Advertisement

Economic Botany

, Volume 49, Issue 1, pp 40–48 | Cite as

A review of caryocar brasiliense (caryocaraceae)—an economically valuable species of the central brazilian cerrados

  • Fernando Dantas De Araujo
Article

Abstract

Caryocar brasiliense Camb. is a member of the Central and South American family Caryocaraceae. Most species of the family are found in tropical rainforests and are economically valuable.C. brasiliense is the main representative in the Brazilian cerrados and grows naturally wherever this type of vegetation is found. Ecologically, the species plays a significant role in the cerrado’s composition. The fruits and seeds are over-exploited due to their wide range of uses, and questions have been raised about whether the intensive exploitation poses any threat to the conservation of the species.

Key Words

Caryocar brasiliense Caryocaraceae piqui pequi savanna cerrado Brazil multiple uses 

Uma revisão de literatura de Caryocarbrasiliense (Caryocaraceae)—uma espécie de valor econômico dos cerrados do Brazil Central

Résumé

Caryocar brasiliense Camb. é uma espécie membra da família Caryocaraceae. A família se distribui pelas Américas do Sul e Central, geralmente nas florestas tropicais, e as espécies tem, em sua maioria, bom valor econômico. C. brasiliense é a principal representante da família nos cerrados brasileiros e cresce naturalmente por toda sua extensão. A espécie se mostra significativamente frequente em análises de composição florística. O fruto e semente são intensamente explorados devido à larga variedade de usos a eles dados e já se questiona quais implicações desfavoráveis à conservação da espécie podem advir ante esta crescente exploração.

Preview

Unable to display preview. Download preview PDF.

Unable to display preview. Download preview PDF.

Literature Cited

  1. Alvim, P. T., and W. A. Araujo. 1952. El suelo como factor ecológico en el desarrollo de la vegetación en el Centro-Oeste del Brasil. Turrialba 2:153–160.Google Scholar
  2. Araujo, F. D. n.d. The Ecology, Ethnobotany, and Management ofCaryocar brasiliense Camb. around Montes Claros, MG, Brazil. D. Phil, thesis—in preparation.Google Scholar
  3. Araujo, P. A. M., and A. Mattos Filho. 1973. Estrutura das madeiras de Caryocaraceae. Arquivos do Jardim Botânico do Rio de Janeiro 1:5–47.Google Scholar
  4. Barradas, M. M. 1972. Informações sobre floração, frutificação e dispersão do piqui,Caryocar brasiliense Camb. (Caryocaraceae). Ciênciae Cultura 24: 1063–1068.Google Scholar
  5. —. 1973. Morfologia do fruto e da semente deCaryocar brasiliense (piqui), em várias fases de desenvolvimento. Revista de Biologia 9:69–84.Google Scholar
  6. Barros, D. P. 1965/66. Regeneração de espécies florestais em São Simão através da talhadia. Silvicultura em São Paulo 4/5:171–179.Google Scholar
  7. Carvalho, M. C, and O. N. Burger. 1960. Contribuicão ao estudo do piqui de Brasília. Coleção Estudo e Pesquisa Alimentar-SAPS 50:7–15.Google Scholar
  8. Casagrande, L. I. T. 1981. Estudo sobre a associação micorrizal emCaryocar brasiliense Camb. Revista Agrícola 56:5–8.Google Scholar
  9. Cesar, O., S. N. Pagano, H. F. Leitão Filho, R. Monteiro, O. A. Silva, G. Marinis, and G. J. Shepherd. 1988. Estrutura fitossociológica do estrato arbóreo de uma área de vegetação de cerrado no município de Corumbataí (estado de São Paulo). Naturalia 13: 91–101.Google Scholar
  10. Cole, M. M. 1986. The savannas: biogeography and geobotany. Academic Press, London.Google Scholar
  11. Costa Neto, F., and L. Couto. 1989. Determinação de Subsídios Técnicos para a Elaboração de um Piano de Manejo para Produção Sustentada em Área de cerrado. Relatório Final. Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.Google Scholar
  12. Dutra, R. C. 1987. Fenologia de dez espécies arbóreas nativas do cerrado de Brasília-DF. Brasil Florestal 19:23–41.Google Scholar
  13. Ehrendorfer, F., W. Morawetz, and J. Dawe. 1984. The neotropical angiosperm families Brunelliaceae and Caryocaraceae: first karyosystematical data and affinities. Plant Systematics and Evolution 145:183–191.CrossRefGoogle Scholar
  14. Eiten, G. 1982. Brazilian “savannas”. Pages 25–47in B. J. Huntley, and B. H. Walker, eds. Ecology of tropical savannas. Ecological studies, 42. Springer-Verlag Berlin, Heidelberg.Google Scholar
  15. —. 1984. Vegetation of Brasília. Phytocoenologia 12:271–292.Google Scholar
  16. EMBRAPA/CPAC. 1987. É tempo de pequi. Noticiário. No.Google Scholar
  17. Felfili, J. M., and M. C. Silva Junior. 1988. Distribuição dos diâmetros numa faixa de cerrado na Fazenda Água Limpa (FAL) em Brasília-DF. Acta Botanica Brasileira 2:85–104.Google Scholar
  18. —,and —. 1992. Floristic composition, phytosociology and comparison of cerrado and gallery forests at Fazenda Água Limpa, Federal District, Brazil. Pages 393–416in P. A. Furley, J. Proctor, and J. A. Ratter, eds. Nature and Dynamics of Forest-Savanna Boundaries. Chapman and Hall, London.Google Scholar
  19. —and—. 1993. A comparative study of cerrado (sensu stricto) vegetation in Central Brazil. Journal of Tropical Ecology 9:277–289.Google Scholar
  20. Ferri, M. G. 1964. Informações sobre a ecologia dos cerrados e sobre a possibilidade de seu aproveitamento. Silviculture em São Paulo 3:43–60.Google Scholar
  21. Giannotti, E., and H. F. Leitão Filho. 1992. Composição florística do cerrado da estação experimental de Itirapina (SP). Anais do VIII Congresso da SBPC 1992:21–25.Google Scholar
  22. Goodland, R. J. A. 1979. Análise ecológica da vegetação do cerrado. Pages 61–162in R. J. A. Goodland, and M. G. Ferri, eds. Ecologia dos cerrados. Editora Itatiaia/Editora da Universidade de São Paulo, Belo Horizonte/São Paulo.Google Scholar
  23. —,and R. Pollard. 1973. The Brazilian cerrado vegetation: a fertility gradient. Ecology 61:219–224.CrossRefGoogle Scholar
  24. Gribel, R. 1986. Ecologia da Polinização e da Dispersão deCaryocar brasiliense Camb. (Caryocaraceae) na Região do Distrito Federal. M.Sc. thesis. Universidade de Brasília. Brasília.Google Scholar
  25. —,and J. D. Hay. 1993. Pollination ecology ofCaryocar brasiliense (Caryocaraceae) in Central Brazil cerrado vegetation. Journal of Tropical Ecology9:199–211.Google Scholar
  26. Handro, W., and M. M. Barradas. 1971. Sôbre os óleos do fruto e da semente do piqui—Caryocar brasiliense Camb. (Caryocaraceae). Pages 110–113in M. G. Ferri, ed. Simpósio sobre o cerrado, III. Editora Edgard Blücher Ltda and Universidade de Sao Paulo, São Paulo.Google Scholar
  27. Haridasan, M. 1982. Aluminium accumulation by some cerrado native species of central Brazil. Plant and Soil 65:265–273.CrossRefGoogle Scholar
  28. Heringer, E. P. 1959. Três árvores úteis do cerrado mineiro. Boletim da Secretaria de Agriculture do Estado de Minas Gerais 12:59–62.Google Scholar
  29. -. 1960. Relatório das pesquisas dos cerrados de Minas Gerais pelo Agro-Silvicultor Ezechias Paulo Heringer, até 1° de novembro de 1960. mimeog.Google Scholar
  30. —. 1969. Nomes de plantas em acidente geográfico de Goiás. Anais da Sociedade Botânica do Brasil 20:325–340.Google Scholar
  31. —. 1970. O pequizeiro (Caryocar brasiliense, Cambess.). Brasil Florestal 1:28–31.Google Scholar
  32. -. 1984. Diagnose dos frutos de duas espécies do cerrado:Caryocar brasiliense Camb. ePassiflora cerradensis Sacco. mimeo.Google Scholar
  33. IBDF. 1988. IBDF dá aula sobre a reprodução do pequizeiro. Natureza. Newsletter of Assessoria de Comunicação Social do DE-MG do IBDF. January.Google Scholar
  34. ITA (Institute de Tecnologia de Alimentos). 1974. Análise 23.014 (LP 3087). mimeog. Campinas, Brasil. 1p.Google Scholar
  35. Kawanishi, K., R. F. Raffauf, and R. E. Schultes. 1986. The Caryocaraceae as a source of fish poisons in the Northwest Amazon. Harvard University, Botanical Museum Leaflets 30:247–253.Google Scholar
  36. Labouriau, L. G., J. F. Válio, and E. P. Heringer. 1964. Sôbre o sistema reprodutivo de plantas dos cerrados. Jornal dos Anais da Academia Brasileira de Ciências 36:449–464.Google Scholar
  37. Labouriau, L. G., J. F. M. Válio, M. L. S. Labouriau, and W. Handro. 1963. Nota sobre a germinação de sementes de plantas de cerrados em condições naturais. Revista Brasileira de Biologia 23:227–237.Google Scholar
  38. Lima, M. T., G. A. Maia, Z. B. L. Guedes, and H. F. Oria. 1981. Composição de ácidos graxos da fração lipidica do piqui (Caryocar coriaceum Wittm.). Ciência Agronômica 12:93–96.Google Scholar
  39. Lobo, A. 1984. Importância, Características, Informações, Dados e Exigências Técnicas para o Cultivo do Pequi. Divulgação Técnica, Instituto Estadual de Florestas, 03/84.Google Scholar
  40. Lopes, A. S., and F. R. Cox. 1977. Division 5-4— Soil fertility and plant nutrition: a survey of the fertility status of surface soils under cerrado vegetation in Brazil. Soil Science Society of America Journal 41:742–747.CrossRefGoogle Scholar
  41. Medeiros, R. A., and M. Haridasan. 1985. Seasonal variations in the foliar concentration of nutrients in some aluminium accumulating and non-accumulating species of the cerrado region of central Brazil. Plant and Soil 88:433–136.CrossRefGoogle Scholar
  42. Medina, E. 1982. Physiological ecology of neotropical savanna plants. Pages 308–335inB. J.Huntley, andB. H.Walkereds.Ecology of Tropical Savannas. Ecological studies, 42. Springer-Verlag Berlin, Heidelberg.Google Scholar
  43. Mello, E. C. 1970. Estudo anatômico das madeiras do generoCaryocar Linn. Brasil Florestal 1:54–61.Google Scholar
  44. Nascimento, M. T., and N. Saddi. 1992. Structure and floristic composition in an area of cerrado in Cuiabá-MT, Brazil. Revista Brasileira de Botânica 15:47–55.Google Scholar
  45. NUBES/COPER/EMATER/MG. 1986. Aproveitamento de Espécies Nativas dos cerrados—II Festa do Pequi, Montes Claros. EMATER/MG, Montes Claros. mimeo.Google Scholar
  46. Oliveira, M. M., B. Gilbert, and W. B. Mors. 1968. Triterpenes inCaryocar brasiliense. Anais da Academia Brasileira de Ciências 40:451–452.Google Scholar
  47. —,R. P. Sampaio, W. Giorgi, B. Gilbert, and W. Mors. 1970.Caryocar brasiliense—Isolamento e identificação de algumas substâncias com atividade biológica sobre o sarcoma 180. Arquivos do Instituto Biológico 37:25–27.Google Scholar
  48. Oliveira-Filho, A. T., G. J. Shepherd, F. R. Martins, and W. H. Stubblebine. 1989. Environmental factors affecting physiognomic and floristic variation in an area of cerrado in central Brazil. Journal of Tropical Ecology 5:413–431.CrossRefGoogle Scholar
  49. Oliveira Filho, J. M., and J. M. Braga. 1990. Níveis de fertilidade do solo para a cultura do milho no Estado de Minas Gerais. I. Interpretação da análise quimica dos solos por grupo de vegetação. Revista Ceres 37:85–98.Google Scholar
  50. Pereira Netto, A. B., and J. D. Hay. 1986. Fotossíntese emCaryocar brasiliense no cerrado. Revista Brasileira de Botânica 9:259–262.Google Scholar
  51. Prance, G. T. 1990. The genusCaryocar L. (Caryocaraceae): an underexploited tropical resource. Advances in Economic Botany 8:177–188.Google Scholar
  52. —,and M. F. Silva. 1973. Caryocaraceae. Flora Neotropica Monograph 12:1–75.Google Scholar
  53. Ratter, J. A. 1991. Guia para a Vegetação da Fazenda Água Limpa (Brasília, DF). Editora Universidade de Brasília, Brasília.Google Scholar
  54. —,and T. C. D. Dargie. 1992. An analysis of the floristic composition of 26 cerrado areas in Brazil. Edinburgh Journal of Botany 49:235–250.CrossRefGoogle Scholar
  55. Ribeiro, J. F., S. M. Sano, J. Macedo, and J. A. Silva. 1983. Os principals tipos fisionômicos da região dos cerrados. Boletim de Pesquisa EMBRAPA/ CPAC, 21. Brasília.Google Scholar
  56. —,J. C. S. Silva, and G. J. Batmanian. 1986. Fitossociologia de tipos fisionômicos de cerrado em Planaltina—DF. Revista Brasileira de Botânica 8:131–142.Google Scholar
  57. Rizzini, C. T. 1975. Contribuição ao conhecimento da estrutura do cerrado. Brasil Florestal 6:3–15.Google Scholar
  58. SECELT/Prefeitnra de Montes Claros. 1986. Pizza de Pequi. Prefeitura de Montes Claros, Montes Claros. mimeo.Google Scholar
  59. Silva Junior, M. C. 1984. Composição Florística, Estrutura e Parametros Fitossociológicos do cerrado e sua Relação com o Solo na Estação Florestal de Experimentação de Paraopeba, MG. MSc thesis. Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.Google Scholar
  60. Vastano Junior, B., and A. P. Barbosa. 1983. Propagação vegetativa do piqui-á (Caryocar villosum Pers.) por estaquia. Acta Amazônica 13:143–148.Google Scholar
  61. Vincent, R. C., S. L. Miyazaki, E. P. C. Gomes, and W. Mantovani. 1992. Estrutura e composição florística do cerrado de Emas, Pirassununga, SP. Anais do VIII Congresso da SBPC 1992:139–151.Google Scholar

Copyright information

© The New York Botanical Garden 1995

Authors and Affiliations

  • Fernando Dantas De Araujo
    • 1
  1. 1.Oxford Forestry InstituteOxford

Personalised recommendations