Advertisement

Poverty, Gender Relations, and Women’s Autonomy in the Brazilian Rural Environment

  • Jáder Ferreira Leite
  • Candida Dantas
  • Magda Dimenstein
  • Antonimária Bandeira de Freitas Oliveira
  • João Paulo Macedo
Chapter

Abstract

The authors aim to present a discussion on poverty in rural contexts and how this phenomenon affects the livelihoods of women farmers. It presents the characteristics of the Brazilian rural context marked by a strong reality of poverty and inequality. In addition, the main public policies developed and their relationship with gender issues are also explained. Political participation and autonomy are taken as categories of analysis. These categories are exercised in daily domestic and community life, in marital and family relations, in working and income conditions, and in subjective positions. Thus, there is a need to understand more specifically the relationships between poverty, gender, and rurality.

Keywords

Poverty Gender Rural Social movements Inequality 

References

  1. Baltazar, B. (2004). Os Encontros e Desencontros da Militância e da Vida Cotidiana. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 20(2), 183–190.Google Scholar
  2. Barros, J. R. M. (2014). Prolegômenos: o passado no presente: a visão do economista. In A. M. Buainain, E. Alves, J. M. Silveira, & Z. Navarro (Orgs.), O mundo rural no Brasil do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola (pp. 16–22). Brasília, Brazil: EMBRAPA.Google Scholar
  3. Barsted, L. L. (2011). O progresso das mulheres no enfrentamento da violência. In: L. L. Barsted & J. Pitanguy (Orgs.), O Progresso das Mulheres no Brasil 2003–2010 (pp. 346–382). Rio de Janeiro: CEPIA. Brasília, Brazil: ONU Mulheres.Google Scholar
  4. Bartholo, L., Passos, L., & Fontoura, N. (2017). Bolsa Família, autonomia feminina e equidade de gênero: o que indicam as pesquisas nacionais? Rio de Janeiro, Brazil: IPEA.Google Scholar
  5. Batista, H. R., & Neder, H. D. (2015). Efeitos do Pronaf Sobre a Pobreza Rural no Brasil (2001–2009). Revista de Economia e Sociologia Rural, 52(1), 147–166.Google Scholar
  6. Campelo, M., & Neri, M. C. (2013). Programa Bolsa Família: uma década de inclusão e cidadania. Brasília, Brazil: IPEA.Google Scholar
  7. Campos, C. S. S. (2013). A face feminina da pobreza em meio a riqueza do agronegócio. Trabalho e pobreza das mulheres em territórios do agronegócio no Brasil: o caso de Cruz Alta/RS. Investigación y Políticas. Programa CLACSO-CROP de Estudios sobre Pobreza/Serie documentos breves (pp. 01–02).Google Scholar
  8. Cecchin, H. F. G., & Parente, T. G. (2018). Diversas vozes, muitos dilemas: discutindo o Programa Bolsa família a partir das questões de gênero e empoderamento. Desenvolvimento em Questão, 16(43), 1678–4855.CrossRefGoogle Scholar
  9. Cintrão, R. P., & Siliprandi, E. (2011). O progresso das mulheres rurais. In: L. L. Barsted & J. Pitanguy (Orgs.), O progresso das mulheres no Brasil 2003 – 2010 (pp. 186–229). Rio de Janeiro: CEPIA, Brasília, Brazil: ONU Mulheres.Google Scholar
  10. Costa, M. G. S. G., Dimenstein, M., & Leite, J. F. (2014). Condições de vida, gênero e saúde mental entre trabalhadoras rurais assentadas. Estudos de Psicologia, 19(2), 89–156.Google Scholar
  11. Costa, M. G. S. G., & Schwade, E. (2012). Discursos e feminismos em movimentos entre a macha mundial de mulheres e o MST. Sociais e Humanas, 25(2), 221–230.Google Scholar
  12. CPT (2017). Conflitos no Campo – Brasil 2017. Goiânia, Brazil: CPT Nacional.Google Scholar
  13. Dedecca, C., Buainain, A., Neder, H., & Trovão, C. (2012). Uma abordagem multidimensional da pobreza rural segundo a perspectiva da política pública. In IICA (Org.), A nova cara da pobreza rural: desafios para as políticas públicas (pp. 17–54). Brasília: IICA.Google Scholar
  14. Ferrante, V. L. S. B., Duval, H. C., Bergamasco, S. M. P. P., & Bolfe, A. P. F. (2013). Na trajetória dos assentamentos rurais: mulheres, organização e diversificação. In: D. P. Neves & L. S. Medeiros (Orgs.), Mulheres camponesas: trabalho produtivo e engajamentos políticos (pp. 195–216). Niterói, Brazil: Alternativa.Google Scholar
  15. Furlin, N. (2013). A perspectiva de gênero no MST: um estudo sobre o discurso e as práticas de participação das mulheres. In: D. P. Neves & L. S. Medeiros (Orgs.), Mulheres camponesas: trabalho produtivo e engajamentos políticos (pp. 257–282). Niterói, Brazil: Alternativa.Google Scholar
  16. Ieno Neto, G. (2007). A reforma agrária como alternativa à violência. In: M. Grandesso & M. R. Barreto (Orgs.), Terapia Comunitária: tecendo redes para a transformação social – sáude, educação e políticas públicas (pp. 47–54). São Paulo, Brazil: Casa do Psicólogo.Google Scholar
  17. Jejeebhoy, S. J. (2000). Women’s autonomy in rural India: Its dimensions, determinants, and the influence of context. In H. B. Presser & G. Sen (Orgs.), Women’s empowerment and demographic processes: Moving beyond Cairo (pp. 204–238). Oxford: Clarendon Press.Google Scholar
  18. Lacerda, F. C. (2012). Significados da pobreza na sociedade contemporânea. In A. M. Buainain et al. (Orgs.), A nova cara da pobreza rural: desafios para as políticas públicas (pp. 206–239). Brasília, Brazil: IICA.Google Scholar
  19. Leite, J. F. (2015). Articulando gênero e subjetividade a partir das dimensões família, trabalho e participação política: um estudo com mulheres de assentamentos rurais dos estados do Rio Grande do Norte e de Alagoas. Relatório de pesquisa – Edital Ciências Humanas 2012/CNPQ.Google Scholar
  20. Leite, J. F., & Dimenstein, M. (2012). Relações de gênero e diversidade sexual na luta pela terra: a participação política de militantes mulheres e gays no MST. BAGOAS: estudos gays e de gênero, (08), 187–203.Google Scholar
  21. Martins, J. S. (1998). A vida privada nas áreas de expansão da sociedade brasileira. In F. Novais & L. M. Schawarcz (Orgs.), História da vida privada no Brasil 4: contrastes da intimidade contemporânea (pp. 660–726). São Paulo, Brazil: Companhia das Letras.Google Scholar
  22. Ministério das Minas e Energias. (2015). Programa Luz para Todos. Retrieved from https://www.mme.gov.br/luzparatodos/Asp/o_programa.asp
  23. Ministério do Desenvolvimento Agrário (Org.). (2006). Gênero, agricultura familiar e reforma agrária no Mercosul. Brasília, Brazil: Ministério do Desenvolvimento Agrário – MDA.Google Scholar
  24. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (2014). O Brasil sem Miséria. Brasília, Brazil: MDS.Google Scholar
  25. Prado, M. A. M., & Júnior, N. L. (2003). A mística e a construção da identidade política entre os participantes do movimento dos trabalhadores rurais sem terra no Brasil: um enfoque psicossociológico. Revista eletrônica de psicologia política, Año 1(4), 1–30.Google Scholar
  26. Sabarwal, S., Santhya, K. G., & Jejeebhoy, S. J. (2014). Women’s autonomy and experience of physical violence within marriage in rural India: Evidence from a prospective study. Journal of Interpersonal Violence, 29(2), 332–347.CrossRefGoogle Scholar
  27. Santos, Y. G. (2014). As mulheres como pilar da construção dos programas sociais. Caderno CRH., 27(72), 479–494.CrossRefGoogle Scholar
  28. Sauer, S. (2010). Terra e modernidade: a reinvenção do campo brasileiro. São Paulo, Brazil: Expressão Popular.Google Scholar
  29. Scopinho, R. A. (2012). Processo organizativo de assentamentos rurais: trabalho, condições de vida e subjetividades. São Paulo, Brazil: Annablume.Google Scholar
  30. Scott, J. (1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Revista Educação e Realidade, 20(2), 71–99.Google Scholar
  31. Scott, J. (2005). O enigma da igualdade. Estudos Feministas, 13(1), 11–30.CrossRefGoogle Scholar
  32. Scwade, E. (2010). Novos contextos: gênero e juventude em assentamentos rurais. In: E. Scwade & C. G. O. Valle (Orgs.), Processos sociais, cultura e identidades (pp. 323–358). São Paulo, Brazil: Annablume.Google Scholar
  33. Sena, F. M. R. (2010). Convivência com o semiárido: o desafio de construir relações igualitárias. In M. V. Guedes & R. Arantes (Orgs.), Mulheres no semiárido: um olhar feminista (pp. 69–98). Recife, Brazil: SOS Corpo.Google Scholar
  34. Silva, C. B. C., & Schneider, S. (2010). Gênero, trabalho rural e pluriatividade. In: P. Scott, R. M. Cordeiro, & M. Menezes (Orgs.), Gênero e geração em contextos rurais (pp. 183–208). Florianópolis, Brazil: Ed. Mulheres.Google Scholar
  35. Silva, M. A. M. (2013). Camponesas, fiandeiras, tecelãs, oleiras. In: D. P. Neves & L. S. Medeiros (Orgs.), Mulheres camponesas: trabalho produtivo e engajamentos políticos (pp. 163–183). Niterói, Brazil: Alternativa.Google Scholar
  36. Torres, I. C., & Rodrigues, L. M. (2010). O trabalho das mulheres no sistema produtivo da várzea amazônica. In: P. Scott, R. M. Cordeiro, & M. Menezes (Orgs.), Gênero e geração em contextos rurais (pp. 233–252). Florianópolis, Brazil: Ed. Mulheres.Google Scholar

Copyright information

© Springer Nature Switzerland AG 2019

Authors and Affiliations

  • Jáder Ferreira Leite
    • 1
  • Candida Dantas
    • 1
  • Magda Dimenstein
    • 1
  • Antonimária Bandeira de Freitas Oliveira
    • 2
  • João Paulo Macedo
    • 3
  1. 1.Universidade Federal do Rio Grande do NorteNatalBrazil
  2. 2.Universidade PortiguarNatalBrazil
  3. 3.Universidade Federal do PiauíParnaibaBrazil

Personalised recommendations