Advertisement

Poverty and Youth: Psychosocial Implications, Ways of Life, and Coping with Daily Adversities

  • Elívia Camurça Cidade
  • Alexsandra Maria Sousa Silva
  • Verônica Morais Ximenes
Chapter

Abstract

This chapter aims to analyze the strategies for tackling poverty among young people. It presents the report of two qualitative investigations developed with young people living in poverty in the Northeast of Brazil. Poverty imposes its risks on the development of young people when it exposes them to situations of deprivation, abandonment, and aggression. They are residents of territories doubly stigmatized by poverty and violence. The categories of fatalism and protagonism are described as strategies to confront poverty, anchored in the ways of life available to poor youth. The protagonism, which must be reinvented, demonstrates the capacity of this group to choose what are their interests and needs. It is possible to point out that poor young people who renew their protagonism in their daily lives produce new meanings about their ways of life.

Keywords

Youth Poverty Coping Fatalism 

References

  1. Ardila, R. (1979). Psicología Social de la Pobreza. In J. Whittaker (Ed.), Psicología Social en el mundo de hoy (pp. 399–418). México: Trillas.Google Scholar
  2. Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo (Vol. 70). Lisboa, Portugal: Edições.Google Scholar
  3. Bezerra, L. M. P. S. (2011). Sentidos da pobreza e do viver em territórios estigmatizados: versões de moradores do Grande Bom Jardim em Fortaleza-Ce. In Jornada Internacional de Políticas Públicas (p. 5). São Luís. Anais/São Luís, Brazil: JOINPP.Google Scholar
  4. Blanco, A., & Díaz, D. (2007). El rostro bifronte del fatalismo: Fatalismo colectivista y fatalismo individualista. Psicothema, 4(19), 552–558.Google Scholar
  5. Boff, L. (1980). Teologia do Cativeiro e da Libertação. Petrópolis, Brazil: Círculo do Livro S.A./Editora Vozes Ltda.Google Scholar
  6. Bogdan, R. C., & Biklen, S. K. (1994). Investigação qualitativa em educação. Porto, Portugal: [s/l]: Porto Editora.Google Scholar
  7. Borelli, S. H. S. (2008). Cenários Juvenis, adultescências, juvenilizações: A propósito de Harry Potter. In S. H. S. Borelli & J. Freire Filho (Orgs.), Culturas Juvenis no século XXI (p. 59–78). São Paulo, Brazil: EDUC.Google Scholar
  8. Borsoi, I. C. F. (2005). O modo de vida dos novos operários: Quando o purgatório se torna paraíso (258p). Fortaleza, Brazil: Editora UFC.Google Scholar
  9. Brazil. (2000). Lei no 10.097, de 19 de dezembro de 2000. Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L10097.htm
  10. Brazil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS). (2012). Estimativas populacionais utilizadas na publicação “Saúde Brasil 2012”. Retrieved from http://datasus.saude.gov.br/noticias/atualizacoes/135-27-06-13-estimativas-de-2000-a-2012-utilizadas-na-publicacao-saude-no-brasil-2012-segundo-faixa-etaria-e-sexo
  11. Cidade, E. C. (2012). Juventude em condições de pobreza, modos de vida e fatalismo. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Universidade Federal do Ceará.163f.Google Scholar
  12. Coimbra, C. (2001). Operação Rio: o mito das classes perigosas. Um estudo sobre a violência urbana, a mídia impressa e os discursos de segurança pública. Rio de Janeiro, Brazil: Oficina do Autor; Niterói: Intertexto.Google Scholar
  13. da Escócia, C., Lima, S. O., & Sá, L. (2007). CUCA: Concepção e Desenvolvimento. Parte 1, 2a versão. Fortaleza, Brazil.Google Scholar
  14. Demo, P. (2005). Dureza: Pobreza política de mulheres pobres. Campinas, Brazil: Autores Associados.Google Scholar
  15. Dib, S. K. (2007). Juventude e projeto profissional: A construção subjetiva do trabalho. Tese (Doutorado em Psicologia). Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. 266f.Google Scholar
  16. Freire, P. (2004). Pedagogia da Tolerância. São Paulo, Brazil: UNESP.Google Scholar
  17. Góis, C. W. L. (2005). Psicologia Comunitária: Atividade e consciência. Fortaleza, Brazil: Publicações Instituto Paulo Freire de Estudos Psicossociais.Google Scholar
  18. Góis, C. W. L. (2008). Saúde comunitária: Pensar e fazer. São Paulo, Brazil: Editora Hucitec.Google Scholar
  19. Groppo, L. A. (2004). Dialética das juventudes modernas e contemporâneas. Revista de Educação do Cogeime, Ano 13(25), 9–22.Google Scholar
  20. Guareschi, P. (2011). Pressupostos epistemológicos implícitos no conceito de libertação. In R. S. L. Guzzo & F. Lacerda Jr. (Orgs.), Psicologia Social para a América Latina (pp. 49–63). Campinas, Brazil: Alínea Editora.Google Scholar
  21. Gutiérrez, G. (1992). Memoria de Dios y Fin de Siglo. In M. Ureña & J. Prades (Eds.), Hombre y Dios en la sociedad de fi n de siglo (pp. 29–36). Madri, Spain: Unión Editorial.Google Scholar
  22. Hopenhayn, M. (Org.). (2004). La juventud en Iberoamérica: Tendencias y urgencias. Santiago de Chile: Organización Iberoamericana de Juventud/CEPAL. Retrieved from http://www.eclac.cl/publicaciones/xml/6/20266/CEPAL_OIJ.pdf
  23. IBGE. (2010). População Jovem no Brasil. Fortaleza, Brazil: Dimensão Demográfica.Google Scholar
  24. IPEA. (2008). Juventude e Políticas Sociais no Brasil. Texto para discussão n. 1335. Brasília, Brazil. Retrieved from http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/1485/1/TD_1335.pdf
  25. IPECE. (2013). INFORME 57: Perfil da Juventude em Fortaleza. Abril/2013.Google Scholar
  26. Jodelet, D. (2009). Os processos psicossociais da exclusão. In B. Sawaia (Org.), As artimanhas da exclusão: Análise psicossocial e ética da desigualdade social (pp. 53–66). Petrópolis, Brazil: Vozes.Google Scholar
  27. Klein, B. L. (2004). Protagonismo Juvenil e Cidadania: Uma proposta pedagógica burguesa. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Paraná.Google Scholar
  28. Kliksberg, B. (2002). América Latina: Uma região de risco – pobreza, desigualdade e institucionalidade social. Brasília, Brazil: UNESCO.Google Scholar
  29. Lewis, O. (1969). The culture of poverty. In D. Moynihan (Ed.), On understanding poverty: Perspectives from the social sciences. New York: Basic Books.Google Scholar
  30. Lopes, R. E., Adorno, R. C. F., Malfitano, A. P. S., Takiti, B. A., Silva, C. R., & Borba, P. L. O. (2008). Juventude Pobre, violência e cidadania. Saúde Sociedade, 17(3), 63–76.CrossRefGoogle Scholar
  31. Martín-Baró, I. (1984). Guerra y salud mental. ECA, 425–430, 503–514.Google Scholar
  32. Martín-Baró, I. (1998). Psicología de la liberación. Madrid, Spain: Trotta.Google Scholar
  33. Montaño, C. (2012). Pobreza, “questão social” e seu enfrentamento. Serviço Social e Sociedade, 110, 270–287.CrossRefGoogle Scholar
  34. Moura, R. (2008). Jovem deve ser foco das ações de segurança, diz especialista. O Povo online, Fortaleza, Brazil, 12 jul. 2008. Retrieved from http://www.opovo.com.br/opovo/fortaleza/803868.htmlGoogle Scholar
  35. Neiva-Silva, L. (2003). Expectativas futuras de adolescentes em situação de rua: um estudo autofotográfico. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.Google Scholar
  36. Neiva-Silva, L. & Koller, S.H. (2002). O uso da fotografia na pesquisa em psicologia. Estudos de Psicologia, 7(2), 237–250.Google Scholar
  37. Nobre, I. M. (2005). Revelando os modos de vida da Ponta do Tubarão. Tese (Doutorado em Ciência Sociais). Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. 260f.Google Scholar
  38. Novaes, R. C. R. (2009). Prefácio – Juventude e políticas sociais no Brasil. In J. A. de Castro, L. M. C de Aquino, & C. C. de Andrade (Orgs.), Juventude e políticas sociais no Brasil. Brasília, Brazil: IPEA.Google Scholar
  39. Oliveira, L. F. B., & Soares, S. D. S. (2013). “Efeito preguiça” em programas de transferência de renda? In T. Campello & M. C. Neri (Orgs.), Programa Bolsa Família: Uma década de inclusão e cidadania (pp. 341–358). Brasília, Brazil: IPEA.Google Scholar
  40. Secretaria Nacional da Juventude. (2006). Política Nacional da Juventude. In Diálogo nacional para uma política pública de juventude. São Paulo, Brazil: Pólis.Google Scholar
  41. Sen, A. (2000). Desenvolvimento como liberdade. São Paulo, Brazil: Companhia das Letras.Google Scholar
  42. Sen, A. (2011). A idéia de justiça. São Paulo, Brazil: Companhia das Letras.Google Scholar
  43. Silva, A.M.S. (2014). Análise das implicações psicossociais do protagonismo para os jovens em situação de pobreza. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Ceará.Google Scholar
  44. Siqueira, L. (2013). Pobreza e Serviço Social: Diferentes concepções e compromissos políticos. São Paulo: Cortez.Google Scholar
  45. Souza, R.M. de. (2008). O discurso do protagonismo juvenil. São Paulo: Paulus.Google Scholar
  46. Souza, R.M. de. (2009). O conceito de protagonismo juvenil. In B. Espíndula (Org). Protagonismo da juventude brasileira: Teoria e memória. São Paulo: Instituto Arte Cidadania (IAC)/Centro de Estudos e Memória da Juventude (CEMJ).Google Scholar
  47. Wacquant, L. (2008). As duas faces do gueto. São Paulo: Boitempo.Google Scholar
  48. Waiselfisz, J. J. (2004). Relatório de desenvolvimento juvenil 2003. Brasília: UNESCO. Retrieved from http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001339/133976por.pdf.
  49. Waiselfisz, J. J. (2014). Mapa da violência 2014: os jovens no Brasil. Brasília: Secretaria, Geral da Presidência da República/Secretaria Nacional de Juventude/Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade.Google Scholar
  50. Yazbek, M.C. (2012). Pobreza no Brasil contemporâneo e formas de seu enfrentamento. Serviço Social e Sociedade, 110, 288–322.Google Scholar

Copyright information

© Springer Nature Switzerland AG 2019

Authors and Affiliations

  • Elívia Camurça Cidade
    • 1
  • Alexsandra Maria Sousa Silva
    • 2
  • Verônica Morais Ximenes
    • 3
  1. 1.Department of PsychologyFederal University of Ceará (UFC) and Ari de Sá CollegeFortalezaBrazil
  2. 2.Faculdade Luciano FeijãoSobralBrazil
  3. 3.Department of PsychologyFederal University of Ceará (UFC)FortalezaBrazil

Personalised recommendations