Advertisement

Education and Poverty: Reflections on the Path of Inclusion of the Poor Student in Higher Education

  • Clarice Regina Catelan Ferreira
  • Marilda Gonçalves Dias Facci
Chapter

Abstract

This chapter aims to provide input for reflection on education policies regarding the entry, stay, and completion of higher education by poor students. The central problem addressed in this paper is about the current policies implemented under the justification of poverty eradication in the world, specifically about the policies of access to higher education presented as a strategy to overcome inequalities. Its proposition is justified because higher education represents a fertile ground for problematizations that can unfold in social transformation. It is expected, as results, to contribute to the knowledge of information that allows an analysis of the situation of the poor who arrive at higher education, considering that merely allowing access does not guarantee the conditions of permanence and completion of higher education. It is important to remember that the conditions of exclusion present in the daily life of a society divided into classes are also manifested in the relations of teaching and learning in this context.

Keywords

Higher education Poverty Psychology 

References

  1. Accorssi, A., Sacarparo, H., & Guareschi, P. (2012). O conceito de pobreza: Uma reflexão sobre os interesses do conhecimento. Psicologia Argumento – Curitiba, 30(71), 651–658.CrossRefGoogle Scholar
  2. Campello, T. (2013). Uma década derrubando mitos e superando expectativas. In T. Campello & M. C. Neri (Orgs.), Dez anos do Programa Bolsa Família: uma década de inclusão e cidadania (pp. 15–24). Brasília, Brazil: IPEA.Google Scholar
  3. Crespo, A. P. A., & Gurovitz, E. (2002). A pobreza como um fenômeno multidimensional. Editora: Fundação Getúlio Vargas – Escola de Administração de Empresas de São Paulo.CrossRefGoogle Scholar
  4. Decreto n° 5.209, de 17 de setembro de 2004. (2004, 17 setembro). Regulamenta a Lei no 10.836, de 9 de janeiro de 2004, que cria o Programa Bolsa Família, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF.Google Scholar
  5. Decreto n° 7.492, de 2 de junho de 2011. (2011, 2 junho). Institui o Plano Brasil Sem Miséria. Brasília, DF. Recuperado em 16 de março de 2019, de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/2011/decreto-7492-2-junho-2011-611122-normaatualizada-pe.pdf
  6. Estanislau, M. A., & Ximenes, V. M. (2016). Vivências de humilhação e vergonha: uma análise psicossocial em contexto de pobreza. In V. M. Ximenes et al. (Orgs.), Implicações psicossociais da pobreza: diversidades e resistências (pp. 121–148). Fortaleza, Brazil: Expressão Gráfica e Editora.Google Scholar
  7. Facci, M. G. D. (2009). A intervenção do psicólogo na formação de professores: contribuições da psicologia histórico-cultural. In C. J. Marinho-Araújo (Org.), Psicologia escolar: novos cenários e contextos de pesquisa, formação e prática (pp. 107–131). Campinas, SP: Alínea.Google Scholar
  8. Ferreira, J. M. d. G., & de Souza, G. P. (2018). Reflexões acerca do movimento ‘Escola sem Partido’ inspiradas pelas teorias de Paulo Freire e Pierre Bourdieu. Revista Educação e Emancipação, São Luís, 11(2), 34–59.CrossRefGoogle Scholar
  9. Galetto, A. A. K., & Mendes, A. M. C. P. (2014). Pobreza, inclusão e educação superior: PROUNI. Caderno de Iniciação Científica - Curitiba, 1, 121–126.Google Scholar
  10. Gois, C. W. L. (2008). Saúde comunitária: pensar e fazer. São Paulo, Brazil: Aderaldo & Rothschild.Google Scholar
  11. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. (2018). Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Rio de Janeiro, Brazil: IBGE. Recuperado em 16 de março de 2019, de https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101629.pdf
  12. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira [INEP]. (2018). Indicadores Educacionais [online]. Recuperado em 16 de março de 2019, de http://portal.inep.gov.br/web/guest/indicadores-educacionais
  13. Machado, E. A. (2013). Coleção estudos afirmativos 2: ação afirmativa, reserva de vagas e cotas na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2002–2012). Rio de Janeiro, Brazil: FLACSO, GEA & LPP.Google Scholar
  14. Mészáros, I. (2011). Para além do capital: rumo a uma teoria da transição (um a. Ed. revista). (P. C. Castanheira & S. Lessa Trads.) São Paulo, Brazil: Boitempo.Google Scholar
  15. Ministério da Educação [MEC]. (2007). Reuni: Plano de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais – Diretrizes Gerais. Ministério da Educação. Brasília, DF. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/diretrizesreuni.pdf
  16. Ministério da Educação [MEC]. (2014). Relatório Educação para Todos no Brasil, 2000-2015. Ministério da Educação: Brasília, DF. 105 p. Recuperado de http://unesdoc.unesco.org/images/0023/002326/232699por.pdf
  17. Moura, F. R. (2015). A atuação do psicólogo escolar no Ensino Superior: configurações, desafios e proposições sobre o fracasso escolar (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade Estadual de Maringá, PR. Recuperado em 16 de março de 2019, de http://www.ppi.uem.br/arquivos-para-links/teses-e-dissertacoes/2015/fabricio-m
  18. Neves, C. E. N., & Martins, C. B. (2016). Ensino superior no Brasil: uma visão abrangente. In T. Dwyer et al. (Eds.), Jovens universitários em um mundo em transformação: uma pesquisa sino-brasileira (pp. 95–124). Brasília, Brazil: IPEA; Pequim: SSAP.Google Scholar
  19. Oliveira, R. P. (2000). Reformas educativas no Brasil na década de 90. In A. M. Catani & R. P. Oliveira (Orgs.), Reformas educacionais em Portugal e no Brasil (pp. 77–94). Belo Horizonte, Brazil: Autêntica.Google Scholar
  20. Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura [UNESCO]. (2001). Educação para todos: o compromisso de Dakar. Brasília, Brazil: UNESCO, CONSED, Ação Educativa.Google Scholar
  21. Saviani, D. (2003). Pedagogia Histórico-Crítica: primeiras aproximações (8a ed., pp. 11–22). Campinas, Brazil: Autores Associados.Google Scholar
  22. Saviani, D. (2005). Educação socialista, Pedagogia Histórico-Crítica e os desafios da sociedade de classe. In J. C. Lombardi & D. Saviani (Orgs.), Marxismo e Educação: debates contemporâneos. Campinas, Brazil: Autores Associados.Google Scholar
  23. Saviani, D. (2010). A educação no centro do desenvolvimento econômico. São Paulo, Brazil: Fundação Mauricio Grabois.Google Scholar
  24. Sen, A. (2010). Desenvolvimento como liberdade. São Paulo, Brazil: Companhia das Letras.Google Scholar
  25. Souza, P. H. G. F., & Osorio, R. G. (2013). O perfil da pobreza no Brasil e suas mudanças entre 2003 e 2011. In T. Campello & M. C. Neri (Orgs.), Dez anos do Programa Bolsa Família: uma década de inclusão e cidadania (pp. 139–156). Brasília, Brazil: IPEA.Google Scholar
  26. Tuleski, S. C. (2008). Vigotski: a construção de uma psicologia marxista (2a ed.). Maringá, Brazil: EDUEM.Google Scholar
  27. Vasconcelos, A. M. N. (2016). Juventude e ensino superior no Brasil. In T. Dwyer et al. (Eds.), Jovens universitários em um mundo em transformação: uma pesquisa sino-brasileira (pp. 125–141). Brasília, Brazil: IPEA. Pequim: SSAP.Google Scholar
  28. Vigotski, L. S. (2000). A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo, Brazil: Martins Fontes.Google Scholar
  29. Vygotsky, L. S. (1930). A transformação socialista do homem URSS: Varnitso. (Trad. N. Doria) [online] Marxists Internet Archieve. Recuperado em 2 de março de 2019, de http://marxistts.org.
  30. Zago, N. (2006). Do acesso à permanência no ensino superior: percursos de estudantes universitários de camadas populares. Revista Brasileira de Educação, 11(32), 226–237.CrossRefGoogle Scholar

Copyright information

© Springer Nature Switzerland AG 2019

Authors and Affiliations

  • Clarice Regina Catelan Ferreira
    • 1
  • Marilda Gonçalves Dias Facci
    • 2
  1. 1.Universidade ParanáUmuaramaBrazil
  2. 2.Universidade de MaringáMaringáBrazil

Personalised recommendations