Sustainability indicators in the swine industry of the Brazilian State of Santa Catarina

  • Tiago Francisco de Camargo
  • Antonio Zanin
  • Sady Mazzioni
  • Geovanne Dias de Moura
  • Paulo Sérgio Lima Pereira Afonso
Article

Abstract

In recent decades, there has been a growing concern about measuring and evaluating the results of intensive production practices, such as the mode of integration practiced on a large scale by agro-industries. The present study discusses the application and the results of a Sustainability Indicators System in the context of the swine industry in the Brazilian State of Santa Catarina. These indicators, focused on the level of sustainability maturity, can be used as a way to diagnose and compare the efficiency of the industry from a broader perspective. The research findings indicate that most of the pig farms that have been studied can be classified as “in search of sustainability or sustainable.” Nevertheless, there are differences among the dimensions and between the most ranked farms and the others which must be considered for a better design and application of public policies and company strategies toward an effective and balanced social, economic and environmental sustainability.

Keywords

Sustainability Performance systems Performance metrics Swine industry 

Notes

Acknowledgements

Funding was provided by FAPESC (Grant No. UNOCHAPECÓ).

References

  1. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 16001. (2012). Responsabilidade Social.Google Scholar
  2. Albanio, L. S., & Tatsch, M. P. (2016). A percepção de empresas do setor calçadista sobre práticas sustentáveis. Revista Organizações em Contexto-online, 12(23), 241–260.CrossRefGoogle Scholar
  3. Allegretti, G. (2013). Integração das dimensões social, ambiental e econômica na terminação de suínos: construção de indicadores de desempenho e validação em um município do Rio Grande do Sul. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.Google Scholar
  4. Allegretti, G., Schimidt, V., & Machado, J. A. D. (2014). Sustentabilidade na suinocultura de terminação: Indicadores ambientais de desempenho em um município gaúcho. Revista Ciência e Natura, 36, 677–684.Google Scholar
  5. Annan-Diab, F., & Molinari, C. (2017). Interdisciplinarity: Practical approach to advancing education for sustainability and for the sustainable development goals. The International Journal of Management Education, 15(2), 73–83.CrossRefGoogle Scholar
  6. Ashley, P. A. (2005). A responsabilidade social nos negócios: um conceito em construção. In: Ética e Responsabilidade Social nos Negócios. ASHLEY. P. A. (coord.) São Paulo.Google Scholar
  7. Beskow, E. (2016). Biogás e energia: uma análise da articulação organizacional entre atores no estado de Santa Catarina sob a ótica da sustentabilidade. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Administração. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.Google Scholar
  8. Branco, V. L. A. (2011). Mecanismo de desenvolvimento limpo: a natureza jurídica dos créditos de carbono. (TCC) Faculdade Ciências Sociais e Jurídicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.Google Scholar
  9. Brown, V. A., Grootjans, J., Ritchie, J., Townsend, M., & Verrinder, G. (2014). Sustentabilidade e saúde: Apoiando a integridade ecológica global na saúde pública. Abingdon: Routledge.Google Scholar
  10. Brundtland commission (1987). Our common future, world commission on environment and development (Brundtland commission). Available at: http://www.un-documents.net/our-common-future.pdf. Accessed 21 Mar 2017.
  11. Casagrande, L. F. (2003). Avaliação descritiva de desempenho entre uma granja suinícola convencional e outra dotada de biossistema integrado (B.S.I). Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção)—Programa de Pós-Graduação em Engenharia da Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.Google Scholar
  12. Cerqueira, J. P. (2006). Sistemas de Gestão Integrados: ISO9001, ISO14001, OHSAS18001, SA8000, NBR16001. Conceitos e Aplicações. Rio de Janeiro: Qualitymark.Google Scholar
  13. De Haan, C., Steinfeld, H. & Blackburn, H. (1995). Livestock & the environment: finding a balance. Available at: http://fao.org/ag/againfo/resources/documents/Lexhtml/tech/index.htm. Accessed 5 Apr 2017.
  14. Elkington, J. (2001). Sustentabilidade Canibais Com Garfo e Faca: Triple botton line. São Paulo: M. Books.Google Scholar
  15. EPAGRI (2016). Síntese anual da Agricultura de Santa Catarina 2014–2015. Available at: http://www.epagri.sc.gov.br/?page_id=7473. Accessed 1 Mar 2017.
  16. FAOSTAT (2016). Production Live Animals. Accessed 21 Mar 2017.Google Scholar
  17. FATMA - Fundação Meio Ambiente. Instrução Normativa 11. (2014). Licenciamento atividade suinícola.Google Scholar
  18. Gama, M. (2003). Planejamento e gestão do tratamento de dejetos Suínos no Distrito Federal: aplicação de Instrumentos de Avaliação Multicriterial. Dissertação (Mestrado), Programa de Pós-graduação em Planejamento e Gestão Ambiental, Universidade Católica de Brasília, Brasília, DF, Brasil.Google Scholar
  19. Gomes, L. P., Peruzatto, M., Santos, V. S., & Selitto, M. A. (2014). Indicadores de sustentabilidade na avaliação de granjas suinícolas. Revista Engenharia Sanitária Ambiental, 19(2), 134–154.Google Scholar
  20. Hepper, E. L., Hansen, P. B., & Santos, J. L. S. (2016). Iniciativas sustentáveis e desempenho organizacional: uma análise das publicações na Base Web of Science. Revista de Gestao Ambiental e Sustentabilidade, 5(2), 98.CrossRefGoogle Scholar
  21. IBGE (2015). Pesquisa pecuária municipal. 2015. Available at: https://sidra.ibge.gov.br/tabela/3939#resultado. Accessed 23 Jan 2017.
  22. IBGE/Cidades (2016). Available in https://cidades.ibge.gov.br. Accessed 23 Jan 2017.
  23. Instituto Atkwhh. Compêndio para a sustentabilidade. (2014). Disponivel em http://www.institutoatkwhh.org.br/compendio. Acesso em 10 junho de 2017.
  24. Irias, L. J. M., Rodrigues, G. S., Campanhola, C., Kitamura, P. C., Rodrigues, I., & Buschinelli, C. D. A. (2004). Sistema de avaliação de inovações tecnológicas nos segmentos agropecuário, produção animal e agroindústria (sistema ambitec). Jaguariúna: EMBRAPA/CNPMA.Google Scholar
  25. Kopnina, H. (2015). Sustainability in environmental education: new strategic thinking. Environment, Development and Sustainability, 17(5), 987–1002.CrossRefGoogle Scholar
  26. Kopnina, H. (2017). Sustainability: new strategic thinking for business. Environment, Development and Sustainability, 19(1), 27–43.CrossRefGoogle Scholar
  27. Kruger, S. D., Petri, S. M., Ensslin, S. R., & Mattos, L. S. (2015). Performance evaluation of poultry production sustainability: international mapping regarding this issue. Revista Custos e Agronegócios-online, 11(4), 124–153.Google Scholar
  28. Marconi, A., & Lakatos, E. M. (2007). Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. Clifton Hill: Atlas.Google Scholar
  29. Miele, M. (2006). Contratos, especialização, escala de produção e potencial poluidor na suinocultura de Santa Catarina. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Agronegócios, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.Google Scholar
  30. Miranda, C. R. (2005). Avaliação de estratégias para sustentabilidade da suinocultura. Tese (Doutorado) - Programa de Pós Graduação em Engenharia Ambiental, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.Google Scholar
  31. Nichioka, J. (2008). Análise da sustentabilidade organizacional: o caso da construção civil. Tese (Doutorado) Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.Google Scholar
  32. Oliveira, J. H. R. (2002). M.A.I.S. Método para avaliação de indicadores de sustentabilidade organizacional. Tese (Doutorado), Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.Google Scholar
  33. Pastakiaa, C. & Jensena, A. (1998). The rapid impact assessment matrix (Riam). Environmental Impact Assessment Review, 18(5), 461–482.CrossRefGoogle Scholar
  34. Peruzzato, M. (2009). Avaliação de desempenho de granjas suinícolas pelo emprego de indicadores de sustentabilidade. Dissertação (Mestrado), Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, RS, Brasil.Google Scholar
  35. Sachs, I. (1992). Qual o desenvolvimento para o século XXI. Terra Patrimônio comum. São Paulo: Nobel.Google Scholar
  36. Sachs, I. (2008). Caminhos para o desenvolvimento sustentável (3rd ed.). Rio de Janeiro: Garamond.Google Scholar
  37. Severo, E. A. (2014). Inovação e sustentabilidade ambiental nas empresas do arranjo produtivo local metalmecânico automotivo da Serra Gaúcha. Tese (Doutorado) - Programa de Pos-Graduação em Administração, Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, RS, Brasil.Google Scholar
  38. Shaaban, M., & Scheffran, J. (2017). Selection of sustainable development indicators for the assessment of electricity production in Egypt. Sustainable Energy Technologies and Assessments, 22, 65–73.CrossRefGoogle Scholar
  39. Sharma, S., & Ruud, A. (2003). On the path to sustainability: Integrating social dimensions into the research and practice of environmental management. Business Strategy and the Environment, 12(4), 205–214.CrossRefGoogle Scholar
  40. SPIES, A. (2009). Avaliação de impactos ambientais da suinocultura através da análise do ciclo de vida – ACV. In: MIRANDA, C.R.; MIELE, M. (Org). Suinocultura e meio ambiente em Santa Catarina: indicadores de desempenho e avaliação sócio-econômica. Embrapa.Google Scholar
  41. Sudana, I. P. (2015). Sustainable development and reconceptualization of financial statements. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 211, 157–162.CrossRefGoogle Scholar
  42. Talamini, D. J. D., Martins, F. M. & Pinheiro, A. C. (2005). Rentabilidade na terminação de suínos no estado de Santa Catarina. In: Caldas, Agronegócio Brasileiro: Comunicado Tecnico404. Disponível em http://www.infoteca.Cnptia.embrapa.Br/handle/doc/962240.
  43. Zen, S., Ortelan, C., & Iguma, M. B. (2015). Ativos da suinocultura. suinocultura brasileira avança no cenário mundial. Revista CNA Brasil, 1(1), 1–4.Google Scholar

Copyright information

© Springer Science+Business Media B.V., part of Springer Nature 2018

Authors and Affiliations

  1. 1.Department of Social and Applied SciencesUniversidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓChapecóBrazil
  2. 2.Department of Production and Systems, Engineering SchoolUniversity of MinhoGuimarãesPortugal

Personalised recommendations