza. Fortaleza, Brazil. 155p. Dissertação (Mestrado). Programação de Pós-Graduação de Psicologia da Universidade Federal do Ceará – UFC.Google Scholar
  32. Ribeiro, L. C. Q. (2010). Desigualdades de oportunidades e segregação residencial: a metropolização da questão social no Brasil. Caderno CRH, 23(59), 221–233.CrossRefGoogle Scholar
  33. Santos, W. S., Gouveia, V. V., Guerra, V. M., Coutinho, M. L., & Fernandes, D. P. (2012). Índice de Compromisso Religioso (ICR): Elaboração e Evidências Psicométricas. Psicologia: Reflexão e Crítica, 25(3), 523–531.Google Scholar
  34. Sarason, S. (1974). The psychological sense of community: Prospects for a community psychology. San Francisco: Jossey-Bass.Google Scholar
  35. Sawaia, B. B. (2009). Psicologia e desigualdade social: uma reflexão sobre liberdade e transformação social. Psicologia & Sociedade, 21(3), 364–372.CrossRefGoogle Scholar
  36. Sawaia, B. B. (2011). O sofrimento ético-político como categoria de análise da dialética exclusão/inclusão. In B.B. Sawaia (Org.), As Artimanhas da exclusão: análise psicossocial e ética da desigualdade social. (11th ed., pp. 99–119). Petrópolis, Brazil: Vozes.Google Scholar
  37. Sen, A. (2010). Desenvolvimento como liberdade. São Paulo, Brazil: Companhia das Letras: São Paulo.Google Scholar
  38. Silva, M. R. S., Lacharité, C., Silva, P. A., Lunardi, V. L., & Lunardi Filho, W. D. (2009). Processos que sustentam a resiliência familiar: um estudo de caso. Texto & Contexto Enfermagem, 18(1), 92–999.CrossRefGoogle Scholar
  39. Stroppa, A., & Moreira-Almeida, A. (2008). Religiosidade e saúde. In M. I. Salgado & G. Freire (Orgs.), Saúde e Espiritualidade: uma nova visão da medicina (pp. 427–443). Belo Horizonte, Brazil: Inede.Google Scholar
  40. Torossian, S. D., & Rivero, N. E. (2009). Políticas públicas e modos de viver a produção de sentidos sobre a vulnerabilidade. In L. R. da Cruz & N. Guareschi (Eds.), Políticas Públicas de Assistência Social– Diálogo com as práticas psicológicas (pp. 56–70). Petrópolis, Brazil: Vozes.Google Scholar
  41. Valla, V. V. (1999). Educação popular, saúde comunitária e apoio social numa conjuntura de globalização. Cadernos de Saúde Pública, 15(2), 7–14.CrossRefGoogle Scholar
  42. Valla, V. V. (2002). Pobreza, emoção e saúde: uma discussão sobre pentecostalismo e saúde no Brasil. Revista Brasileira de Educação, jan./fev./mar./abr., 19, 63–75.CrossRefGoogle Scholar
  43. Valla, V. V. (2005). In V. V. Valla, E. N. Stotz, & E. B. Algebaile (Eds.),. Para compreender a pobreza no Brasil Globalização, a questão social e a nova pobreza. Rio de Janeiro, Brazil: Contraponto: Escola Nacional de Saúde Pública.Google Scholar
  44. Wisner, B. (1998). Marginality and vulnerability: Why the homeless of Tokyo don’t ‘count’ in disaster preparations. Applied Geography, 18(1), 25–33.CrossRefGoogle Scholar
  45. Witter, G. P. (2007). Religiosidade: 43 anos de história de um exercício de pesquisa. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 11(1), 139–163.Google Scholar
  46. Ximenes, V. M., & Góis, C. W. L. (2010). Psicologia Comunitária: uma práxis libertadora latino-americana. In R. Guzzo & F. Lacerda Jr. (Eds.), Psicologia e Sociedade: interfaces no debate da questão social (pp. 45–64). Campinas, Brazil: Alínea Editora.Google Scholar

Copyright information

© Springer Nature Switzerland AG 2019

Authors and Affiliations

  • Lorena Brito da Silva
    • 1
  • Maria Zelfa de Souza Feitosa
    • 1
  • Bárbara Barbosa Nepomuceno
    • 2
  • Alexsandra Maria Sousa Silva
    • 3
  • Verônica Morais Ximenes
    • 4
  • Zulmira Áurea Cruz Bomfim
    • 1
  1. 1.Universidade Federal do CearáFortalezaBrazil
  2. 2.Department of PsychologyFederal University of Ceará (UFC) and Ari de Sá FacultyFortalezaBrazil
  3. 3.Faculdade Luciano FeijãoSobraBrazil
  4. 4.Department of PsychologyFederal University of Ceará (UFC)FortalezaBrazil

Personalised recommendations