Advertisement

Indigenous Epistemologies and Visions of Poverty: Aesthetics and Spirituality as Resistance

  • Ana Luisa Teixeira de MenezesEmail author
  • Viviane Fernandes Silveira
Chapter

Abstract

The authors aim to analyze the relations between poverty and spirituality of the Guarani indigenous peoples as forms of aesthetic resistance. The mythological and cultural processes of the Guarani present a different way of meaning poverty in view of their forms of empowerment and worldview. The Guarani are situated in their Mbyá cosmology and historically located in the southern region of Brazil, Argentina, and Paraguay. For the Guarani, land does not express a material value, as we know it in our capitalist system. The soil is audible, plastic, and visual. The value for the Guarani is not related to the material dimension but to deprivation or fragility in cultivating spirituality, which is the basis of a way of living, of the tekoá. In this perspective, to be poor, for the Guarani, is to lose the connection with their soul-word, living enclosed in the literality of matter, which, by itself, has no life.

Keywords

Indigenous people Epistemology Resistance Spirituality 

References

  1. Arias, P. G. (2011). Corazonar la dimensión política de la espiritualidad y la dimensión espiritual de la política. Revista de ciencias humanas, sociales y educación, (10). Universidad Politécnica Salesiana del Ecuador.Google Scholar
  2. Bergamaschi, M. A., Nabarro, E., & Benites, A. (2013). Estudantes Indígenas no Ensino Superior: Uma abordagem a partir da experiência na UFRGS. Porto Alegre, Brazil: Editora da UFRGS.Google Scholar
  3. Bergès, G., & Balbo, G. (2002). O jogo de posições da mãe e da criança. Ensaio sobre o transitivismo. Porto Alegre, Brazil: CMC.Google Scholar
  4. Boechat, W. (2014). A alma brasileira. Luzes e sombra. Rio de Janeiro, Brazil: Vozes.Google Scholar
  5. Brand, A. J. (2011). A criança kaiowá e guarani em contextos de rápidas mudanças – Uma abordagem histórica. In A. C. Nascimento (Ed.), Criança indígena. Diversidade cultural, educação e representações sociais. Brasília, Brazil: Liber livro.Google Scholar
  6. Cadogán, L. (1959). Cómo interpretan los chiripá (avá Guarani) la danza ritual. Revista de Antropologia, 7(1), e 2. Paraguai. Junho e dezembro.Google Scholar
  7. Castro, E. V. (2002). A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo, Brazil: Cosac & Naify.Google Scholar
  8. Chamorro, G. (2008). Terra madura. YVY ARAGUYGE: fundamento da palavra Guarani. Dourados, Brazil: Editora da UFGD.Google Scholar
  9. Clastres, P. (1990). A fala sagrada. Mitos e cantos sagrados dos índios Guarani. Tradução: Nícia Adan Bonatti. Campinas, Brazil: Papirus.Google Scholar
  10. de Menezes, A. L. T. (2006). A alegria do corpo-espírito saudável: Ritos de aprendizagem guarani. Tese (Doutorado em Educação) – PPGEdu/UFRGS, Porto Alegre, Brazil.Google Scholar
  11. de Menezes, A. L. T., & Bergamaschi, M. A. (2015). Educação ameríndia: A dança e a escola ameríndia (2nd ed.). Santa Cruz do Sul, Brazil: EDUNISC.Google Scholar
  12. de Menezes, A. L. T., & Pinho, A. M. M. (2014). A arte e a vivência na psicologia comunitária e na educação popular. Curitiba, Brazil: CRV.CrossRefGoogle Scholar
  13. de Menezes, A. L. T., Richter, S. R. S., & Silveira, V. F. (2015). Nhandereko Kue Kyringue’í Reko Rã – Nossa História para as Crianças. Porto Alegre, Brazil: Imprensa Livre.Google Scholar
  14. de Oliveira, J. P., & Freire, C. A. d. R. (2006). A Presença Indígena na Formação do Brasil. Brasília, Brazil: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade LACED/Museu Nacional.Google Scholar
  15. Freire, P. (1995). À sombra desta mangueira. São Paulo, Brazil: Olho d’água.Google Scholar
  16. Gambini, R. (2000). Espelho índio: a formação da alma brasileira. São Paulo, Brazil: Axis Mundi.Google Scholar
  17. Góis, C., Oliveira, L., Góis, S., & Silva, A. (2015). The possibilities of performing social–psychological and ethnic mediations in Community Psychology in a Deep America perspective. Journal of Prevention & Intervention in the Community, 44(1), 28–39. Retrieved from http://www.tandfonline.com/loi/wpic20#.VrDAMtIrLIU.CrossRefGoogle Scholar
  18. Góis, C. W. d. L. (2012). Psicologia clínico-comunitária. Fortaleza, Brazil: Banco do Nordeste.Google Scholar
  19. Honório, M. A., & Silva, M. B. (2011). MBA’EPU ETE’I Instrumentos musicais sagrados: Narrativa, confecção e uso. Ubatuba, Brazil: Edição do autor.Google Scholar
  20. Kusch, R. (2000a). América Profunda. Buenos Aires, Argentina: Editorial Bonum.Google Scholar
  21. Kusch, R. (2000b). Geocultura del hombre americano. Buenos Aires, Argentina: Fernando García Cambeiro.Google Scholar
  22. Kusch, R. (2008). Esbozo de una antropologia filosófica americana. Buenos Aires, Argentina: Ediciones Castañeda.Google Scholar
  23. Little, P. E. (2010). Conhecimentos Tradicionais para o século XXI: Etnografias da intercientificidade. São Paulo, Brazil: Annablume.Google Scholar
  24. Martin-Baró, I. (2009). Para uma psicologia da libertação. In: Guzzo, R. L., & Lacerda, F. (Orgs.), Psicologia para a América Latina. Campinas, Brazil: Ed Alínea.Google Scholar
  25. Melià, B. (2010). Educação guarani segundo os Guarani. In: D. R. Streck (Org.), Fontes da pedagogia latino-americana: Uma ontologia. Belo Horizonte, Brazil: Autêntica Editora.Google Scholar
  26. Montero, M. (2011). Uma psicologia clínica-comunitária construída a partir da comunidade: práxis latino-americana. In J. C. Sarriera (Ed.), Saúde comunitária. Conhecimentos e experiências na América Latina (pp. 53–92). Porto Alegre, Brazil: Sulina.Google Scholar
  27. Moraes, O. J. (2013). A espiritualidade na pedagogia guarani: o caminho para o encontro da escola sem males. In J. Benvenuti, M. A. Bergamaschi, & T. B. I. Marques (Eds.), Educação indígena sob o ponto de vista de seus protagonistas (pp. 291–394). Porto Alegre, Brazil: Evangraf.Google Scholar
  28. Moura Jr., J., Ximenes, V. M., & Sarriera, J. C. (2014). A construção opressora da pobreza no Brasil e suas consequências no psiquismo. Revista Quadems de Psicologia, 16(2), 85–93. s/l.Google Scholar
  29. Pissolato, E. (2008). Dimensões do bonito: Cotidiano e arte vocal Mbyá Guarani. Espaço Ameríndio, 2(2), 35–51. Porto Alegre.Google Scholar
  30. Poty, V., & Christidis, D. (2015). Guarani-Mbyá. Porto Alegre, Brazil: Wences Design Criativo.Google Scholar
  31. Prado Jr., C. (2004). Formação do Brasil contemporâneo. São Paulo, Brazil: Brasiliense.Google Scholar
  32. Ribeiro, D. (1995). O povo brasileiro. A formação e o sentido do Brasil. Rio de Janeiro, Brazil: Cia das Letras.Google Scholar
  33. Santos, B. de S. (2006). Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. In: B. de S. Santos (Org.), Conhecimento prudente para uma vida decente: Um discurso sobre as ciências revisitado (pp. 777–821). São Paulo, Brazil: Cortez.Google Scholar
  34. Silveira, V. F. (2015). Diário de Campo. Relato de pesquisa de Pós-doutorado no Programa de Pós-graduação em educação da UNISC. São Paulo, Brazil: Ubatuba.Google Scholar
  35. Singer, T. (2012). Listening to latin America: exploring cultural complexes in Brazil. New Orleans, LA: Sring Journal.Google Scholar
  36. Stein, M., & Lucas, M. E. (Orgs.). (2009). Yvý Poty, Yva’á/ Flores e Frutos da Terra: mbyá mboraí nhendú. Cantos e danças tradicionais Mbyá-Guarani. Porto Alegre, Brazil: I’han/Grupo de estudos Musicais/ PPGMus/UFRGS.Google Scholar

Copyright information

© Springer Nature Switzerland AG 2019

Authors and Affiliations

  • Ana Luisa Teixeira de Menezes
    • 1
    Email author
  • Viviane Fernandes Silveira
    • 1
  1. 1.Universidade de Santa Cruz do SulSanta Cruz do SulBrazil

Personalised recommendations